Terminologias alimentares: conscientizando o consumidor para sua autonomia na compra

Raquel Lucena de Souza, Naiara Barbosa Carvalho, Jennifer Lima Costa, Tayná Jamille Santos, Robledo de Almeida Torres Filho

Resumo


Este estudo surge da intenção de contribuir para reforçar a evidente necessidade de maior rigor na conscientização com relação a hábitos alimentares, bem como evitar determinadas doenças e reduzir o número de compras errôneas. Sendo assim, a presente pesquisa teve como objetivo ministrar palestras para 69 estudantes adolescentes com relação a correta definição de determinados termos encontrados em rótulos alimentícios tais como: diet, light, prebiótico, probiótico, irradiado e transgênico. Neste sentido, as atividades propostas se basearam em primeiramente identificar o conhecimento prévio dos alunos com relação aos termos abordados, por meio de um questionário estruturado. Posteriormente, foi realizada a abordagem de cada termo por meio de palestras e ao final de cada explicação uma avaliação dinâmica com jogos de perguntas foi efetuada buscando não somente entender o grau de compreensão dos termos abordados, como também a fixação dos mesmos. Ao final da explanação sobre todos os termos, os alunos realizaram uma apresentação dos mesmos na feira de ciências que ocorre anualmente na escola. Subsequentemente, reaplicou-se o mesmo questionário a fim de avaliar o conhecimento adquirido pelos participantes e por fim, foi realizada a confecção de uma cartilha contendo o resumo sobre todo o assunto contemplado. Os dados foram analisados por meio da análise descritiva e pelo teste t para amostras pareadas (p<0,05), sendo essas realizadas no software SPSS 15.0® (Statistical Package for the Social Sciences) e no SAS 9.2 (Statistical Analysis System), respectivamente.  No primeiro questionário, a definição de diet foi a única que obteve maior porcentagem de acertos (67%) que erros, prebiótico (49%), irradiado (46%), probiótico (41%), sendo os termos light e transgênico com a menor porcentagem de acertos (39%). Já no segundo questionário, foi possível observar uma melhora em relação aos resultados obtidos no primeiro apresentando um aumento de 40% para o termo light, 24% para probiótico, 25% para irradiado e 12% para transgênico, o termo prebiótico (49%) se manteve constante, já para o termo diet houve uma piora de 8%. Avaliou-se a diferença da média de acertos dos termos do primeiro questionário em relação ao último questionário pelo teste t para amostras pareadas, sendo possível observar um aumento (p<0,05) dos mesmos, demonstrando uma melhora no desempenho dos participantes.  O projeto apresentou-se como uma ferramenta eficaz no aprendizado dos jovens, que tiveram não somente um bom desempenho nos jogos como também uma excelente apresentação na feira de ciências compartilhando com a comunidade local o conhecimento por eles aprendido.


Palavras-chave


diet. light. prebiótico. probiótico. irradiado

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Resolução RDC nº 54, de 12 de novembro de 2012. Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 nov. 2012.

CONDEIXA, G; BODRA, J. Utilização de folhetos: Um Estado de Saúde de São Paulo, 1993.

LOUZADA, M. L. C.; MARTINS, A. P. B.; CANELLA, D. S.; BARALDI, L. G.; LEVY, R. B.; CLARO, R. M.; MOUBARAC, J.; CANNON, G.; MONTEIRO, C. A. Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Revista Saúde Pública. São Paulo – SP, v. 49, n. 38, jul. 2015.

MACHADO, C. B.; NOGUEIRA, S. E.; BRIANCINI, T. P.; TOBAL, T. M. Avaliação do hábito de leitura e entendimento dos rótulos dos alimentos: um estudo em um supermercado na cidade de Santa Fé do Sul - São Paulo. Revista Funec Científica - Nutrição, Santá Fé do Sul – SP, v. 1, n. 1., jul./dez. 2013.

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) Política Nacional de Alimentação e Nutrição - Portaria nº 710, de 10 de junho de 1999. Brasília, 1999.

NUNES, M. M. A.; FIGUEIROA, J. N.; ALVEZ, J. G. B. Excesso de peso, atividade física e hábitos alimentares entre adolescentes de diferentes classes econômicas em Campina Gande (PB). Revista Associação de Médica Brasileira, São Paulo – SP, v. 53, n. 2, jul./out. 2007.

OLIVEIRA, L. L.; BOCCHINI, M. O. Legibilidade visual para informação nutricional em rótulos de alimentos. Blucher Design Proceedings, Brasília, v. 2, n. 2, p. 1-10, ago./set. 2015.

RODRIGUES, A.; RODRIGUES, I. Análise do grau de conhecimento do consumidor diante da rotulagem de alimentos: um estudo preliminar. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, p. 1-8, Curitiba- PR, Outubro 2002.

SANTOS, C. M. B. ARAÚJO, C. C.; SOARES, M. B.; JESUINO, R. S. A.; MORAIS, C. C. Experiência de extensão: “Rotulagem nutricional: conheça o que você consome”. Revista Ciência em Extensão, v.12, n.4, 2016.

SANTOS, L. A. S.. O fazer educação alimentar e nutricional: algumas contribuições para reflexão. Ciência & Saúde Coletiva, Salvador, v. 17, n. 2, p. 453-462, jan./jun. 2012.

SANTOS, S. Princípios e técnicas de comunicação. In: PHILIPPI JR., A.; PELICIONI, M.C. (eds.). Educação. Barueri: Ed. Manole, p.437-466, 2005.

SOUZA, M. F. C.; ARAÚJO, V. F.. Adequação do consumo e evolução antropométrica após educação nutricional de pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Demetria: alimentação, nutrição & saúde, Aracajú, v. 10, n. 1, p. 159-172, jan./jun. 2015.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.