Desenvolvimento de atividades assistidas por cães e o papel do médico veterinário

Debora Beatriz Alves de Freitas, Maria Ligia de Arruda Mistieri, Cassiana Descovi Soares, Etiele Maldonado Gomes

Resumo


As atividades em que se utiliza o cão como parte fundamental na interação e socialização (assistidas por animais) são um campo emergente na área de saúde pública e propiciam benefícios à saúde física e psicológica dos pacientes. O médico veterinário deve acompanhar os cães para promover sua saúde e a das pessoas envolvidas. O desenvolvimento das atividades foi realizado com cinco cães, entre dois e oito anos de idade, de ambos os sexos e de raças distintas, durante três meses, com o objetivo de prepará-los para realizar atividades de interação com idosos, motivá-los a atividades físicas e melhoria na autoestima. Estes cães receberam um treinamento de socialização e comandos básicos para se tornarem aptos a iniciar as atividades com os idosos. O médico veterinário prestou orientações aos tutores, através de cartilhas, e avaliações periódicas foram realizadas para garantir a qualidade de vida desses animais. Ao final dos treinamentos, os cães estavam aptos a realizar as atividades propostas com os idosos. Em relação ao papel do médico veterinário nesse cenário, pôde-se observar a importância do profissional que atua na saúde dos animais juntamente com outros profissionais. Acredita-se que essa parceria multidisciplinar na saúde pode melhorar consideravelmente a qualidade das atividades assistidas com animais.


Palavras-chave


Terapia. Animais. Veterinário. Intervenções.

Texto completo:

PDF

Referências


BANKS, M. R.; BANKS, W. A. The Effects of Animal-Assisted Therapy on Loneliness in an Elderly Population in Long-term Care Facilities. Journal of Gerontology: MEDICAL SCIENCES, v. 57, n. 7, p. 428-432, 2002.

BECKER, M.; MORTON, D. O poder curativo dos bichos. São Paulo: Bertrand Brasil, 2003

BRASIL. Lei nº 5.517 de 23 de outubro de 1968. Dispõe sobre o exercício da profissão de Médico Veterinário e cria os Conselhos Federal e Regionais de Medicina veterinária. 1968. Disponível em: . Acessado em 08 de novembro de 2016.

CAMARA DOS DEPUTADOS. Projeto de Lei nº 4455/12 de 2012. Dispõe sobre o uso da Terapia Assistida por Animais (TAA) nos hospitais públicos, contratados, conveniados e cadastrados no Sistema Único de Saúde - SUS. Disponível em: . Acessado em 19 de novembro de 2016.

CHERNIACK, E. P., CHERNIACK, A. R. The benefit of pets and animal-assisted therapy to the health of older individuals. Current Gerontology and Geriatrics Research, 2014.

COSTA, R. M. E. M. Ambientes virtuais na reabilitação cognitiva de pacientes neurológicos e psiquiátricos. Tese (D. SC., Coppe Sistemas) – UFRJ, Rio de Janeiro. p.30, 2000.

DELARISSA, F. A. O animal de estimação: de companheiro tribal a objeto transicional: um ente avaliador das crises na pós-modernidade. São Paulo: Vertentes. 2003.

DOTTI, J. História, origens e simbologia dos animais. In: Terapia & animais: Atividade e Terapia Assistida por Animais – TAA Práticas para organizações, profissionais e voluntários. São Paulo: PC Editorial. p. 24-30, 2005.

GODOY, A.C.S.; DENZIN, S.S. Atividades assistidas por animais: aspectos revisivos sob um olhar pedagógico. Sistema Anhanguera de Revistas Eletrônicas. p. 14-22, 2007.

KOBAYASHI, C.T. et al. Desenvolvimento e implantação de terapia assistida por animais em hospital universitário. Revista Brasileira de enfermagem. Universidade Federal de São Paulo, Departamento de Enfermagem. São Paulo, 2009.

LAMPERT, M. Benefícios da relação homem-animal. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto alegre, 2014.

OLIVA, V.N.L.S. et al. Idosos institucionalizados e as atividades assistidas por animais (AAA). Revista Ciência em extensão. Universidade estadual paulista Júlio de Mesquita Filho, v.6, n.2, p.15, 2010.

PECELIN, A. et al. Influência da fisioterapia assistida por animais em relação à cognição de idosos – Estudo de atualização. ConScientiae Saúde, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 235-240, 2007.

POSSAMAI, M. H. P. O papel do médico veterinário na educação e formação na vigilância ambiental em saúde. Revista Electrónica de Investigación y Docencia. p. 59-73, 2011.

ROCHA, C.F.P.G. Avaliação comportamental e endócrina do nível de estresse de cães participantes de intervenções assistidas por animais. São Paulo, 2015. Disponível em: . Acessado em 3 de Outubro de 2017.

SENADO FEDERAL. Projeto de Lei nº 5499/05 de 2005. Que dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, para tornar disponível a equoterapia no âmbito do Sistema Único de Saúde. Disponível em: . Acessado em 19 de novembro de 2016.

SILVA, N.C. et al. O papel profissional do Médico Veterinário na atividade de Terapia Assistida por Animais (TAA). 8º Congresso de Extensão Universitária da UNESP, 2015.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.