Redução do estresse e ansiedade na escola por meio do Tai Chi Chuan

Rui Seabra Machado, Pâmela Billig Mello-Carpes

Resumo


O número de pessoas que apresentam sintomas de estresse e ansiedade vem crescendo de maneira contínua e consistente. Estes fenômenos também estão presentes nas escolas, levando os estudantes a apresentarem problemas de aprendizado. Estas manifestações se caracterizam pela perda da homeostasia, que leva o corpo a entrar em estado de alerta; em vista disso é importante estudar alternativas não medicamentosas de controle do estresse e da ansiedade, como as práticas contemplativas, por exemplo, o Tai Chi Chuan. O Tai Chi Chuan é uma antiga arte marcial terapêutica chinesa que vem sendo estudada como auxiliar na redução do estresse e da ansiedade. O objetivo deste estudo foi verificar se o Tai Chi Chuan é capaz de diminuir o estresse e a ansiedade em crianças do ensino fundamental. Para atingir este objetivo implementamos uma metodologia que consistiu em recrutar voluntários de duas turmas do 9º. ano do ensino fundamental, compondo um grupo de 34 estudantes (16 do sexo masculino e 18 do sexo feminino, como média de idade de 14 anos). Aleatoriamente, uma turma foi escolhida para ser a teste; esta praticou o Zhanzhuang, um exercício básico do estilo Chen de Tai Chi Chuan. A outra turma, a controle, realizou exercícios de alongamento. Os exercícios foram ofertados 3 vezes por semana, com sessões de 20 minutos, durante o mesmo turno das aulas. Foram realizadas 20 sessões durante os meses de agosto a outubro de 2017. Para avaliar os níveis de ansiedade foram aplicados os testes IDATE Traço e Estado, e foi aplicada a Escala de Estresse Infantil para aferir os níveis de estresse. Estes testes foram aplicados em dois momentos: pré e pós-intervenção. Os resultados obtidos propõem que a prática do Tai Chi Chuan diminui o estresse, mas não diminui a ansiedade. Após a aplicação dos testes pós-intervenção foi aplicado um questionário para avaliação da percepção dos estudantes sobre a prática dos exercícios, e a percepção de ambas as turmas foi muito positiva, manifestando, inclusive que estas intervenções os teriam ajudado a melhorar o rendimento em sala de aula e durante as avaliações. Concluímos que o Tai Chi Chuan foi eficaz para o gerenciamento do estresse no contexto escolar.


Palavras-chave


Tai Chi Chuan. Estresse. Ansiedade. Escola; Aprendizagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, P. P. DE; D'AFFONSECA, S. M.; WILLIAMS, L. C. DE A. Efeitos Tardios do Bullying e Transtorno de Estresse Pós-Traumático: Uma Revisão Crítica. Psicologia: Teoria e Pesquisa 29 (1), pág. 91-98. 2013

ANTUNES, H. K.M.; et al . Exercício físico e função cognitiva. Uma revisão. Em: Rev Bras Med Esporte 12 (2), pág. 108–114. 2006. DOI: 10.1590/S1517-86922006000200011.

ARAÚJO, S. R. C.; MELLO, M. T.; LEITE, J. R. Transtornos de ansiedade e exercício físico. Em: Rev. Bras. Psiquiatr. 29 (2), pág. 164–171. 2007 DOI: 10.1590/S1516-44462006005000027.

BIAGGIO, A. M. B.; NATALÍCIO, L.; SPIELBERGER, C. D. Desenvolvimento da forma experimental em português do Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE) de Spielberger. Em: Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada 29 (3), pág. 31–44. 1977

BLOSS, E. B.; et al. Interactive effects of stress and aging on structural plasticity in the prefrontal cortex. Em: The Journal of neuroscience : the official journal of the Society for Neuroscience 30 (19), pág. 6726–6731. 2010. DOI: 10.1523/JNEUROSCI.0759-10.2010.

CASTILLO, A. R. GL; et al. Transtornos de ansiedade. Em: Revista Brasileira de Psiquiatria 22, pág. 20–23. 2000. DOI: 10.1590/S1516-44462000000600006.

