Contribuição da extensão universitária na formação de graduandos em Enfermagem

Paula Barreto Ferreira, Maria Lúcia Fernandez Suriano, Edvane Birelo Lopes De Domenico

Resumo


Introdução: O conceito de Extensão Universitária (Ext Univ) articula ensino e pesquisa de modo a intervir na realidade social. Objetivos: caracterizar os programas e projetos de Ext Univ de acordo com natureza, objetivos, plano de trabalho e intencionalidade educacional; identificar as atividades desempenhadas pelos estudantes nas atividades de Ext Univ; identificar competências e habilidades desenvolvidas no exercício da Ext Univ e comparar esses resultados com um grupo de graduandos e formandos-não extensionistas. Método: descritivo, transversal, com triangulação de métodos, dividido em duas fases. Na Fase 1, realizou-se uma análise documental dos  programas (PGS) e projetos (PJS) sociais cadastrados na Pró-Reitoria de Extensão (PROEX), coordenados por docentes da Escola Paulista de Enfermagem (EPE) da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Na Fase 2,, construiu-se um questionário que foi validado pelos coordenadores dos PGS e PJS que aceitaram participar da pesquisa, por meio da Técnica de Delphi. O questionário foi aplicado aos discentes graduandos formandos no ano de 2013, da EPE-UNIFESP. A análise qualitativa pautou-se na técnica de análise de conteúdo e no quadro teórico-normativo relativo aos programas (PGS) e projetos (PJS) sociais cadastrados na Pró-Reitoria de Extensão (PROEX), coordenados por docentes da EPE; na análise quantitativa pautou-se pela apreciação (descritiva) dos quantificáveis obtidos e estatística analítica das informações coletadas por meio do questionário validado. Resultados: Na Fase verificou-se que os 13 PGS e PJS pertenciam, predominantemente, à área da saúde e seus objetivos gerais relacionavam-se com a articulação de ações nas áreas da promoção e educação em saúde e com ações de ensino, pesquisa e extensão. Seus grupos populacionais de atuação eram compostos por usuários do SUS, escolares, pessoas da comunidade, participantes de outras instituições e grupos socialmente vulneráveis. Entre seus integrantes estavam docentes, graduandos, pós-graduandos da UNIFESP e participantes externos. A frequência e a carga horária dos PGS e PJS foram  variáveis e com características distintas entre si. Na Fase 2, a comparação realizada entre as respostas dos extensionistas e não-extensionistas demonstrou-se favorável para a Ext Univ acerca das questões sobre o aperfeiçoamento de técnicas de comunicação (p 0,006), capacidade de inserção em ambientes favoráveis à troca de conhecimento teórico e prático entre os estudantes, a população-alvo e aos profissionais envolvidos, à transferência de conhecimento (p0,004), ao desenvolvimento de senso crítico e reflexivo, à visão ampliada dos problemas sociais, à postura pró-ativa(p0,04), à busca de novos conhecimentos e ao contato com áreas específicas. Conclusão: Os extensionistas e não-extensionistas reconhecem a contribuição das atividades da Ext Univ, na construção de habilidades e competências, desenvolvidas no transcorrer do curso de graduação, com destaque para habilidades de comunicação, postura pró-ativa, desenvolvimento do senso crítico e reflexivo sobre os problemas de saúde do país e capacidade de aprender a aprender.


Palavras-chave


Educação em Enfermagem. Educação em Saúde. Competência Profissional. Projetos de Pesquisa. Comunicação-Education in Nursing. Health Education. Professional Competence. Research project. Communication-Educación en Enfermería. Educación en Salud.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Porto: Edições 70; 2009.

BENEVIDES, R. Direito à Saúde: Atuação Jurisdicional frente à implantação do SUS. Rev de Mestrado em Direito da Universidade Católica Brasileira, São Paulo, v.4, n.2, p.480-525. 2010. Disponível em:< https://portalrevistas.ucb.br/index.php/rvmd/article/view/2548/1551>. Acesso em: 26 ago 2014.

BORUS, M.J.R.; INGRAM, B.L.; SWENDEMAN, D. Adoption of Self-Management Interventions for Presentation and care. Prim Care Clin Office , Los Angeles, v. 39, n.4,p. 649-60. 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 set 2014.

BRASIL. Lei n.10.172, nove de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências, 2001. Disponível em:< http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2001/lei-10172-9-janeiro-2001-359024-publicacaooriginal-1-pl.html >. Acesso em: 20 set 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Programa Nacional de reorientação da formação profissional em saúde. PRÓ-SAUDE Objetivo, Implementação e Desenvolvimento Potencial. Brasília, DF, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação, Programa de Extensão Universitária. Portaria nº 12.155 de vinte e três de dezembro de 2009. Brasília, DF, 2009. Disponível em:< http://portal.ifrn.edu.br/extensao/programa-de-extensao-universitaria-proext-2013-mec-sesu>. Acesso em: 27 jun 2014.

