Violência doméstica contra crianças e adolescentes: prevenção nos Centros de Referência de Assistência Social

Antonio Augusto Pinto Junior, Elisa Pereira Sá Pinto, Karen Torres Souza, Greicy Teles Moreira, Edson Dias Barbosa Junior, Elizângela Aparecida Silva, Natasha Reis Balbino, Grazielle Fraga Mello

Resumo


O presente artigo discute os resultados de um projeto de extensão desenvolvido pelo curso de psicologia do Instituto de Ciências Humanas e Sociais de Volta Redonda da Universidade Federal Fluminense no período de 2012-2013, visando à prevenção da Violência Doméstica contra Crianças e Adolescentes (VDCA) por meio de encontros de sensibilização e conscientização junto à população atendida pelos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) do referido município. Para tanto, foram realizados 33 encontros com as comunidades atendidas, contabilizando a participação de 482 usuários. Após a apresentação de um vídeo instrucional, foram discutidas as modalidades de violência doméstica, consequências, indicadores comportamentais, formas de denúncia e notificação, e modelos “não violentos” de educação familiar. Ao término dos encontros, os participantes responderam a um questionário de avaliação, em que deveriam descrever os pontos positivos e os pontos negativos do trabalho realizado, além de propor sugestões para os futuros encontros. A análise desses questionários aponta que a maioria avaliou positivamente o trabalho, destacando a melhor compreensão sobre o fenômeno, a orientação de como proceder com os casos, e a identificação de outras formas de pedagogia familiar e da criança sem o emprego da violência ou força física. Poucos foram os pontos negativos elencados, e a maioria versa sobre os horários e a duração das reuniões. Como sugestões, a população atendida destacou a necessidade de estender esse tipo de trabalho para a comunidade escolar e outras instituições sociais. Os resultados mostram que, por meio da proposta do projeto de extensão aqui apresentada, muitos participantes mudaram conceitos e representações acerca da VDCA, favorecendo, assim, a sua prevenção a partir do engajamento no combate a este tipo de problema social que aflige a vida de crianças e adolescentes brasileiros.

Palavras-chave


Violência doméstica; Crianças e adolescentes; Prevenção; Assistência Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ANNERBACK, E. M. et al. Child physical abuse and concurrence of other types of child abuse in Sweden-Associations with health and risk behaviors. Child Abuse & Neglect, Aurora, v. 36, n. 7-8, p. 585-595, 2012.

ARNOW, B. A. et al. Does gender moderate the relationship between childhood maltreatment and adult depression? Child Maltreatment, v. 16, n. 3, p. 175-183, 2011.

AZEVEDO M. A.; GUERRA V. M. A. Violência doméstica na infância e na adolescência: uma nova cultura de prevenção. São Paulo: Plêiade/FAPESP, 2011.

BERLIN, L. J.; APPLEYARD, K.; DODGE, K. A. Intergenerational continuity in child maltreatment: mediating mechanisms and implications for prevention. Child Development, Chicago, v. 82, n. 1, p. 162-176, 2011.

BRANCO, M. A. O.; TOMANIK, E. A. Violência doméstica contra crianças e adolescentes: prevenção e enfrentamento. Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 24, n. 2, p. 402-411, 2012.

BRASIL. Lei Federal n. 8069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF: Ministério da Justiça, 1990.

BRASIL. Ministério da Justiça. Plano nacional de enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil. Brasília, DF, 2001.

BRASIL. Ministério da Justiça. Sistema de Informação para a Infância e Adolescência – SIPIA. Brasília, DF, 1997.

BRASIL. Ministério da Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes: um passo a mais na cidadania em saúde. Brasília, DF, 2002.

BRASIL. Resolução n. 113, de 19 de abril de 2006. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA). Dispõe sobre os parâmetros para a institucionalização e fortalecimento do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente. Brasília, DF, 2006.

CAVALCANTI, A. L.; MARTINS, V. M. Perfil epidemiológico da criança e adolescente vítimas de violência física: estudo no departamento de Medicina Legal de Campina Grande/PB. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 38, n. 4, p. 341-352, 2009.

EVANS, W. D. et al. Efficacy of child abuse and neglect prevention messages in the Florida winds of change campaign. Journal of Health Communication, v. 17, n. 4, p. 413-431, 2012.

FALEIROS, J. M.; MATIAS, A. S. A.; BAZON, M. R. Violência contra crianças na cidade de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil: a prevalência dos maus-tratos calculada com base em informações do setor educacional. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 2, p. 337-348, 2009.

FINKELHOR, D. et al. Violence, abuse, and crime exposure in a national sample of children and youth. Pediatrics, v. 124, n. 5, p. 1411-1423, 2009.

GAL, G.; LEVAV, I.; GROSS, R. Psychopathology among adults abused during childhood or adolescence: results from the Israel-based World Mental Health Survey. The Journal of Nervous e Mental Disease, v. 199, n. 4, p. 222-229, 2011.

GOMES, R.; SILVA, C. M. F. P.; NJAINE, K. Prevenção à violência contra a criança e o adolescente sob a ótica da saúde: um estudo bibliográfico. Ciência e Saúde Coletiva, v. 4, n. 1, p. 171-181, 1999.

GREENFIELD, E. A. et al. Childhood abuse as a risk factor for sleep problems in adulthood: evidence from a U.S. national study. Annals of Behavioral Medicine, v. 42, n. 2, p. 245-256, 2011.

HUANG, L.; MOSSIGE, S. Academic achievement in norwegian secondary schools: the impact of violence during childhood. Social Psychology of Education, v. 15, n. 2, p. 147-160, 2012.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Lei n. 13010 de 26 de junho de 2014. Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso de castigos físicos ou de tratamento cruel ou degradante. Brasília, DF, 2014.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria n. 737 de 16 de maio de 2001. Institui a política nacional de redução da morbi-mortalidade por acidentes e violências. Brasília, DF, 2001.

MORAES, C. A. Violência doméstica contra a criança e rede de proteção social: uma análise sobre articulação em rede. Serviço Social em Revista, v. 14, n. 2, p. 119-144, 2012.

O’NEILL, E. O. et al. Prevention of child abuse and neglect through church and social service collaboration. Social Work and Christianity, v. 37, n. 4, p. 381-406, 2010.

PINTO JUNIOR, A. A. et al. Capacitação de profissionais de saúde na área da violência doméstica contra crianças e adolescentes no município de Dourados/MS. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 77-88, 2012.

ROMERO, A. et al. Evaluación del impacto de un programa de prevención de violencia en adolescente. Interamerican Journal of Psychology, v. 44, n. 2, p. 203-212, 2010.

STOLTENBORGH, M. et al. A global perspective on child sexual abuse: meta-analysis of prevalence around the world. Child Maltreatment, v. 16, n. 2, p. 79-101, 2011.

TARDIVO, L. S. P. C.; PINTO JUNIOR, A. A. IFVD: inventário de frases no diagnóstico de violência doméstica contra crianças e adolescentes. São Paulo: Vetor, 2010.

TRZINSKI, C. et al. CRAS de Saltinho: rumo ao fortalecimento da rede de serviços socioassistenciais. Textos & Contextos, v. 9, n. 2, p. 298-308, 2010.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.