Ruralidade(s), campesinato e a construção do conhecimento na extensão popular

Julio Cesar Pereira Monerat

Resumo


Nosso propósito no presente texto é contribuir para o debate sobre a relação entre ruralidade e extensão popular. O artigo desdobra-se em um duplo objetivo: primeiramente, realizar um brevíssimo apanhado sobre conceitos relacionados ao rural, à(s) ruralidade(s), ao campo e ao campesinato. Isso se deve ao fato de termos desenvolvido práticas de extensão popular ao longo dos últimos tempos – prioritária, mas não exclusivamente - no meio rural. Um segundo objetivo refere-se à discussão sobre a relação estabelecida entre sujeito e “objeto/sujeito” no processo de elaboração daqueles conceitos, ou seja, na produção de um conhecimento no âmbito de uma extensão popular.

O desenvolvimento do texto se fez num sentido em que que a caracterização do rural, da(s) ruralidade(s), do campo e do campesinato fossem num crescendo de complexidade. Partimos, portanto, de análises em que a relação de um desses conceitos - ou mais de um deles - se fazia de uma maneira que identificamos como linear para, na sequência, irmos apresentando aquelas reflexões em que aqueles mesmos conceitos ganham em complexidade. A complexidade da conceituação desenvolvida não se deveu apenas a um suposto apuramento na construção do conhecimento por parte dos pesquisadores que se debruçaram sobre o tema em questão, mas sim pelo papel de sujeito de conhecimento que passou a ser reconhecido naqueles que antes eram entendidos como meros objetos de pesquisa.

Dessa forma, acabamos por atingir o segundo objetivo proposto no início desse texto que é a discussão sobre os papeis desempenhados por sujeito e objeto/sujeito do conhecimento. Somente quando o objeto deixou de ser mero objeto é que o conhecimento pôde aflorar em sua riqueza de um conhecimento coletivamente construído.

Tal consideração não nos leva a desconhecer os diferentes papeis dos também diferentes sujeitos do conhecimento. Tratando mais especificamente da produção de conhecimento na extensão popular, dois elementos são fundamentais em nosso entendimento: a) o protagonismo dos sujeitos participantes; b) uma visão crítica e problematizadora decorrente da metodologia da educação popular capaz de garantirsua potencialidade crítica, onde cabe ao conhecimento acadêmico problematizar tanto o conhecimento popular quanto seu próprio conhecimento, além de estar aberto às críticas advindas do conhecimento popular com relação ao conhecimento acadêmico. Não há assim uma mera transferência de informações, mas sim sua construção coletiva e dialógica, posto que calcada em relações horizontais em que os sujeitos participantes reconhecem suas diferenças sem que isso represente o estabelecimento de uma hierarquia de saberes.

Sabendo dos diferentes papeis, bem como da novidade que cada um dos polos da relação entre sujeitos do conhecimento representa para o outro, é preciso adotar uma atitude que favoreça à mútua problematização por parte de ambos para que a extensão seja efetivamente popular.


Palavras-chave


Rural. Campesinato. Extensão Popular. Conhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


BENSAÏD, Daniel. Os despossuídos: Karl Marx, os ladrões de madeira e o direito dos pobres (Apresentação). In: MARX, Karl. Os despossuídos: debates sobre a lei referente ao furto de madeira. São Paulo: Boitempo, 2017.

FERNANDES, Bernardo Mançano. Questão Agrária: conflitualidade e desenvolvimento territorial. In: STEDILE, João Pedro (org.). A questão agrária no Brasil: o debate na década de 2000. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981; 9ª edição.

MELO NETO, José Francisco. Extensão popular. João Pessoa: Editora UFPB, 2014.

LENIN, Vladimir. O desenvolvimento do capitalismo na Rússia: processo de formação do mercado interno para a grande indústria. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

MENDRAS, Henri. Sociologia do meio rural. In: MENDRAS, Henri; GURVITCH, Georges; COURTIN, P. Sociologia Rural. São Paulo: Zahar, 1969.

MÉSZÁROS, I. Para além do capital – rumo a uma teoria da transição. São Paulo/Campinas: Boitempo/Unicamp, 2002.

OLIVEIRA, Ariovaldo Umbelino. A longa marcha do campesinato brasileiro: movimentos sociais, conflitos e reforma agrária. In: STEDILE, João Pedro. A questão agrária no Brasil: interpretações sobre o camponês e o campesinato (org.). São Paulo: Expressão Popular, 2016.

PAULINO, Eliane Tomiasi. Por uma geografia dos camponeses. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

SAQUET, Marcos A. Por uma geografia das territorialidades e das temporalidades: uma nova concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

TAUSSIG, Michael. O diabo e o fetichismo da mercadoria na América do Sul. São Paulo: UNESP, 2010.

TONET, Ivo. Método científico: Uma Abordagem Ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2013.

WOLF, Eric. Tipos de campesinato latino-americano. In FELDMAN-BIANCO, Bela;

VEIGA, José Eli da. Nascimento de outra ruralidade. Estudos Avançados, São Paulo, v. 20, n. 57, p. 333-353, agosto. 2006. Disponível em: . Acesso em: 16.10.2017.

SAQUET, Marco Aurélio. Por uma Geografia das territorialidades e das temporalidades: uma concepção multidimensional voltada para a cooperação e para o desenvolvimento territorial. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

TAUSSIG, Michael. O diabo e o fetichismo da mercadoria na América do Sul. São Paulo: UNESP, 2010.

TONET, Ivo. Método científico: uma abordagem ontológica. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

VEIGA, José Eli da. Nascimento de outra ruralidade. Estud. av. [online]. 2006, vol.20, n.57, pp. 333-353. ISSN 0103-4014.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.