BRASIL. Fórum de Pró-Reitores de Extensão Universitária das Universidades Públicas Brasileiras. Política Nacional de Extensão Universitária. Amazonas: Manaus; 2012. 41p. [acesso em 2014 jan 22]. Disponível em: file:///C:/Users/usuario/Downloads/PNEU%20(5).pdf

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino. Planejando a próxima década: conhecendo as 20 Metas do Plano Nacional de Educação. Brasília, DF, 2014, p. 8.

CAR, J.; SHEIK, A. Telephone consultations. BMJ, Inglaterra, v.326, n.7396, p. 966-69. 2003. Disponível em: . Acesso em: 05 set 2014.

DANTAS, J.F.; VALENÇA, C.N.; MORAIS, I.F.et al. O Sistema Único de Saúde no olhar dos Enfermeiros da estratégia de saúde da família. JNUOL, Recife, v.7, n.9,p.1518-29. 2013. Disponível em:< http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/3304/pdf_3384>. Acesso em: 20 set 2017.

DE-DOMENICO, E.B.L.; IDE, A.C. Estratégias apontadas pelos docentes para o desenvolvimento das competências nos diferentes níveis de formação superior em enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v.58, n.5, p. 509-512. 2005. Disponível em: < http://www.redalyc.org/pdf/2670/267019626002.pdf >. Acesso em: 27 out 2017

DOMENICO, E.B.L. Programas educativos baseados no autogerenciamento: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v.31, n.2, p.375-82. 2010. Disponível em : . Acesso em: 20 set 2014.

FERREIRA, J.B.B.; FOSTER, A.C.; SANTOS, J.S. Reconfigurando a interação entre Ensino, Serviço e Comunidade. Rev Bras Edu Med , v.36, n.1, p.127-33, jan. 2012. Disponível em :< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022012000200017>. Acesso em: 20 set 2016.

FERREIRA, P.B.; SURIANO, M.L.F.; DE-DOMENICO, E.B.L. Contribuições da Extensão Universitária na formação de graduandos em enfermagem: estudo comparativo. 2014. 161. Dissertação de Mestrado- Programa Pró Ensino, Escola Paulista de Enfermagem, Universidade Federal de São Paulo, 30 set 2014.

FIRMINO, R.; PATRICIO, J.; RODRIGUES, L. et al. Educação Popular e promoção da saúde do idoso: reflexões a partir de uma experiência de Ext Univ com grupos de idosos em João Pessoa-PB. Rev APS, Juiz de Fora, v.13, n.4, p.82. 2010.

FREITAS, E.P.; SPONCHIADO, F.C.; ZANATTA, E.A. O Processo de Enfermagem como perspectiva na melhoria e qualidade da assistência. Rev de Enf , Rio Grande do Sul, v.2, n.2, p. 45-52. 2006. Disponível em:http://revistas.fw.uri.br/index.php/revistadeenfermagem/article/view/1018/1492. Acesso em: 21 ago 2014.

HADDAD ,J.G.U.; AMADO, J.N. A comunicação terapêutica na relação enfermeiro – usuário da Atenção Básica um instrumento para a promoção à saúde e cidadania. O mundo da saúde, São Paulo, v.35, n.2, p. 145-55. 2011. Disponível em : http://bvsms.saude.gov.br/bvs/artigos/comunicacao_terapeutica_relacao_enfermeiro_usuario_atencao_basica.pdf. Acesso em: 20 set 2014.

ITO, E.E.; PERES, A.M.; TAKAHASHI, R.T. et al. O ensino de enfermagem e as diretrizes curriculares nacionais: utopia x realidade. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v.40, n.4, p.570-5. 2006. Disponível em: Acesso em: 27 out 2017.

LANDIM, C.A.P.; TEIXEIRA, C.R.S.; CITRO, R. et al. O significado do ensino por telefone sobre insulina para pessoas com diabetes mellitus. Rev Gaúcha Enferm, Porto Alegre, v.32, n.3, p. 554-560. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n3/17.pdf . Acesso em: 27 out 2017

LAPERRIÉRE, H. Inovação Metodológica – experimentando da educação libertadora em Saúde. Sau. & Transf. Soc, Florianópolis, v.1, n.1, p.28-34, 2010. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=265319560006. Acesso em: 20 set 2016.

LIMA, D.P.; GARBIN, C.A.S.; SALIBA, N.A. et al. A importância da integração universidade e serviços de saúde. Rev Ciênc Ext , São Paulo, v.6, n.1, p. 129-37, 2010. Disponível em:< file:///C:/Users/usuario/Downloads/60-2220-1-PB.pdf> Acesso em: 02 set 2014.

LIMA, R.A.G. Doenças crônicas e os desafios para a produção de conhecimento na saúde. Rev Latino Am Enfermagem, São Paulo v.21, n.5, p.2, 2013. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n5/es_0104-1169-rlae-21-05-1011.pdf

>. Acesso em : 05 set 2014.

