Diagnóstico e educação em saúde no uso de plantas medicinais: relato de experiência

José Alex Alves dos Santos, Ellen Cristina Barbosa dos Santos, Simey de Souza Leão Pereira Magnata, José Eduardo Garcia, René Duarte Martins

Resumo


O uso de plantas medicinais está relacionado à cultura popular com disseminação ao longo de gerações, em comunidades tradicionais ou contemporâneas, através do conhecimento empírico, fruto de observações e experiências vivenciadas, constituindo importante campo gerador do conhecimento. O objetivo deste trabalho foi relatar a experiência na identificação das plantas medicinais utilizadas tradicionalmente para o tratamento de enfermidades em geral, pela população de Japaratuba - SE e elaborar e executar um plano na área de educação em saúde, com construção de um roteiro de intervenção em saúde com a temática de plantas medicinais. Foram entrevistados 30 moradores de Japaratuba - SE, idosos que possuíam maior conhecimento sobre a utilização da fitoterapia, selecionados através de indicação de moradores da região durante a realização do “Projeto Rondon – Operação Rio dos Siris”, do Ministério da Defesa, 2011. As entrevistas ocorreram por meio de questionários, tipo aberto e, em seguida, foram ministradas oficinas para orientação sobre cuidados no cultivo/uso de plantas medicinais, de forma sistematizada, com produção de uma proposta de análise das intervenções realizadas. Foram citadas 25 etnoespécieis, sendo 52% de uso comum nas comunidades visitadas (erva cidreira - Melissa spp., indicadas pelos usuários para problemas gastrointestinais e pressão alta; e aroeira - Myracodruon spp., indicada pelos mesmos como cicatrizante), apresentando alguns erros de manipulação (preparação clínica de fitoterápicos), sendo isto corrigido com as oficinas realizadas e avaliação metodológica das intervenções. Este plano pode ser um guia reprodutível em diversas comunidades, norteando profissionais de saúde na relação com o paciente e orientações sobre o uso consciente e seguro das plantas medicinais, melhorando o sucesso terapêutico na atenção primária, através da formação de agentes multiplicadores do conhecimento e minimização da exposição e riscos à saúde.


Palavras-chave


Plantas medicinais. Etnobotânica. Educação em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


AGRA, M.F.; SILVA, K.N.; BASÍLIO, I.J.L.D.; FREITAS, P.F.; BARBOSA-FILHO, J.M. Survey of medicinal plants used in the region Northeast of Brazil. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 18, n. 3, p. 472-508, 2008.

ALMEIDA, C. F. C. B. R.; ALBUQUERQUE, U. P. Uso e conservação de plantas e animais medicinais no Estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciencia, Caracas, v. 27, n. 6, p. 276-285, 2002.

ANTONIO, G. D.; TESSER, C. D.; MORETTI-PIRES, R. O. Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária. Interface, Botucatu,v. 17, n. 46, p. 615-633, 2013 .

ARAGÃO R.; ALMEIDA J. A. P. Avaliação espaço temporal do uso do solo na área da bacia do Rio Japaratuba – Sergipe através de imagens LANDSAT. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. In: Anais XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Natal, INPE, 2009. p. 1231-1238.

ARAÚJO, A. C. et al. Caracterização sócio-econômico-cultural de raizeiros e procedimentos pós-colheita de plantas medicinais comercializadas em Maceió, AL. Revista Brasileira Plantas Medicinais, Botucatu, v. 11, n. 1, p. 81-91, 2009.

ALBUQUERQUE, U. P.; HANAZAQUI, N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e perspectivas. Revista Brasileira de Farmacognosia, São Paulo, v. 16, p. 678-689, 2006.

BORGES, M. B. Avaliação do efeito da simulação in vitro da digestão gastrointestinal nas propriedades antioxidantes das infusões de cidreira e tília. 2012. 67 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia e Segurança Alimentar). Faculdade de Ciência e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2012.

