Educação em saúde e uso racional de medicamentos em unidade de estratégia da saúde da família

Débora Aparecida da Silva Santos, Letícia Silveira Goulart, Ingrid Jordana Ribeiro Dourado, Júlia de Lima Ramon, Bruna Leniny Ataídes Beltrão

Resumo


O presente artigo relata a experiência de um projeto de extensão intitulado “Promoção do uso racional de medicamentos na atenção primária à saúde em Rondonópolis/MT”. Teve como objetivo geral promover o uso racional de medicamentos através de educação em saúde realizada por uma equipe interdisciplinar em saúde. O projeto foi realizado por docentes e residentes do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Rondonópolis, alunos de graduação do Curso de Enfermagem e profissionais de saúde de uma unidade de Estratégia de Saúde da Família (ESF) de Rondonópolis/MT, de fevereiro a dezembro de 2016. Foi aplicado um formulário estruturado por meio de visitas domiciliárias para coleta de dados com questões referentes ao aspecto sociodemográfico, à condição de saúde, ao uso de serviços de saúde e ao consumo de medicamentos. Participaram do projeto de extensão 553 usuários, incluindo aqueles encontrados durante a realização das visitas domiciliárias, nas consultas compartilhadas individuais e nos grupo desenvolvidos pela unidade de ESF. Foram abordados aspectos relacionados às formas corretas do uso de medicamentos, perigos da prática de automedicação e seus riscos e ainda assuntos ligados à saúde mental e prevenção do sofrimento psíquico árduo no enfrentamento do processo saúde-doença.  O projeto desenvolveu o tripé da Universidade: ensino, pesquisa e extensão por meio da experiência de uma ação multiprofissional e interdisciplinar.  Desta forma, o projeto contribuiu com a formação dos profissionais da equipe interdisciplinar da unidade de saúde e, consequentemente favoreceu a prestação de uma assistência de melhor qualidade ao usuário e a família, melhorando assim, a qualidade de vida e saúde dos mesmos.


Palavras-chave


Uso racional de medicamentos. Atenção primária a saúde. Interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Parcerias para diminuir o mau uso de medicamentos. Rev Saúde Pública, v.40, n.10, p.191-4, 2006.

AQUINO, D.S. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciência & Saúde Coletiva, v.13, sup, p.733-736, 2008.

BERTOLDI, A.D; BARROS, A.J.D.; HALLAL, P.C.; LIMA, R.C. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência e determinantes individuais. Revista de Saúde Pública, v. 38, p. 228-238, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.916, de 30 de outubro de 1998. Aprova a Política Nacional de Medicamentos. Diário O¬ficial da União, Poder Executivo, Brasília/DF, 10 nov. 1998. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Gerência Técnica de Assistência farmacêutica. Relatório de Gestão. Brasília. 2002.

BRASIL. Resolução nº 338, de 6 de maio de 2004. Aprova a Política Nacional de Assistência Farmacêutica e estabelece seus princípios gerais e eixos estratégicos. Diário O¬ cial da União, Poder Executivo, Brasília/DF, 20 maio 2004a. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2017.

BRASIL. Encontro discute propaganda e uso racional de medicamentos. Noticias ANVISA: Brasília, 9 de dezembro de 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3.ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 60 p. (Série B. Textos Básicos de Saúde. Série Pactos pela Saúde, 2006. v.7).

BRASIL. Portaria n° 466/2012 de outubro de 2012. Dispõe sobre diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa com seres humanos. Brasília (DF): Conselho Nacional de Saúde; 2012. Publicada no Diário Oficial da União de 13 de junho de 2013, Seção 1, p.59.

BUENO, C.S.; WEBER, D.; OLIVEIRA, K.R. Farmácia caseira e descarte de medicamentos no bairro Luiz Fogliatto do município de Ijuí – RS. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, v.30, n.2, p.203-210, 2009.

CANABARRO, I.M.; HAHN, S. Panorama da Assistência Farmacêutica na Saúde da Família em município do interior do Estado do Rio Grande do Sul. Epidemiologia a Serviço da Saúde, v.18, n.4, p.345-355, 2009.

CARVALHO, M.F. A polifarmácia em idosos no município de São Paulo: Estudo SABE – Saúde, Bem-estar e Envelhecimento. 2007. 195 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CARVALHO, M.F.; PASCOM, A.R.P.; SOUZA-JÚNIOR, P.R.B.; DAMACENA, G.N.; SZWARCWALD, C.L. Utilization of medicines by the Brazilian population, 2003. Cadernos de Saúde Pública, v. 21, S100-S108, 2005. Supl. 1.

CUNHA, K.O.A.; RENOVATO, R.D.; DESCOVI, M.S.; DAL VESCO, J.R.; SILVA, C.A.; MISSIO, L.; ALVARENGA, M.R.M. Representações sobre uso racional de medicamentos em equipes da Estratégia Saúde da Família. Rev Esc Enferm USP, v.46, n.6, p.1431-7, 2012.

