Mulheres e PANCs: resgatando hábitos e saberes alimentares no Vale do Taquari, RS

Cândida Zanetti, Elaine Biondo, Eliane Maria Kolchinski, Raquel Carvalho Machado Kamphorst, Paulo Roberto Severgnini, Gabriela Dierstmann de Azevedo, Matheus Fleck, Tatiane Turatti

Resumo


Plantas alimentícias não convencionais (panc´s) são espécies cujas partes comestíveis como tubérculos, folhas, flores, frutos e sementes, são negligenciadas e esquecidas, devido as recentes mudanças de hábitos alimentares. Contudo são espécies de grande importância no contexto da Segurança Alimentar e Nutricional, favorecendo a diversidade alimentar e possibilitando alimentação saudável. A caracterização e o resgate do conhecimento tradicional sobre o cultivo e uso de panc’s associado a agrobiodiversidade local contribui para o desenvolvimento regional sustentável. As mulheres, na maioria das vezes responsáveis pela escolha e preparação das refeições, detém o conhecimento sobre as panc´s, sendo fundamental o resgate deste conhecimento, a fim de que se tornem reconhecidas como alimento, e que seu potencial alimentar e nutricional seja valorizado através do uso. Assim, o objetivo deste estudo foi resgatar informações e conhecimentos sobre estas plantas com mulheres participantes de Clubes de Mães de municípios do Vale do Taquari através da realização de palestras e oficinas com preparação de pratos, bem como com o diálogo com estas mulheres. Para melhor entendimento foram aplicadas entrevistas semiestruturadas e realizadas fotografias. Foram entrevistadas 87 membros de clubes de mães. No Vale do Taquari, o conhecimento sobre utilização e o consumo de panc’s não vinha sendo divulgado e observou-se que existe e faz parte da tradição alimentar de diferentes comunidades da região. Constatou-se que a grande maioria, conhece muitas panc´s, mais de 20 espécies foram identificadas e citadas, principalmente pelo seu uso como medicinal, tendo sido lembrado especialmente o dente-de-leão, serralha, língua de vaca, azedinha, crem, o caraguatá, e a capuchinha, muitas delas reconhecidas como espécies de uso medicinal. A maioria das entrevistadas são agricultoras e aposentadas, que já conheciam algumas panc´s. Destas espécies muitas são de origem europeias, e seu consumo foi um hábito trazido pelos imigrantes. Segundo as entrevistadas muitas das espécies eram consumidas por elas no passado, fazendo-as relembrar de momentos da infância. O consumo destas espécies, portanto, tem valor cultural, sendo muito importante o seu resgate, para que se possa ampliar a diversidade dos pratos e, assim, agregar combinações nutricionais ricas e que favoreçam a saúde de quem as consome.

Palavras-chave


alimentação – agrobiodiversidade – conhecimento tradicional - cultura

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, R.L. Desenvolvimento rural sustentável no Brasil: perspectiva a partir da integração de ações públicas e privadas com base na Agroecologia. Economia Aplicada 10(1): 75-89, 2006.

BARREIRA, T.F.; PAULA FILHO, G.X.; RODRIGUES, V.C.C.; ANDRADE, F.M.C.; SANTOS, R.H.S.; PRIORE, S.E.; PINHEIRO-SANT’ANNA, H.M. Diversidade e equitabilidade de Plantas Alimentícias Não Convencionais na zona rural de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v.17, n.4, supl. II, p.964-974, 2015.

BERNARDES, A.F.M.; SILVA, C.G.; FRUTOSO, M.F.P. Alimentação, cuidado e gênero: percepções de homens e mulheres da Zona Noroeste de Santos-SP. Demetra 11(3):559-573, 2016.

BIONDO, E. FLECK, M. KOLCHINSKI, E.M.; SANT’ANNA, V.; POLESI, R.G. Diversidade e potencial de utilização de plantas alimentícias não convencionais no Vale do Taquari, RS. Revista Eletrônica Científica da Uergs, v.4, n.1, p.61-91, 2018.

BRACK, P. Plantas alimentícias não convencionais. Agriculturas. v. 13, n.2, p. 4-6, 2016.

BRACK, P.; KINUPP, V.F.; SOBRAL, M.E.G. Levantamento preliminar de espécies frutíferas de árvores e arbustos nativos com uso atual ou potencial do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agroecologia, v.2, n.1, 1769-1772. 2007

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Hortaliças Não-Convencionais. Brasília, DF: MAPA/ACS, 2010. 92p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. 156p.