BRANCO NETO, M. L. C. et al. Avaliação do extrato hidroalcoólico de Aroeira (Schinus terebinthifolius Raddi) no processo de cicatrização de feridas em pele de ratos. Acta Cirúrgica Brasileira, São Paulo, v. 21, Supl. 2, p. 1-6, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Assistência Farmacêutica. RENISUS - Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Portaria Nº nº 886, de 20 de Abril de 2010Diário Oficial da União, Brasília, 22 abr. 2010. Seção 1, p. 75. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt0886_20_04_2010.html> Acessado em: 07 out. /10 /2014.

BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 5813 de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial da União,. Poder Executivo, Brasília, DF, 23 de jun.ho 2006. Seção 1, p. 2.

CAETANO, N. L. B. et al. Plantas medicinais utilizadas pela população do município de Lagarto - SE, Brasil: ênfase em pacientes oncológicos. Revista Brasileira de Plantas Medicinais,Botucatu, v. 17, n. 4, p. 748-756, 2015. Suplemento 1.

CAMPOS, L. F. C. et al. Propriedades físico-químicas de frutos de jurubeba de três regiões do Cerrado. Revista de Agricultura Neotropical, Cassilândia, v. 2, n. 4, p. 48-54, 2015.

CEOLIN, T. et al. Relato de experiência do curso de plantas medicinais para profissionais de saúde. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 37, n. 2, p. 501-511, 2013.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. O papel do farmacêutico no sistema de atenção de saúde. Relatório do Grupo Consultivo da OMS: Nova Délhi, Índia: 13–16 de dezembro de 1988 O papel do farmacêutico: assistência farmacêutica de qualidade: Benefícios para os governos e a população: Relatório da Reunião da OMS: Tóquio, Japão: 31 de agosto – 3 de setembro de 1993 Boas práticas em farmácia (BPF) em ambientes comunitários e hospitalares. Brasília: / Organização Mundial da Saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; Conselho Federal de Farmácia, 2004.

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. Resolução n. 380, de 3 de novembro de 2010. Regulamenta o uso pelo Fisioterapeuta das Práticas Integrativas e Complementares de Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 11 nov. 2010. Seção 1, p. 120. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2014.

DATASUS. Cadernos de Informações de Saúde: versão de maio/2010. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2014.

DI STASI, L.C. Plantas medicinais: verdades e mentiras: o que usuários e os profissionais de saúde precisam saber. São Paulo: UNESP, 2007.

FEIJÓ, A. M. et al. Plantas medicinais utilizadas por idosos com diagnóstico de Diabetes mellitus no tratamento dos sintomas da doença. Revista Brasileira Plantas Medicinais, Botucatu, v. 14, n. 1, p. 50-56, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do censo demográfico 2010: Sergipe. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 maio 2011.

LANINI, J. et al. “O que vêm da terra não faz mal”: relatos de problemas relacionados ao uso de plantas medicinais por raizeiros de Diadema/SP. Revista Brasileira de Farmacognosia, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 121-129, 2009.

MACIEL, M. A. M.; PINTO, A. C.; VEIGA-JÚNIOR, V. F. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Química Nova, São Paulo, v. 23, n. 3, p. 429-438, 2002.

MADEIRO, A. A. S.; LIMA, C. R. L. Estudos etnofarmacológicos de plantas medicinais utilizadas no brasil: revisão de literatura. Ciências Biológicas e da Saúde, Maceió, v. 3, n.1, p. 69-76, 2015.

MATOS, F. J. A. Farmácias Vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. 3. ed. Fortaleza: USCE, 1998.

MOSCA, V. P.; LOIOLA, M. I. B. Uso de plantas medicinais no Rio Grande do Norte, Nordeste do Brasil. Revista da Caatinga, Mossoró, v. 22, n. 4. p. 225-234, out./dez. 2009.

MORAIS, S. M. et al. Ação antioxidante de chás e condimentos de grande consumo no Brasil. Revista Brasileira de Farmacognosia, São Paulo, v. 19, n. 1B, p. 315-320, 2009.

MOTA, W. M. et al. Avaliação da inibição da acetilcolinesterase por extratos de plantas medicinais. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 14, n. 4, p. 624-628, 2012.

