Extensão universitária e trabalho: autogestão em uma associação de catadores

Bruno Otávio Arantes, Sâmara Ferreira dos Santos, Luana de Almeida Moreira

Resumo


Os catadores de materiais recicláveis vêm constituindo organizações coletivas de trabalho, sob a forma de cooperativas e associações, onde os trabalhadores são os donos dos meios de produção que utilizam e buscam uma organização baseada na autogestão. Apesar de alguns avanços, estão expostos a fatores de risco e a longas jornadas de trabalho e ainda que participem de uma cadeia produtiva lucrativa, possuem baixos rendimentos e enfrentam dificuldades para aquisição de equipamentos. Levando em consideração estes fatores, foi desenvolvido projeto de extensão junto aos catadores de materiais recicláveis da ATLIMARJOM, da cidade de João Monlevade. O objetivo foi estimular a autogestão a partir da capacitação e assistência técnica a estes trabalhadores. Os métodos utilizados foram as observações do trabalho, capacitações baseadas nos princípios da pedagogia da alternância e softwares para elaboração de layout de produção. Assim, foram realizadas capacitações para todos os catadores e foi construído, em conjunto com os trabalhadores, novo layout. Estes resultados permitiram fortalecer a organização dos catadores, por meio de nova gestão logística dos espaços e pelo reconhecimento dos EPI’s enquanto ferramentas de proteção, bem como a possibilidade de novos conhecimentos para a equipe de extensão a partir do contato direto com a comunidade.

Palavras-chave


Catadores; autogestão; trabalho

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, P.P. Autogestão. In CATTANI, A. D. (Org). A outra economia. Porto Alegre: Veraz Editores, 2003.p. 20-25

ARANTES, B. O.; BORGES, L. de O. Catadores de materiais recicláveis: cadeia produtiva e precariedade. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v.65, n.3, p.319-337. 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672013000300002 Acesso em: 07/04/2018

ABREU, M. F. Coleta Seletiva com Inclusão Social: em municípios, empresas, instituições, condomínios, escolas, Belo Horizonte: CREA–MG, 2008.

AQUINO, I. F.; CASTILHO JR., A. B.; PIRES, T. S. L. A organização em rede dos catadores de materiais recicláveis na cadeia produtiva reversa de pós-consumo da região de grande Florianópolis: uma alternativa de agregação de valor. Gestão e Produção, v. 16, n. 1, p. 15-24, 2009.

BATISTA, F.G.A.; LIMA, V.L.A.; SILVA, M.M.P. Avaliação de riscos físicos e químicos no trabalho de catadores de materiais recicláveis. Revista Verde, v. 8, n. 2, p. 284 – 290, 2013.

BENINI, É. A.; BENINI, É. G. As contradições do processo de autogestão no capitalismo: funcionalidade, resistência e emancipação pela economia solidária. O&S, v.17,n.55, p. 605-619, 2010.

BORTOLI, M. A. Processo de organização de catadores de materiais recicláveis: Lutas e conformações. Rev. Katálysis v.16, n.2. p.248-247, 2013.

BRASIL. Classificação de Ocupações (2002). Disponível em. Acesso em jul. 2017.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasil, Brasília DF, 2010.

CASTILHOS JR, A. B.; RAMOS, N. F.; ALVES, C. M.; FORCELLINI, F. A; GRACIOLLI, O. D. Catadores de materiais recicláveis: análise das condições de trabalho e infraestrutura operacional no Sul, Sudeste e Nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v.18, n. 11, p. 3115-3124, 2013.

CAVALCANTE, S.; FRANCO, M. F. A. Profissão perigo: percepção de risco à saúde entre os catadores do Lixão do Jangurussu. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 7, n. 1, p. 211-231, 2007.

CORDEIRO, G.; REIS, N. da S.; HAGE, S. M. Pedagogia da Alternância e seus Desafios para Assegurar a Formação Humana dos Sujeitos e a Sustentabilidade do Campo. Em Aberto, v. 24, n. 85, p. 115-125, 2015.

FERREIRA, J. A.; ANJOS, L. A. Aspectos de saúde coletiva e ocupacional associados à gestão dos resíduos sólidos municipais. Cadernos de saúde Pública, v.17, n.3. p. 689-693, 2001.

FORPROEX - FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS

BRASILEIRAS. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus: FORPROEX, 2012. Disponível em: https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de- Extensao.pdf. Acesso em 12/04/2018.

JACOBI, P. R.; TEIXEIRA, M. A. C. Criação do capital social: o caso ASMARE – Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Material Reaproveitável de Belo Horizonte. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 2, p. 1-51, 1997

HENNINGTON, É. A. Acolhimento como prática interdisciplinar num programa de extensão universitária. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 256-265, 2005.

LAYARGUES, P. O cinismo da reciclagem: o significado ideológico da reciclagem da lata de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, F.; LAYARGUES, P.; CASTRO, R. (Org.) Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002. p. 179-220.

Lhuilier, D. Cliniques du travail. Paris: Éditions Érès,2007

LIMA, F. P. A.; OLIVEIRA, F. G. Produtividade técnica e social das associações de catadores: por um modelo de reciclagem solidária. In V. H. KEMP & H. M. T. CRIVELLARI (Orgs.), Catadores da Cena Urbana, construção de políticas socioambientais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p. 225-248.

BARROS, L. Tratamento térmico de aços especiais. In: GOUVEIA, L. (Org.). Tratamento de aços. São Paulo: Saraiva, 2011. p. 65-79.

MAGNI, A. A. C.; GÜNTHER, W. M. R. Cooperativas de catadores de materiais recicláveis como alternativa à exclusão social e sua relação com a população de rua. Saúde Soc. São Paulo, v.23, n.1, p.146-156, 2014

MEDEIROS, Luiza Ferreira Rezende de; MACEDO, Kátia Barbosa. Catador de material reciclável: uma profissão para além da sobrevivência? Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 62-71, 2006 .

SANTOS, E. M. Saúde e Segurança do Trabalho na Associação de catadores de materiais recicláveis de Balsa Nova –PR. Curitiba, 2014. Disponível em:

, acessado em 20/Jun/2017.

SILVA, M. K; OLIVEIRA, G. L. Solidariedade assimétrica: capital social, hierarquia e êxito em um empreendimento de “economia solidária”. Katalisis, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 59-67, 2009.

SIVIERI, L. H.. Saúde no trabalho e mapeamento de riscos. In: Saúde, Meio Ambiente e Condições de Trabalho – Conteúdos Básicos para uma Ação Sindical. São Paulo: Central Única dos Trabalhadores/Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina no Trabalho.1995.

SINGER, P.; SOUZA, A. R.. A economia solidária no Brasil: A autogestão como resposta ao desemprego. Contexto: São Paulo, 2003.

TEIXEIRA, E. S.; BERNART, M. L.; TRINDADE, G. A. Estudos sobre Pedagogia da Alternância no Brasil: revisão de literatura e perspectivas para a pesquisa. Educação e Pesquisa, v.34, n.2, p. 227-242, 2008.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.