CARNIEL, G.P.; RUIZ, E. N. F.; SILVA, V.L. O consumo de frutas nativas no litoral norte do Rio Grande do Sul: modo de vida rural em (re) construção. Revista Ágora v.21, n.1 , 74-82, 2019.

CASTRO, I.R.R. Desafios e perspectivas para promoção da alimentação adequada e saudável no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 31(1): 7-9, 2015.

CONTRERAS H., Jesús Contreras. Patrimônio e globalização: o caso das culturas alimentares. In: CANESQUI, Ana Maria e GARCIA, Rosa Wanda Diez (Org.). Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2005.

FASSINI, E. Identidade individual e coletiva: percepção e representação das mulheres na sua participação em um clube de mães no interior do Rio Grande do Sul. 2010. 96P. Mestrado (Mestrado em Ambiente e Desenvolvimento), Centro Universitário Univates, Lajeado: Editora Univates, 2010.

FILHO, G. X. P. Agroecologia e recursos alimentares não convencionais: contribuições ao fortalecimento da soberania alimentar e nutricional. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, v. 10, n. 20 p. 227-245, jul., 2015.

FLECK, M.; SILVA, M.R.S.; BIONDO, E.; KOLCHINSKI, E.M.; SANT’ANNA,V. Plantas alimentícias não convencionais ocorrentes no Vale do Taquari e suas principais utilizações. In.: 5° SIMPÓSIO DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL: ALIMENTAÇÃO E SAÚDE, 2015, Bento Gonçalves. Anais..., 2015. (http://www.ufrgs.br/sbctars-eventos/ssa5/anais/trabalhos.php).

FLECK, M. BIONDO, E. Caracterização citogenética e modos de reprodução em sete espécies de plantas alimentícias não convencionais nativas no Vale do Taquari. Relatório final de Bolsista de Iniciação Científica – CNPq-PIBIC, 2016. Encantado: Uergs, 2016. 17p.

GARINE, Igor de. Alimentação, culturas e sociedades. O Correio da Unesco, Rio de Janeiro, v. 15, n. 7, p. 4-7, 1987.

KELEN, M.B.Q.; NOUHUYS, I.S.V.; KEHL, L.C.; BRACK, P.; SILVA, D.B. Plantas Alimentícias não Convencionais (PANC´S): hortaliças espontâneas e nativas. 1° ed. Porto Alegre: UFRGS, 2015. Disponível em: < https:// www.ufrgs.br/viveiroscomunitarios/wp-content/uploads/2015/11/Cartilha-15.11-online.pdf >. Acesso em 14 outubro 2019.

KÖHLER, M. ; BRACK, P. Frutas nativas no Rio Grande do Sul: cultivando e valorizando a diversidade. Agriculturas. v. 13, n.2, p.7-15, junho, 2016.

KINUPP, V.F. Plantas alimentícias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS. 2007, 2v. 562 f. Tese (Doutorado em Agronomia), Faculdade de Agronomia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

KINUPP, V.F.; BARROS, I.B.I. Teores de proteína e minerais de espécies nativas, potenciais hortaliças e frutas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.28, n.4, p. 846-857, 2008.

KINUPP, V.F.; LORENZI, H. Plantas Alimentícias Não-Convencionais (PAN’C) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. Nova Odessa: Ed. Plantarum, 768p. 2014.

LIBERALESSO, A.M.; OLIVEIRA, L.; SCHINAIDER, A.D.; SCHINAIDER, A.D. In. VILANI, R.M.; VANZELLA, E.; BRAMBILLA, A. ALIMENTAÇÃO E CULTURA: Alimentação e Sustentabilidade. João Pessoa: Editora do CCTA, 2019.

LIMA, R.S.; NETO, J.A.F.; FARIAS, R.C.P. Alimentação, comida e cultura: o exercício da comensalidade. Demetra (10)3: 507-522, 2015.

MADEIRA, N.R.; BOTREL, N. Contextualizando e resgatando a produção e o consumo das hortaliças tradicionais da biodiversidade brasileira. Revista Brasileira de Nutrição Funcional, ed. 78, p.27-33, 2019.

MARCONI, Marina de Andrade et al. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, v. 4, 1999.

MENDONÇA, F. Aquecimento climático global: Incertezas e questionamentos – uma perspectiva a partir de suas repercussões na região Sul do Brasil. In: OLIVEIRA, M.P. et al (Orgs.). O Brasil, a América Latina e o mundo: Espacialidades contemporâneas. Rio de Janeiro (RJ): Lamparina: ANPEGE, FAPERJ, v.1, p.321-341, 2008.