GASPARINI, J.C.; GASPARINI, A.R.; FRIGIERI, M.C. Estudo do descarte de medicamentos e consciência ambiental no município de Catanduva/SP. Ciência & Tecnologia: FATEC-JB, v.2, n.1, p.38-51, 2011.

HUFFENBAECHER, P.; VARALLO, F.R.; MASTROIANNI, P.C. Medicamentos inadequados para idosos na estratégia da saúde da família. Revista Ciência em Extensão, v.8, n.3, p.56-67, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2016. Estimativa da população. Disponível em: . Acesso em: 18 fev 2017

LANDRY, J.A.; SMYER, M.A.; TUBMAN, J.G.; LAGO, D.J.; ROBERTS, J.; SIMONSON, W. Validation of two methods of data collection of self-reported medicine among the elderly. Gerontologist., v.28, n.5, p.672-676, 1988.

LEITE, S.N.; VIEIRA, M., VEBER, A.P. Estudos de utilização de medicamentos: uma síntese de artigos publicados no Brasil e América Latina. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.13, p. 793-802, 2008.

LEITE, S.N.; VASCONCELLOS, M.P.C. Adesão à terapêutica medicamentosa: elementos para a discussão de conceitos e pressupostos adotados na literatura. Ciência e Saúde Coletiva, v.8, n.3, p.775-782, 2003.

LOCH-NECKEL, G.; SEEMANN, G.; EIDT, H.B.; RABUSKE, M.M.; CREPALDI, M.A. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família. Ciência e Saúde Coletiva, v.14, n.5, p. 1463-1472, 2009.

LOYOLA FILHO, A.I.; UCHOA, E.; GUERRA, H.L.; FIRMO, J.O.A.; LIMA-COSTA, M.F. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí. Revista de Saúde Pública, v. 36, n. 1, p.55-62, 2002.

MASTROIANNI, P.C.; ANDRADE, R.V.; GALDUROZ, J.C.F.; FARACHE FILHO, A. Acesso, segurança e uso de medicamentos por usuários. Revista Ciência em Extensão, v.8, n.2, p.6-24, 2012.

MASTROIANNI, P.C.; LUCHETTA, R.C; SARRA, J.R; GALDURÓZ, J.C.F. Estoque doméstico e uso de medicamentos em uma população cadastrada na estratégia saúde da família no Brasil. Revista Panamericana de Salud Publica, Washington, v. 29, p. 358-364, 2011.

MARIN, M.J.S.; CECÍLIO, L.C.O.; PEREZ, A.E.W.U.F.; SANTELLA, F.; SILVA, C.B.A.; GONÇALVES FILHO, J.R.; ROCETI, L.C. Caracterização do uso de medicamentos entre idosos de uma unidade do Programa de saúde da Família. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 24, n. 7, p. 1545-1555, 2008.

MENDOZA-SASSI, R.; BÉRIA. J.U.; FIORI, N.; BORTOLOTTO, A. Prevalência de sinais e sintomas, fatores sociodemográficos associados e atitude frente aos sintomas em um centro urbano no Sul do Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, v. 20, n.1, p.22-28, 2006.

MOITA, F.M.G.S.C.; ANDRADE, F.C.B. Ensino-pesquisa-extensão: um exercício de indissociabilidade na pós-graduação. Revista Brasileira de Educação, v.14, n.41, p. 1-2, 2009.

MOTA, D. M. et al. Uso racional de medicamentos: uma abordagem econômica para tomada de decisões. Ciência e Saúde Coletiva, v. 13, p. 589-601, 2008.

PONTES JUNIOR, D.M.; PEPE, V.L.E.; OSORIO-DE-CASTRO, C.G.S.; MASSENA, E.P.; PORTELA, M.C.; MIRANDA, M.C.; SILVA, R.S. A definição de medicamentos prioritários para o monitoramento da qualidade laboratorial no Brasil: articulação entre a vigilância sanitária e a Política Nacional de Medicamentos. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.24, n.9, p. 2081-90, set. 2008.

QUEIROZ M.S. Estratégia de consumo em saúde entre famílias trabalhadoras. Caderno de Saúde Pública, v.9, n.3, p.272-282, 1993.

SECOLI, S.R. Polifarmácia: interações e reações olifarmácia: interações e reações adversas no uso de medicamentos por idosos. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.63, n.1, p.136-40, jan-fev, 2010.

VILARINO, J.F.; SOARES, I.C.; SILVEIRA C.M.; RÖDEL, A.P. P.; BORTOLI, R.; LEMOS R.R. Perfil da automedicação em município do sul do Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.32, p.43-49, fev. 1998

VOSGERAU, M.Z.S.; SOARES, D.A.; SOUZA, R.K.T; MATSUO, T.; CARVALHO, G.S. Consumo de medicamentos entre adultos na área de abrangência de uma Unidade de Saúde da Família. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n.1, p. 1629-1638, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The rational use of drugs: report of the conference of experts. Nairobi 1985 Jul 25-29. Geneva: WHO; 1987.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.