Debatendo preconceito e exclusão: relato de uma experiência extensionista da Psicologia na escola

Gustavo de Aguiar Campos, Lanussy Karoliny Oliveira Lira, Karla Graciano Ribeiro, Luelí Nogueira Duarte e Silva

Resumo


Este artigo analisa uma experiência de inserção da Psicologia na educação básica a partir da prática docente de bolsistas do projeto de Psicologia do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID). O objetivo geral foi discutir, teoricamente, uma experiência de extensão em Psicologia, realizada através do PIBID, na qual foram realizadas, com alunos do Ensino Médio, oficinas sobre temáticas sociais ligadas ao preconceito e exclusão. Já os objetivos específicos foram: (1) analisar a experiência de inserção da Psicologia na escola e os resultados da intervenção realizada; (2) contextualizar as temáticas abordadas nas oficinas e sua pertinência na educação escolar; (3) refletir sobre a oficina enquanto metodologia formativa. A experiência extensionista concretizou-se pela construção da oficina “Atualidades em cena: sociedade e suas lutas” cujo objetivo principal foi promover discussões sobre algumas relações sociais ligadas a práticas excludentes e discriminatórias, a saber, violência de gênero, sexualidade, luta antimanicomial, questão indígena e relações raciais. Para tanto, foram adotadas as oficinas educativas e o uso de recursos midiáticos a fim de promover aprendizagem pela participação ativa. Dentre os resultados observados, ressaltam-se o enriquecimento da formação docente por parte dos bolsistas e o contato com discussões críticas acerca da sociedade atual por parte dos (as) participantes da oficina. A análise da experiência contribuiu na compreensão da importância da inserção de estudantes licenciandos em psicologia no espaço escolar por meio de projetos de extensão, bem como a relevância do PIBID e da extensão universitária no contexto escolar, promovendo uma formação humana mais ampla, reflexiva e crítica. Além disso, concluiu-se a importância de trabalhar essas temáticas no contexto atual brasileiro, onde vários direitos das populações mais vulnerabilizadas são retirados.


Palavras-chave


PIBID; Psicologia; Educação; Oficinas; Preconceito; Extensão Universitária.

Texto completo:

PDF

Referências


ABOU-YD M. N.; SILVA, R. A lógica dos mapas: marcando diferenças. In: Conselho Federal de Psicologia (org). Loucura, ética e política: escritos militantes. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2003.

ALBUQUERQUE, G. S. C.; SILVA, M. J. S. Sobre a saúde, os determinantes da saúde e a determinação social da saúde. Saúde Debate, v. 38, n. 103, p. 956-965, 2014. Disponível em: doi: 10.5935/0103-1104.20140082

CARRARA, S. Educação, diferença, diversidade e desigualdade. In: BRASIL. Gênero e diversidade na escola: Formação de professoras/es em Gênero, Sexualidade, Orientação Sexual e Relações Étnico-Raciais. Rio de Janeiro: CEPESC, 2009, p. 13-16.

COÊLHO, I. M. Escritos sobre o sentido da Escola: Uma introdução. In: COELHO, I. M (Org.). Escritos sobre o sentido da escola. São Paulo: Mercado de Letras, 2012. p. 87-107

DEPEN. Levantamento Nacional DE Informações Penitenciárias. Disponível em: . Acesso em: 17 de julho de 2018.

FREIRE, J. R. B. A imagem do índio e o mito da escola. In: MARFAN, M. A. Educação Escolar Indígena Brasília: MEC, 2003, p. 130-136.

GOULART, M. S. B. Em nome da razão: quando a arte faz história. Rev. Bras. Crescimento Desenvolvimento Hum. v. 20, n. 01, p. 36-41, 2010. Disponível em: .

GRUPIONI, L. D. B. Do nacional ao local, do federal ao estadual: as leis e a Educação Escolar Indígena. In: MARFAN, M. A. Educação Escolar Indígena Brasília: MEC, 2003, p. 130-136.

IBGE. PNAD Contínua 2016: 51% população com 25 anos ou mais do Brasil possuíam apenas o ensino fundamental completo. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2018.

IPEA. Atlas da Violência. 2017. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2018.

JESUS, J. G. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012. Disponível em: . Acesso em 30 de julho de 2018.

LOURO, G. L. Pedagogias de gênero e sexualidade. In: LOURO, G. L. (org.). O Corpo Educado: Pedagogias da Sexualidade. 3ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 7-34

LÜCHMANN, L. H. H.; RODRIGUES, J. O movimento antimanicomial no Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 12, n. 02, p. 399-407, 2007. Disponível em: . doi: 10.1590/S1413-81232007000200016

NAPOLITANO, M. Cinema: experiência cultural e escolar. In: TOZZI, D. (org.) Caderno de cinema do professor: dois. São Paulo: FDE, 2009, p. 10-31.

RIBEIRO, M. D. Gênero e diversidade sexual na escola: sua relevância como conteúdo estruturante no ensino médio. Ensino de Sociologia em Debate, v. 1, n. 2, 2012. p. 1-21.

SAFFIOTI, H. I. B. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, São Paulo: Unicamp, v. 16, 2001, p. 115-136.

SCHUCMAN, L. V. Sim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. Psicologia & Sociedade, Minas Gerais, vol. 26, n. 1, p. 83-94, 2014.

SCHUCMAN, L. V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: Raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. 2012. 160 f. Tese (Doutorado –Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Área de Concentração: Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo.

SEGATO, R. L. Raça é signo. In: Uma agenda política e temática para a inclusão social: a contribuição das abordagens pós estruturalistas. UFP, 2005.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.