Educação ambiental como ferramenta para gestão de riscos de desastres

Rafaela Vieira, Mario Acácio Borges de Melo Correia de Oliveira, Olga Maria Assunção Pinto dos Santos, Bianca Marchi da Silva

Resumo


O objetivo é refletir sobre a importância da experimentação na Educação Ambiental como ferramenta para a gestão de riscos de desastres naturais. Para tanto, será relatada uma vivência entre extensionistas e pesquisadores luso-brasileiros, que se tornou possível por meio de uma ação vinculada ao projeto de extensão universitária denominado “Atmosfera – Prevenção e mitigação aos riscos de desastres”. As técnicas de pesquisa utilizadas foram bibliográfica e experimental, estruturada com base no planejamento rigoroso do material apresentado no curso de Educação Ambiental (EA), ministrado por pesquisadores do Instituto Politécnico de Leiria/Portugal, junto a Universidade Regional de Blumenau (FURB). Como forma de consolidar parcerias internacionais, o curso constituiu-se em uma das ações do projeto de extensão, financiado pela FURB.  O curso, realizado nos dias 11 e 12 de maio de 2017, com duração de 16 horas, contou com 22 participantes que representavam diferentes instituições, dentre elas, à Defesa Civil e Fundação do Meio Ambiente de Blumenau, bolsistas do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação a Docência (PIBID) da FURB, além de professores da rede pública municipal de ensino de Blumenau, formadores que atuam na Educação Ambiental.  Os resultados indicam a importância de parcerias entre distintas áreas do conhecimento, a necessidade de contextualizar ações de EA com a problemática local e acima de tudo, utilizar a experimentação como ferramenta procedimental para compreensão da problemática estudada.

Palavras-chave


Educação Ambiental. Experimentação. Risco de desastre natural. Gestão.

Texto completo:

PDF

Referências


AUMOND, J.J.; SEVEGNANI,L.; TACHINI, M.; BACCA, L.E. Condições naturais que tornaram o Vale do Itajaí sujeito aos desastres. In: Beate Frank; Lucia Sevegnani. (Org.). Desastre de novembro de 2008 no Vale do Itajaí: água, gente e política. 1ed. Blumenau: Fundação Agência de Água do Vale do Itajaí, 2009, v. 1, p. 23-37.

LEFF, ENRIQUE. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

MARTINS, I. P., VEIGA, L., TEIXEIRA, F., TENREIRO-VIEIRA, C., VIEIRA, R., RODRIGUES, A. V. E COUCEIRO, F.. Educação em Ciências e Ensino Experimental no 1º Ciclo EB. Formação de Professores. Lisboa: Ministério da Educação. 2006

MATTEDI, M.A.; FRANK, B; SEVEGNANI, L.; BOHN, N.; O desastre se tornou rotina. Desastre de novembro de 2008 no Vale do Itajaí: água, gente e política. 1ed. Blumenau: Fundação Agência de Água do Vale do Itajaí, 2009, v. 1, p. 14-21.

NARVÁEZ, L., LAVELL, A., ORTEGA, G.P. La gestión del riesgo de desastres: um enfoque basado em procesos. Secretaría General de la Comunidad Andina, Lima, 2009.

PEREIRA, R.; Gonlalves, F.; Azeiteiro, U. (2016). Atividades Práticas em Ciências e Educação Ambiental – II. Lisboa: Instituto Piaget.

RIBEIRO, H.; VARGAS, H.C. Qualidade ambiental urbana: ensaio de uma definição. Novos instrumentos de gestão ambiental urbana. VARGAS, H.C.; RIBEIRO, H. (Orgs.) 1.ed. São Paulo: EDUSP, 2014.

UNISDR. Construindo Cidades Resilientes – Minha Cidade está se preparando, 2012.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.