Intervenção educativa no conhecimento das geo-helmintíases em escola municipal

Caliandra Maria Bezerra Luna Lima, Keliane Santos de Menezes, Sayonara de Oliveira Ferreira, Bruno Henrique Santana, Allan Sérgio de Souza Fernandes, Vanessa da Silva Rangel, Danielly de Araújo Soares, Francisca Inês de Sousa Freitas

Resumo


Intervenções em saúde são frequentemente recomendadas como a primeira opção de estratégia de prevenção e controle das helmintíases, especialmente em comunidades carentes. O objetivo deste trabalho foi avaliar o impacto de estratégias educativas, relacionadas a temas pertinentes à parasitologia humana, no conhecimento das principais geo-helmintíases, ascaridíase e ancilostomíase, em estudantes do ensino fundamental, de uma escola municipal.  A atividade faz parte do projeto de Extensão intitulado “O caminho dos Helmintos no corpo humano: uma visão integrada da parasitologia e fisiologia na promoção da saúde em escolas de João Pessoa, PB”. A pesquisa apresentou delineamento quase-experimental, com avaliação antes (pré-teste) e depois (pós-teste) da intervenção. Participaram crianças matriculadas nas turmas do 6º ao 9º ano. Todas as atividades foram elaboradas abordando os tópicos: classificação, agente etiológico, morfologia, ciclo biológico (abordando conceitos de fisiologia), transmissão, aspectos clínicos, dados epidemiológicos e prevenção. Cada atividade seguiu uma sequência: apresentação; aula; momento brincar; construção do conhecimento; avaliação final. Os testes corrigidos receberam notas de 0,0 a 10,0 e foram analisados utilizando o programa estatístico GraphPad Prism versão 6.0, usando Teste t de Student pareado. Para análise das questões, utilizou-se o programa EPI INFO 7  e cálculo do Intervalo de confiança 95% (IC95%). As atividades educativas foram apresentadas para 79 escolares na intervenção sobre ancilostomíase e 76, na de ascaridíase, com idades entre 10 e 15 anos. A média geral das notas do pré-teste na intervenção sobre ascaridíase foi 3,35±1,78 (média ± DP) e a do pós-teste 6,96±2,27 (média ± DP). Para a de ancilostomíase, os valores do pré-teste e pós-teste, foram 2,54±1,37(média ± DP) e 7,04 ±2,06 (média ± DP), respectivamente. Foram identificadas dificuldades referentes à classificação dos parasitos, uma vez que os percentuais de acertos no pré-teste foram 16,5% para Ascaris lumbricoides e 11,84% para a Ancylostoma duodenale e Necator americanus. Os resultados obtidos demonstraram impactos positivos das estratégias metodológicas aplicadas no conhecimento das geo-helmintíases abordadas, as quais são contextualizadas no ensino fundamental. Diante desta perspectiva, é fundamental destacar a importância da inserção de projetos de extensão nas escolas, permitindo que universidade e comunidade possam promover estratégias que contribuam no conhecimento dos escolares bem como para o crescimento profissional dos extensionistas.


Palavras-chave


helmintíase. educação em saúde. relações comunidade-instituição

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, T. M.; SODRÉ, L. Conhecimento de estudantes da educação básica sobre bactérias: saber científico e concepções alternativas. Revista de Educação, Ciências e Matemática, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 22-36, 2014.

ASAOLU, S. O.; OFOEZIE, I. E. The role of health education and sanitation in the control of helminth infections. Acta Tropica, Basel, v. 86, n. 2, p. 283-294, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Vigilância e Controle das Enteroparasitoses. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde, 2005. 42 p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 1998. 138 p.

BETHONY, J. et al. Soil-transmitted helminth infections: ascariasis, trichuriasis, and hookworm. The Lancet, London, v. 367, n. 9521, p. 1521-1532, 2006.

CROMPTON, D. W. T. The public health importance of hookworm disease. Parasitology, London, v. 121, suppl., p. S39-S50, 2000.

FREEMAN, M. C. et al. The impact of a school-based hygiene, water quality and sanitation intervention on soil-transmitted helminth reinfection: a cluster-randomized trial. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, Baltimore, v. 89, n. 5, p. 875-883, 2013.

FONSECA, E. O. L. et al . Prevalência e fatores associados às geo-helmintíases em crianças residentes em municípios com baixo IDH no Norte e Nordeste brasileiros. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 26, n. 1, p. 143-152, 2010.

GYORKOS, T. W. et al. Impact of health education on soil-transmitted helminth infections in schoolchildren of the Peruvian Amazon: a cluster-randomized controlled trial. PLOS Neglected Tropical Diseases, Baltimore, v. 7, n. 9, p. e2397, 2013.

HOTEZ, P. J. et al. The neglected tropical diseases of Latin America and the Caribbean: a review of disease burden and distribution and a roadmap for control and elimination. PLOS Neglected Tropical Diseases, Baltimore, v. 2, n. 9, p. e300, 2008.

LEITE, C. T. et al. Prática de educação em saúde percebida por escolares. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 19, n. 1, p. 13-19, 2014.

MACKEY, T. K. et al. Emerging and reemerging neglected tropical diseases: a review of key characteristics, risk factors, and the policy and innovation environment. Clinical Microbiology Reviews, Washington, v. 27, n. 4, p. 949-979, 2014.

MOREL, C. M. Inovação em saúde e doenças negligenciadas. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 8, p. 1522-1523, 2006.

McMANUS, D. P. et al. Health education and the control of intestinal worm infections in China: a new vision. Parasites and Vectors, London, v. 7, p. 344-347, 2014.

NAKAGAWA, J. et al. Towards effective prevention and control of helminth neglected tropical diseases in the Western Pacific Region through multi-disease and multi-sectoral interventions. Acta Tropica, Amsterdam, v. 141, p. 407-418, 2015.

NASR, N. A. et al. Towards an effective control programme of soil-transmitted helminth infections among Orang Asli in rural Malaysia. Part 2: Knowledge, attitude, and practices. Parasites and Vectors, London, v. 6, p. 28, 2013.

NASCIMENTO, A. M. D. et al. Parasitologia lúdica: o jogo como agente facilitador na aprendizagem das parasitoses. Scientia Plena, São Cristovão, v. 9, n. 7, p. 1-6, 2013.

TOSCANI, N. V. et al. Desenvolvimento e análise de jogo educativo para crianças visando à prevenção de doenças parasitológicas. Interface (Botucatu), v. 11, n. 22, p. 281-294, 2007.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Report of the third global meeting of the partners for parasite control: deworming for health and development. Geneva: WHO, 2005. 64 p.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.