CHADDOCK-HEYMAN, L.; et al. The role of aerobic fitness in cortical thickness and mathematics achievement in preadolescent children. Em: PloS one 10 (8), e0134115. 2015. DOI: 10.1371/journal.pone.0134115.

COSENZA, R. M.; GUERRA, L.B. Neurociência e Educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre. Editora Artmed. 2011.

DAVIDSON, R. J. Affective style, psychopathology, and resilience. Brain mechanisms and plasticity. Em: American Psychologist 55 (11), pág. 1196–1214. 2000. DOI: 10.1037/0003-066X.55.11.1196.

ESPERIDIÃO-ANTONIO, V.; et al. Neurobiology of the emotions. Em: Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo) 35 (2), pág. 55–65. 2008. DOI: 10.1590/S0101-60832008000200003.

GIFFONI, F. A. O.; et al. O Estresse das Avaliações de Ensino-Aprendizagem sobre o Psiquismo do Aluno. Em: Revista Multidisciplinar e de Psicologia 9 (25), pág. 226–242. 2015

GOULD, E.; et al. Neurogenesis in the dentate gyrus of the adult tree shrew is regulated by psychosocial stress and NMDA receptor activation. Em: The Journal of neuroscience : the official journal of the Society for Neuroscience 17 (7), pág. 2492–2498. 1997.

GRAEFF, F. G. Bases biológicas do transtorno de estresse pós-traumático. Em: Rev. Bras. Psiquiatr. 25 (suppl 1), pág. 21–24. 2003. DOI: 10.1590/S1516-44462003000500006.

GUGLIETTI, C. L.; et al. Meditation-Related Increases in GABAB Modulated Cortical Inhibition. Em: Brain Stimulation 6 (3), pág. 397–402. 2013. DOI: 10.1016/j.brs.2012.08.005.

HERMAN, J. P.; CULLINAN, W. E. Neurocircuitry of stress. Central control of the hypothalamo-pituitary-adrenocortical axis. Em: Trends in Neurosciences 20 (2), pág. 78-84. 1997. DOI: 10.1016/S0166-2236(96)10069-2.

IZQUIERDO, I. Memórias. 2a. Edição, Porto Alegre. Editora Artmed, 2011.

JAHNKE, R.; et al A comprehensive review of health benefits of qigong and tai chi. Em: American journal of health promotion: AJHP 24 (6), e1-e25. 2010. DOI: 10.4278/ajhp.081013-LIT-248.

JAMIESON, S.; et al Likert scales. How to (ab) use them. Em: Medical education 38 (12), pág. 1217–1218. 2004.

JOCA, S. R. L.; PADOVAN, C. M.; GUIMARÃES, F. S. Estresse, depressão e hipocampo. Em: Rev. Bras. Psiquiatr. 25, pág. 46–51. 2003. DOI: 10.1590/S1516-44462003000600011.

KILLGORE, W. D. S.; OLSON, E. A.; WEBER, M. Physical exercise habits correlate with gray matter volume of the hippocampus in healthy adult humans. Em: Scientific reports 3, pág. 3457. 2013. DOI: 10.1038/srep03457.

KOLTYN, K. F. Analgesia following exercise. A review. Em: Sports medicine (Auckland, N.Z.) 29 (2), pág. 85–98. 2000.

LINDHEIMER, J. B.; O'CONNOR, P. J.; DISHMAN, R. K. Quantifying the placebo effect in psychological outcomes of exercise training. A meta-analysis of randomized trials. Em: Sports medicine (Auckland, N.Z.) 45 (5), pág. 693–711. 2015. DOI: 10.1007/s40279-015-0303-1.

LIPP, M. E. N.; et al. O estresse em escolares. Em: Psicol. Esc. Educ. 6 (1), pág. 51–56. 2000. DOI: 10.1590/S1413-85572002000100006.

LOURES, D. L.; et al. Estresse Mental e Sistema Cardiovascular. Em: Arquivos Brasileiros de Cardiologia 78 (5), pág. 525–530. 2002. DOI: 10.1590/S0066-782X2002000500012.

LUCARELLI, M. D. M.; LIPP, M. E. N. Validação do inventário de sintomas de stress infantil - ISS - I. Em: Psicol. Reflex. Crit. 12 (1), pág. 71–88. 1999. DOI: 10.1590/S0102-79721999000100005.