MARTINS, M.M.N.M.A.M. A consulta telefônica como intervenção de enfermagem ao doente/família com dor crônica. 2009. 220. Tese de Mestrado - Universidade Aberta, Lisboa, 2009. Disponível:< http://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/1473/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20%20Mestrado%20Comunica%C3%A7%C3%A3o%20em%20Sa%C3%BAde%20-%20Madalena%20Martins.pdf

MELO NETO, J.F. Extensão Universitária, Autogestão e Educação Popular. Rio Grande do Norte: UFPB,2006. NASCIMENTO, L.S.; GUTIERREZ, M.G.R.; DE-

NOZAKI, J.M.; APARECIDA, D.; HUNGER, C.F. et al. Reflexões sobre um projeto de extensão universitária na formação/atuação do docente de educação.In: Ciência e Compromisso Social, XVII CONBRACE, IV CONICE de Porto Alegre, 2011 em Porto Alegre, Anais do XVII Congresso Brasileiro de Ciência do Esporte e do IV Congresso de Ciência do Esporte de Porto Alegre, Porto Alegre, 2011. 7p. Disponível em:< file:///C:/Users/usuario/Downloads/3104-12844-1-PB%20(1).pdf>. Acesso em: 16 abr 2013.

PINTO, A.V. Ciência e Existência: problemas filosóficos de pesquisa científica. 2 ed. João Pessoa: Editora Universitária UFPB, 1997.

PIZZINATO, A.; GUSTAVO, A.S.; SANTOS, B.RL. A integração Ensino-serviço como estratégia na formação profissional para o SUS. Rev Bras de Educ Med, Porto Alegre, v.36 n.1, p.170-77. 2012. Disponível:< http://www.scielo.br/pdf/rbem/v36n1s2/a25v36n1s2.pdf>. Acesso: 02 set 2014.

RODRIGUES, R.A.P.; OLIVEIRA, M.H.P.; ROBAZZI, M.L.C.C. As Perspectivas da Cultura e Extensão nas Escolas de Enfermagem no Brasil. Rev. Latino-americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.1, p. 103-9.1993

SANTOS, A.M.R.; REICHERT, A.P.S.; NUNES, B.M.V.T. et al. Construção coletiva de mudança no Curso de Graduação em Enfermagem: um desafio. Rev. Bras. Enferm. Brasília, v.60, n.4, p.410-15. 2007. Disponível em: .Acesso em: 13 jun 2014

SILVA, J.L.M.; AZEVEDO, M.C.B.; AGUIAR, A.L. et al. Extensão Comunitária contribuindo para a inserção na atenção básica e formação de profissionais da saúde. Revista APS, Juiz de Fora, v.13, n.4, p. 406-11. 2010. Disponível em:< http://aps.ufjf.emnuvens.com.br/aps/article/viewFile/555/386>. Acesso em: 20 set 2016.

SILVA, M.J.; SOUSA, E.M.; FREITAS, C.L. A Formação em Enfermagem: interface entre as diretrizes curriculares e os conteúdos de Atenção Básica. Rev Bras Enfermagem, Brasília, v.64,n.2, p. 315-21. 2011. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n2/a15v64n2.pdf>. Acesso em: 20 set 2014

SIMÕES, A.L.A.; TAVARES, D.M.S.; POGGETTO, M.T.D. Significado da Ext Univ na Perspectiva dos Acadêmicos de Enfermagem. In: Congresso Brasileiro de Ext Univ, II, 2004, Belo Horizonte, Anais do 2º Congresso Brasileiro de Ext Univ, 7p. Disponível em: . Acesso em: 20 set 2014.

SOUZA, R.C.S.; ARCURI, E.A.M. Estratégias de Comunicação da Equipe de Enfermagem na afasia decorrente de Acidente Vascular Cerebral Encefálico. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v.48, n.2, p. 292-8. 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v48n2/pt_0080-6234-reeusp-48-02-292.pdf>. Acesso em: 21 ago 2014.

STRAUSS, F.; LETA, J. Entre o ensino, a pesquisa e a assistência médica: um estudo de caso. História, Ciências, Saúde. Rio de Janeiro, v.16, n.4 p.1027-43. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v16n4/11.pdf >. Acesso em: 20 set 2016.

SUN X.; YANG, Z. Generalized McNemar's Test for Homogeneity of the Marginal Distributions. In: Procedimentos de Conferência SAS, 2008, Carolina do Norte- EUA, Artigo Científico do tópico temático de estatística e análise de dados, Carolina do Norte, Resumo 382. Disponível em: < http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/summary?doi=10.1.1.176.2925>. Acesso em: 27 out 2017.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO. Pró- reitoria de Graduação. Disponível em: . Acesso em: 28 jul 2014.

VIANA, N.G.; CAVALCANTI, M.L.T.; ACIOLI, M.B. Princípios de universalidade, integralidade e equidade em um serviço de atenção à saúde auditiva. Ciênc & Saúd Coletiva,v. 19, n.7, p. 79-88 . 2014. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v19n7/1413-8123-csc-19-07-02179.pdf. Acesso em: 20 set 2014.

ZANI, A.V. Incidentes críticos do processo ensino-aprendizagem do curso de Graduação em enfermagem segundo a percepção de alunos e professores.2005. 192. Dissertação de Mestrado- Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 26 abr 2005. Disponível em: . Acesso em : 20 set 2014.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.