Grupos de orientação profissional com adolescentes: um relato de experiência de um projeto de extensão universitária durante cinco anos

Thassia Souza Emidio, Pamela Yurie Nakagawa, Fabiele Gonzaga Silva, Aline Bertoli Gimenes

Resumo


Este trabalho pretendeu, a partir do relato de experiência com um projeto de extensão universitária, apresentar uma reflexão sobre a Orientação Profissional com adolescentes a partir de uma perspectiva da Psicanálise Vincular. Pretende-se mostrar como se deu a experiência com os adolescentes e refletir sobre as perspectivas para o trabalho com Orientação Profissional nessa abordagem, buscando apresentar questões relevantes que foram evidenciadas ao longo da execução do projeto como:  a importância de uma escuta dirigida à adolescência, as questões referentes ao  contexto social e escolar, a influência do grupo familiar na escolha profissional  e os desafios na construção de possibilidades de empoderamento e protagonismo social.


Palavras-chave


adolescência, família, orientação profissional, escolha

Texto completo:

PDF

Referências


ABADE, Flávia Lemos. Orientação profissional no Brasil: uma revisão histórica da produção científica. Revista Brasileira de Orientação Profissional, São Paulo, 6(1), 15-24,jun.2005.Disponívelem:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167933902005000100003&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 05 de dezembro de 2018.

ALMEIDA, M. E. G. G.; PINHO, L. V. Adolescência, família e escolhas: implicações na orientação profissional. Psi. Clin., Rio de Janeiro, vol. 20, n.2, p.173 - 184, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-56652008000200013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 de dezembro 2018.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 15ª edição. São Paulo: Cortez, 2011.

BENGOHZI, P.; FERES-CARNEIRO, T. Adolescência, violência e agressividade: diferenciando vínculo de relação. In: FERES-CARNEIRO, T.(org.) Família e casal: arranjos e demandas contemporâneas. São Paulo: Loyola, 2003.

CAMPOS, R. H. F. “Notas para uma história das ideias psicológicas em Minas Gerais”. In: Conselho Regional de Psicologia/4ª Região (Org.) Psicologia: Possíveis olhares outros fazeres. Belo Horizonte: 1992, CRP/4ª (MG/ES), pp.11-63.

CASTRO, M.F. Escolarização e oportunidade de trabalho: uma pequena reflexão sobre um equívoco comum. Colloquium Humanarum, Presidente Prudente, v. 10, n. 2, p.46-62,jul/dez2013.Disponívelem:https://www.researchgate.net/publication/272664394_ESCOLARIZACAO_E_OPORTUNIDADE_DE_TRABALHO_UMA_PEQUENA_REFLEXAO_SOBRE_UM_EQUIVOCO_COMUM. Acesso em: 11 dez 2018.

DEBORD, G. Sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEJOURS, C. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In: CHANLAT, J. F. O indivíduo na organização – dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1992.

EMIDIO, T.S. O trabalho com famílias no CRAS: mapeando demandas, construindo possibilidades de atuação. IN: Anais do X Congresso Brasileiro de Psicanálise das Configurações vinculares; VIII Encontro Paulista de Saúde Mental; XII Jornada da Spagesp, Serra Negra:2015.

FLANZER, N.S. A entrada na adolescência. Estilos da clínica, Rio de Janeiro, 2009, Vol.XlV, n° 27, p.124-133.

GONÇALVES, Carlos Manuel; COIMBRA, Joaquim Luís. O papel dos pais na construção de trajectórias vocacionais dos seus filhos. Rev. bras. orientac. prof, São Paulo , v. 8, n. 1,p.1,17,jun.2007.Disponívelem:http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-33902007000100002&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 11 dez. 2018.

KAËS,R. Um singular plural: A Psicanálise à prova do grupo. São Paulo: Loyola, 2011.

LEITÃO, L. M.; MIGUEL, J. P. Avaliação dos interesses. In: LEITÃO,L.M (Org.). Avaliação psicológica em orientação escolar e profissional. Coimbra: Quarteto,2004.

LEVISKY, D. L. Adolescência: reflexões psicanalíticas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998.

NORONHA, Ana Paula Porto; AMBIEL, Rodolfo Augusto Matteo. Orientação profissional e vocacional: análise da produção científica. Psico-USF (Impr.), Itatiba , v. 11, n. 1, p. 75-84,June,2006.Disponívelem:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-82712006000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 dez. 2018.

OUTEIRAL, J. Adolescer. Rio de Janeiro: Revinter, 2007.

PICHON- RIVIÈRE,E. O processo grupal. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

ROSA, H.R. ; EMIDIO, T.S. Reflexões sobre a dimensão familiar no psicodiagnóstico infantil. In: RIBEIRO, D. P. S.A.; ROSA, H.R., SILVA FILHO, N. Processos Clínicos e Saúde Mental. São Paulo: Vetor, 2012.

SOARES, M. S. A (Coord.). O acesso à educação superior e sua cobertura demográfica. IN: A Educação Superior no Brasil. Porto Alegre: Universidade, 2002.

TEIXEIRA, M. A. R.; HASHIMOTO, F. Família e escolha profissional: a questão espacial, temporal e o significado dos nomes. Pulsional – Revista de Psicanálise, São Paulo, ano XVII, n. 182, p. 63-73, junho, 2005.

TRINCA, W. Referenciais teóricos do processo psicodiagnóstico do tipo compreensivo. In: ______. Diagnóstico psicológico: a prática clínica. São Paulo: EPU,1984. (Temas Básicos de Psicologia; v. 10).

WAINBERG, A. K. Grupos de orientação profissional com adolescentes. In: ZIMERMAN, D. E. Como trabalhamos com grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.