NASCIMENTO, V. T. et al. Controle de qualidade de produtos à base de plantas medicinais comercializados na cidade do Recife-PE: erva-doce (Pimpinella anisum L.), quebra-pedra (Phyllanthus spp.), espinheira santa (Maytenus ilicifolia Mart.) e camomila (Matricaria recutita L.). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 7, n. 3, p. 56-64, 2005.

NASCIMENTO, W. M. C. et al. Plantas medicinais e sua utilização pelas comunidades do município de Sobral, Ceará. S.A.N.A.R.E, Sobral, v. 12, n. 1, p. 46-53, 2013.

PEREIRA, I. R.; MALAFAIA, G. Conhecimentos sobre plantas medicinais entre estudantes do Instituto Federal Goiano - Câmpus Urutaí, GO. Saúde e Pesquisa, Maringá, v. 7, n. 2, p. 275-286, 2014.

REINERS, A. A. O.; RICCI, H. A.; AZEVEDO, R. C. S. Uso de plantas medicinais para tratar a malária. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 15, n. 3, p. 454-459, 2010.

RODRIGUES, E.; CARLINI, E. L. A. Levantamento etnofarmacológico realizado entre um grupo de quilombolas do Brasil. Arquivos Brasileiros de Fitomedicina Científica,São Paulo, v. 1, n. 2, p. 80-87, 2003.

ROSA, C.; CAMARA, S. G.; BERIA, J. U. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 311-318, 2011.

SANTOS, S. B. et al. Comparação da eficácia da aroeira oral (Schinus terebinthifolius Raddi) com omeprazol em pacientes com gastrite e sintomas dispépticos: estudo randomizado e duplo-cego. GED Gastroenterologia Endoscopia Digestiva, São Paulo, v. 29, n. 4, p. 118-125, 2010.

SANTOS, R. L. et al. Análise sobre a fitoterapia como prática integrativa no Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 13, n. 4, p. 486-491, 2011.

SILVA, J. P.; CABRAL, C. E.; NUNES, S. F. L. Urgências de baixa complexidade e o acolhimento dos quadros agudo. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 65., 2013, Recife. Anais...São Paulo: Sociedade Brasilieira para o Progresso da Ciência, 2013.

SILVA, M. G. I. et al. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanaú (CE) Revista Brasileira Farmacognosia, São Paulo, v. 16, n. 4, p. 455-462. 2006.

SOUZA JÚNIOR, J. B. et al. Estudo das plantas medicinais utilizadas na etnoveterinária em Lunardelli-PR. Cadernos de Agroecologia, Recife, v. 9, n. 1, p. 1-5, 2014.

TAUFNER, C. F.; FERRAÇO, E. B.; RIBEIRO, L. F. Uso de plantas medicinais como alternativa fitoterápica nas unidades de saúde pública de Santa Teresa e Marilândia, ES. Natureza on line, Santa Teresa, v. 4, n. 1, p. 30-39. 2006.

TONIAL, F. Atividade antimicrobiana de endófitos e de extratos foliares de Schinus terebenthifolius Raddi (Aroeira). 2010. 138 f. Dissertação (Mestrado em Microbiologia, Parasitologia e Patologia). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.

TUROLLA, M. S. R.; NASCIMENTO, E. S. Informações toxicológicas de alguns fitoterápicos utilizados no Brasil. Revista Brasileira Farmacognosia,São Paulo, v. 42, n. 2, p. 289-306, 2006.

VEIGA-JÚNIOR V. F. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Revista Brasileira Farmacognosia, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 308-313, 2008.

VIZZOTTO, M. Fitoquímicos em pitanga (Eugenia uniflora L.): seu potencial na prevenção e combate à doenças. SIMPÓSIO NACIONAL DO MORANGO, 3.; ENCONTRO SOBRE PEQUENAS FRUTAS E FRUTAS NATIVAS DO MERCOSUL,2., 2006, Pelotas. Anais... Brasília: Embrapa, 2006. p. 29-34.

VERDAN, M. C. S; SILVA, C. B. O estudo de plantas medicinais e a correta identificação botânica. Visão Acadêmica, Curitiba, v. 11, n. 1, p. 7-14, 2010.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.