MINTZ, Sidney W. Comida e antropologia: uma breve revisão. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 16, n. 47, p.31-41, 2001.

NASCIMENTO, S.G.S.; ALMANSA, K.S.; HANKE, D.; ÁVILA, M.R.; MAIA, J.F.; SILVA, F.N. Plantas Alimentícias Não Convencionais: um estudo sobre a possibilidade de inserção na merenda escolar. Revista de Ciências Agrárias 42(4): 1086-1095, 2019.

PAULERT, R.; PUJARRA, S.; OLIVEIRA, F.G.; ZONETTI, P.C.; RUPPELT, B.M. Utilização Popular de plantas medicinais nos clubes de mães de Palotina-PR. Revista Ciência em Extensão v.10, n.2, p.55-64, 2014.

PEIXOTO, L.S.; DOURADO, S.H.A.; COSTA, R.V.; REIS, J.A.; TAVARES, L.F.; NASCIMENTO, M.A.N. Oficinas sobre plantas alimentícias não convencionais em um Centro de referência e assistência social. Expressa Extensão v.24, n.2, 27-38, 2019.

POLESI, R.G.; ROLIM, R.; ZANETTI, C.; SANT’ANNA, V., BIONDO, E. Agrobiodiversidade e Segurança Alimentar no Vale do Taquari, RS: Plantas alimentícias não convencionais e frutas nativas. Revista Científica Rural, vol. 19, n.2, p. 118-135, 2017.

RAMOS, G. L.; SILVA, A. P. G.; BARROS, A. A. F. Manual de Metodologia de Extensão Rural. Recife: Instituto Agronômico de Pernambuco - IPA, 2013.

RAMOS, S.R.R.; LOPES, M.T.G.; BUSTAMANTE, P.G.; BARBIERI, R.L.; RODRIGUES, R. As Mulheres e os Recursos Genéticos vegetais. Revista RG News 5(1): 77-86, 2019.

RAPOPORT, E. et al. Malezas Comestibles: hay yuyos y yuyos... ciência Hoy, v. 9. N. 49, nov-dec 2001. Disponível em: http://www.cienciahoy.org.ar/hoy49/malez01.htm. Acesso em 20 mar. 2019.

RAPOPORT, E.H.; MARZOCCA, A.; DRAUSAL, B.S. Malerzas comestíbles del Cono Sur Y Otras Partes del Planeta. Argentina. Instituto Nacional de Tecnologia e Agropecuária (INIA), 2009. 216p.

RIO GRANDE DO SUL. Rio Grande Agroecológico – Plano Estadual de Agroecologia e Produção Orgânica 2016-2019. Secretaria do Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo do Rio Grande do Sul, SDR/RS. 2016.

SANTONIERI, L.; BUSTAMANTE, P.G. Conservação ex situ e on farm de recursos genéticos: desafios para promover sinergias e complementariedades. Boletim Museu Paraense Emílio Goeldi Ciências Humanas, v.11, n.3, 677-690, 2016.

SANTOS, M. O.; ZANINI, M. C. C. Comida e simbolismo entre imigrantes italianos no Rio Grande do Sul (Brasil). Caderno Espaço Feminino, v. 19, n. 1, p. 255-284, 2008.

SFOGLIA, N.M.; BIONDO, E.; ZANETTI, C.; CHEROBINI, L.; KOLCHINSKI, M.; SANT’ANNA, V. Caracterização da Agrobiodiversidade no Vale do Taquari, RS: levantamento florístico, consumo e agroindustrialização de plantas alimentícias não convencionais. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.36, n.3, e26489, 2019. DOI: 10.35977/0104-1096.cct2019.v36.26489.

SILVA, A.C.G.F.; ANJOS, M.C.R.; ANJOS, A.; BEZERRA, I. Estrutura da socioagrobiodiversidade em quintais produtivos: agroecologia conquistando espaços nas vidas das famílias urbanas. In.: VI Congresso Latino-Americano, X Congresso Brasileiro, V Seminário do DF e Entorno de Agroecologia 2017.

SILVA, I.A.; CAMPELO, L.H.B.P.; PADILHA, M.R.F.; SHINOHARA, N.K.S. Mecanismos de resistência das plantas alimentícias não convencionais (Panc) e benefícios para a saúde humana. Anais da Academia Pernambucana de Ciências Agronômica, v. 15., n.1, p. 77-91, 2018.

TULER, A.C.; PEIXOTO, A.L.; SILVA, N.C.B. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) na comunidade rural de São José da Figueira, Durandé, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia, 70: e01142018. 2019.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.