Avaliação do conhecimento populacional no Dia Mundial da Saúde

Bruno Viana Pereira, Anderson Alexsander Teixeira, Manuela Pessoa Cruz, Pedro Helder Oliveira, Adriano Renan Almeida Sousa, Rafaela Barros Sousa, Mariana Michiles Ramos, José Arnaldo Motta Arruda

Resumo


As ações apresentadas nesse trabalho buscaram capacitar, conscientizar e orientar a população sobre a meningite bacteriana e resistência antimicrobiana (RA), a neurocisticercose e o botulismo, além de pesquisar o conhecimento sobre a etiologia, os fatores de riscos, a incidência e as medidas a serem tomadas ao se depararem com tais situações. Trata-se de um estudo transversal quantitativo não probabilístico, por meio de questionários objetivos, exposição de banners em via pública e abordagem ativa dos transeuntes com distribuição de panfletos informativos. Em 2011, sob a temática da RA, obtivemos um total de 100 entrevistados, dos quais 52 eram homens. 74 já utilizaram antibiótico (ATB) pelo menos uma vez e 3 não sabiam informar (NSI). Desses, 47 não tinham prescrição médica e 23 não respeitaram a posologia (NSI=5). 78 acreditam que o uso inadequado de ATB gera RA (NSI=13). Em 2014, de um total de 63 entrevistados, 76,2% nunca sequer ouviram falar da neurocisticercose. Apenas 14,2% dos entrevistados sabiam como a neurocisticercose é adquirida e somente 7,9% sabiam reconhecer os sintomas. Em 2015, apenas 21 entrevistados responderam ao questionário, dos quais, quando perguntados se já haviam ouvido sobre botulismo, apenas 33% responderam sim. Todos os entrevistados disseram que nunca haviam desenvolvido botulismo e tampouco conheciam alguém que houvesse. Os resultados da atividade tornaram clara a indispensabilidade de intervenções na esfera primária de prevenção pelos projetos universitários de extensão, visto que ainda há muito a ser divulgado e ensinado à população para, assim, diminuir os diversos fatores de riscos e a incidência das doenças.

Palavras-chave: Extensão Universitária, Relações Comunidade-Instituição


Palavras-chave


Meningite;conscientização;Neurocisticercose;Botulismo;Avaliação

Texto completo:

PDF

Referências


Referências

EDWIRGES, Nogueira/correspondente da Agência. Ceará registra 12 casos de meningite este ano. 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2017.

DELBRUTTO, Oscar H. del. Neurocysticercosis: A Review. The Scientific World Journal, [s.l.], v. 2012, p.1-8, 2012. Hindawi Publishing Corporation. http://dx.doi.org/10.1100/2012/159821.

FAÇANHA, Mônica Cardoso. Casos de cisticercose em pacientes internados pelo Sistema Único de Saúde: distribuição no Estado do Ceará. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, [s.l.], v. 39, n. 5, p.484-487, out. 2006. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0037-86822006000500012.

FARIA, Sonia M. de; FARHAT, Calil K.. Meningites bacterianas - diagnstico e conduta. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, p. 46-56. jul. 1999.

GUIMARÃES, Reinaldo; BITTENCOURT, Luiz C. Mariani; PASTOR, Maria Virginia de A.. Meningites virais e bacterianas no município do Rio de Janeiro (Brasil): algumas considerações sobre o sistema de informações em saúde sobre a distribuição da doença no espaço urbano. Revista de Saúde Pública, [s.l.], v. 15, n. 4, p.379-394, ago. 1981. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0034-89101981000400004.

SILVA, M.c. et al. Cisticercose suína, teníase e neurocisticercose humana no município de Barbalha, Ceará. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, Minas Gerais, v. 59, n. 2, p.371-375, 2 fev. 2007.

TAKAYANAGUI, Osvaldo M.. Neurocysticercosis. Arquivos de Neuro-psiquiatria, [s.l.], v. 71, n. 9, p.710-713, set. 2013. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/0004-282x20130156.

WADA, Célia. História do Dia Mundial da Saúde. 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2017.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária e Cultura - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.