MAMOUNAS, L. A.; et al Brain-derived neurotrophic factor promotes the survival and sprouting of serotonergic axons in rat brain. Em: The Journal of neuroscience : the official journal of the Society for Neuroscience 15 (12), pág. 7929–7939. 1995.

MARGIS, R.; et al. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Em: Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul 25. 2003. DOI: 10.1590/S0101-81082003000400008.

MCEWEN, B. S. The neurobiology of stress. From serendipity to clinical relevance. Em: Brain research 886 (1-2), pág. 172–189. 2000.

MENDELSON, M. et al. Sleep quality, sleep duration and physical activity in obese adolescents. Effects of exercise training. Em: Pediatric obesity 11 (1), pág. 26–32. 2016. DOI: 10.1111/ijpo.12015.

MIKKELSEN, K.; et al. Exercise and mental health. Em: Maturitas 106 (Supplement C), pág. 48–56. 2017. DOI: 10.1016/j.maturitas.2017.09.003.

NIETHARD, N.; BURGALOSSI, A.; BORN, J. Plasticity during Sleep Is Linked to Specific Regulation of Cortical Circuit Activity. Em: Front. Neural Circuits 11, pág. 65. 2017. DOI: 10.3389/fncir.2017.00065.

SHELINE, Y. I.; GADO, M. H.; KRAEMER, H. C. Untreated depression and hippocampal volume loss. Em: The American journal of psychiatry 160 (8), pág. 1516-1518. 2003. DOI: 10.1176/appi.ajp.160.8.1516.

SILBERSTORFF, J. Chen: Living Taijiquan in the Classical Style. Philadelphia. EUA. 2009.

SIGFUSDOTTIR, I. D.; et al (2016): Stress and adolescent well-being: the need for an interdisciplinary framework. Em: Health promotion international. 2016. DOI: 10.1093/heapro/daw038.

THOMA, M.; et al. The effect of music on the human stress response. Em: PloS one 8 (8), e70156. 2013. DOI: 10.1371/journal.pone.0070156.

VILLEGAS, O. et al. El volumen de la amígdala como predictor del desempeño en tareas de regulación emocional. Aplicación de nuevas técnicas de morfometría basada en vóxeles. Em: Neurología Argentina 7 (3), pág. 148–155. 2015. DOI: 10.1016/j.neuarg.2015.02.006.

WANG, F. et al. The effect of meditative movement on sleep quality: A systematic review. Em: Sleep medicine reviews 30, pág. 43–52. 2015. DOI: 10.1016/j.smrv.2015.12.001.

WANG, W. et al. The Effect of Tai Chi on Psychosocial Well-being. A Systematic Review of Randomized Controlled Trials. 2009. In Journal of Acupuncture and Meridian Studies 2 (3), pp. 171-181. DOI: 10.1016/S2005-2901(09)60052-2.

WEI, G. et al. Can Taichi reshape the brain? A brain morphometry study. 2013. In PloS one 8 (4), pp. e61038. DOI: 10.1371/journal.pone.0061038.

WHO. Mental health action plan 2013-2020. Genebra. 2013 Publications of the World Health Organization. Disponível em . Último acesso maio 2017.

WITTER, G. P. Estresse e desempenho nas matérias básicas. Variáveis relevantes. 1997. In Estud. psicol. (Campinas) 14 (2), pp. 3-10. DOI: 10.1590/S0103-166X1997000200001.

YAN, Z.; et al. Regulation of exercise-induced fiber type transformation, mitochondrial biogenesis, and angiogenesis in skeletal muscle. Em: Journal of Applied Physiology 110 (1), pág. 264–274. 2011. DOI: 10.1152/japplphysiol.00993.2010.

YU, X. et al. Activation of the anterior prefrontal cortex and serotonergic system is associated with improvements in mood and EEG changes induced by Zen meditation practice in novices. Em: International journal of psychophysiology : official journal of the International Organization of Psychophysiology 80 (2), pág. 103–111. 2011. DOI: 10.1016/j.ijpsycho.2011.02.004.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.