Grupos operativos com usuários de álcool e outras drogas

Victor Gabriel Souza Faria, Camila Souza almeida, Bianca de Freitas Moraes

Resumo


Os grupos operativos são uma técnica que através da criação de vínculos entre os seus integrantes e os coordenadores leva os indivíduos a uma reflexão sobre hábitos atuais e cria meios de ação para a mudança do estado atual. O objetivo é descrevera realização de grupos operativos voltados para o empoderamento e a auto eficácia dos usuários de um Centro de Atenção Psicossocial de álcool e outras drogas. Trata-se de um relato de experiência de um projeto de extensão vivenciado no período de agosto a outubro de 2016, coordenado por docente do curso de enfermagem e executado por discentes de enfermagem e psicologia no interior de Minas Gerais, em que se realizaram onze grupos operativos com duração média de sessenta minutos em um Centro de Atenção psicossocial. Os grupos tiveram participação média de dez usuários por encontro. Resultados: Foram realizados grupos com temas que visassem aumentar o conhecimento dos usuários sobre seu tratamento e o uso de drogas e álcool, assim como aumentar a auto eficácia e empoderá-los a serem ativos em suas escolhas e tratamento. As técnicas utilizadas durante os grupos variaram de rodas de conversa a técnicas teatrais, visando o melhor resultado para os temas. Os relatos dos participantes e a observação dos coordenadores dos grupos demonstraram que os grupos operativos são efetivos para empoderar o usuário de drogas e álcool e trazer maiores informações e debates sobre o assunto. O projeto de extensão realizado de forma interdisciplinar por discentes de enfermagem e psicologia foi de suma importância e preparara-los para uma prática profissional mais integral e humanizada.


Palavras-chave


Saúde Mental. Promoção de Saúde. Abuso de drogas. Educação em saúde. Interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


BARD, N.D et al. Estigma e preconceito: vivências dos usuários de crack. Rev latinoam enferm, v. 24, e2680, 2016. Disponível em: . Acesso em 05 março 2018.

BRAUN, L.M; ZANON, L.L.D; HALPERN. A família do usuário de drogas no CAPS: Um relato de experiência. SPAGESP, v. 15, n 2, p. 122-140, 2014. Disponível em: . Acesso em 05 março 2018.

COSTA P.H.A. et al. Desatando a trama das redes assistenciais sobre drogas: uma revisão de literatura. Ciên Saúde coletiva (online), v.20, n.2, p. 395-406, 2015. Disponível em: Acesso em 05 março 2018.

FONSECA, F.N; GONDIM, A.P; FONTELES, M.M.F. Influência dos grupos terapêuticos em Centro de Atenção Psicossocial entre usuários com dependência de cocaína/crack. Saúde debate, v. 38, n. 102, p. 551-561, 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 janeiro 2018.

Fórum de pró-reitores de extensão das instituições de educação superior públicas brasileiras . Política nacional de extensão universitária. [online]. Manaus (AM): FORPROEX; 2012 Disponível em:< http://www.guiacultural.unicamp. br/sites/default/files/2012-07-13-politica-nacionalde-extensao.pdf >. Acesso em 05 março 2018.

GEHLEN, M.H. Significados da prática educativa em unidade de desintoxicação química. Cogitare Enferm, v. 18, n. 2, p. 317-322, 2013. Disponível em: . Acesso em 05 março 2018.

GRYSCHEK, G; PINTO, A.A.M. Saúde mental: como as equipes de saúde da família podem integrar esse cuidado na atenção básica? Ciênc Saúde coletiva (online), v. 20, n. 10, p. 3255- 3262, 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1413-812320152010.13572014 > Acesso em 25 Fevereiro 2018.

LANZONI, G.M.M; MEIRELES B.H.S; CUMMINGS, G. Práticas de liderança do enfermeiro na atenção básica à saúde: uma teoria fundamentada nos dados. Texto contexto enferm, v. 25, n. 4, e4190015, 2016 . Disponível em:. Acesso em 25 janeiro 2018.

MCKAY, J.R. et al. Factors in sustained recovery from cocaine dependence. J subst. abuse treat, v. 45, n. 2, p. 163- 172, 2013. Disponível em: Acesso em 03 março 2018.

MEDEIROS, REGINA. Construção social das drogas e do crack e as respostas institucionais e terapêuticas instituídas. Saúde Soc, v. 23, n. 1, p. 105-117, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n1/0104-1290-sausoc-23-01-00105.pdf >. Acesso em 05 março 2018.

SANTOS, E.S; JOCA, E.C; SOUZA, A.M.A. Teatro do oprimido em saúde mental: participação social com arte. Interface (Botucatu), v. 20, n. 58, p. 637-647,2016. Disponível em: Acesso em 05 março 2018.

SCHEINDER, O.M.F; NEVES, A.S. Conversas sobre formarfazer a nutrição: as vivencias e percursos da Liga de segurança alimentar e nutricional. Interface (Botucatu), v. 18, n. 48, p. 187- 196, 2015.Disponível em: .Acesso em 18 fevereiro 2018.

SILVA, W.S; PERES, R.S. Concepções sobre álcool e outras drogas na atenção básica: o pacto denegativo dos profissionais de Saúde. Psicol ciênc prof , v. 34, n. 2, p. 474- 487, 2014. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pcp/v34n2/v34n2a15.pdf > Acesso em 03 março 2018.

SOUZA, L.G.S; PINHEIRO, L.B. Oficinas terapêuticas em um centro de atenção psicossocial – álcool e drogas. Aletheia , v. 38, n. 39, p. 218-227, 2013. Disponível em:< http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n38-39/n38-39a18.pdf > Acesso em 05 março 2018.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.