Responsabilidade social: Educação como instrumento promotor da doação de órgãos

Gerlene Grudka Lira, Adriana Coelho Briyo, Érica Fernanda sales Silva, Fernanda Oliveira Torres, Maiara Pereira Santos, Milena Souza Santos, Priscila Thamiris Filgueira, Rachel Mola

Resumo


Este artigo é o resultado de um projeto de extensão universitário intitulado “A importância da educação na promoção da doação de órgãos e tecidos” que foi desenvolvido e executado por acadêmicas do quinto e sexto período e docentes do curso de Enfermagem da Universidade de Pernambuco (UPE) Campus Petrolina, utilizando metodologia participativa. O objetivo foi relatar a experiência das ações educativas realizadas em escolas e espaços públicos, promovendo a discussão e buscando a sensibilização da população sobre o processo que envolve a doação de órgãos e tecidos. A experiência revelou a existência de muitos mitos, ideias pré-concebidas e conhecimento insuficiente sobre o assunto, principalmente em relação ao desejo de ser doador ainda em vida e os meios de sua autorização perante os familiares. Após as intervenções foi possível observar a ampliação dos cenários de reconstrução do pensamento e atitude positiva sobre a importância social da doação de órgãos por meio dos relatos do público alvo.


Palavras-chave


Obtenção de Tecidos e Órgãos. Transplante de órgãos. Transplante de tecidos. Morte encefálica. Educação da população.

Texto completo:

PDF

Referências


ABJAUDE, S. A. R. et al. Conscientização e promoção de campanha de medula óssea. UDESC em Ação, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 1-10, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2016.

ARAÚJO FILHO, T.; THIOLLENT, M. J. M. Metodologia para projetos de extensão: apresentação e discussão. São Carlos: Cubo Multimídia, 2008. 666 p. Disponível em: http://agroecologiaemrede.org.br/acervo/arquivos/frm_exp_geral_ex_anexos_1_732_Livro_SEMPE.pdf . Acesso em: 26 jun. 2018.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS. Dimensionamento dos transplantes no Brasil e em cada estado (2008-2015). Registro Brasileiro de Transplantes, São Paulo, v. 21, n. 4, , 2015. Disponível em: . Acesso em: 18 mar. 2016.

BECKER, D. V.; ROSENZWEIG, P. Q. A importância da comunicação estratégica para a promoção de ações de saúde pública. Revista Panorama, Goiânia, v. 5, n.1, p. 117-129, jan./dez. 2015. Disponível em: http://seer.pucgoias.edu.br/index.php/panorama/article/ download/4331/2493 . Acesso em: 28 jul. 2016.

BRASIL. Lei nº 10.211, de 23 de março de 2001. Altera dispositivos da Lei no 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento". Diário Oficial da União, Brasília, 24 mar. 2001. Edição extra. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.434, de 4 de fevereiro de 1997. Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, , 5 fev. 1997. Seção1, p. 2191. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9434.htm . Acesso em: 21 ago. 2017.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução CFM nº 1.480 de 8 de agosto de 1997. Brasília: CFM, 1997. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2017.

FREIRE, I. L. S. et al. Processo de doação de órgãos e tecidos para transplante: reflexões sobre sua efetividade. Revista de Enfermagem UFPE On Line, Recife, v. 8, p. 2533-2538, jul. 2014. Suplemento 1. Disponível em: http://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/ 201509418558792322267b15e7e3b8f02/Processo_de_doao_de_rgos_e_tecidos_para_transplante_reflexes_sobre_sua_efet.pdf . Acesso em: 21 ago. 2017.

MARTINI, L. E. P. A importância do lúdico para a criança. Série-Estudos, Campo Grande, n. 1, p. 11-15, 1994. Disponível em: . Acesso em: 13 jul. 2016.

MORAIS, T. R.; MORAIS, M. R. A importância da educação na promoção da doação de órgãos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, Fortaleza, v. 25, n. 3, p. 251-252, 2012a. Disponível em: http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/download/18061230.2012. p251/2479 . Acesso em: 26 jun. 2018.

______. Doação de órgãos: é preciso educar para avançar. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 36, n. 95, p. 633-639, out./dez. 2012b. Disponível em: http://www.scielo.br/ pdf/sdeb/v36n95/a15v36n95.pdf . Acesso em: 26 jun. 2018.

PESSOA, J. L. E.; SCHIRMER, J.; ROZA, B. A. Avaliação das causas de recusa familiar a doação de órgãos e tecidos. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 26, n. 4, p. 323-330, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v26n4/v26n4a05.pdf . Acesso em: 28 jul. 2016.

TEIXEIRA, R. K. C.; GONÇALVES, T. B.; SILVA, J. A. C.. A intenção de doar órgãos é influenciada pelo conhecimento populacional sobre morte encefálica? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 258-262, 2012. Disponível em: http:// www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2012000300009 . Acesso em: 22 jul. 2016.

TRAIBER, C.; LOPES, M. H. I. Educação para doação de órgãos. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 16, n. 4, p. 178-182, 2006. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

TRANSPLANTES: a vida continua. Produção: Central de Transplantes de Pernambuco. Recife: Secretaria de Saúde de Pernambuco, 2013. 12,49 min. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2016.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.