Projeto Neurotrauma: Educar para prevenir - o melhor tratamento

Keity Lamary Souza Silva, Samara Maria Neves Barbosa, Sheyla Gabrielle Alves Ferreira, Marielle Martins de Carvalho, Josiane Izomara Souza, Andreia Ferreira Lemes de Morais, Célio Marcos dos Reis Ferreira, Thais Peixoto Gaiad Machado, Ana Paula Santos

Resumo


Introdução: As lesões neurológicas são as principais causas de deficiência. Os neurotraumas: trauma raquimedular (TRM) e traumatismo cranioencefálico (TCE) além de frequentes, causam, muitas vezes, danos neurológicos permanentes e acometem comumente os jovens que têm a sua vida inteiramente modificada. Os neurotraumas impactam a vida não só do indivíduo que sofre o trauma, mas de toda a sua família, além do sistema de saúde e previdenciário, tornando-se um problema de saúde pública. Objetivos: Promover ações educativas relacionadas aos neurotraumas a alunos do ensino médio das escolas públicas de Diamantina – Minas Gerais e conscientizar sobre a seriedade do TRM e TCE estimulando a prevenção. Métodos: Alunos do ensino médio das escolas públicas da cidade de Diamantina – Minas Gerais formaram o público alvo da intervenção deste projeto de extensão. A atividade extensionista iniciou após autorização da equipe escolar. Um questionário sobre o conhecimento e fatores de risco do TRM e TCE foi entregue para os alunos antes da aula expositiva e ilustrativa sobre os neurotraumas. A aula continha assuntos relacionados à anatomia neurológica, etiologia, incidência, fatores de risco, prognóstico, complicações e prevenção dos neurotraumas. Houve um período para debate e dúvidas, e um folder explicativo sobre o assunto foi entregue aos alunos no final da abordagem. Os dados relacionados ao questionário aplicado foram analisados e relatos dos alunos extensionistas e da equipe escolar foram registrados. Resultados: O número total de estudantes abordados nesta intervenção foi de 451, distribuídos entre os três anos do ensino médio, 32% do primeiro ano, 40% e 28% do segundo e terceiro, respectivamente. A média de idade dos estudantes foi de 16 anos e a maioria do gênero feminino (55%). Um número expressivo de alunos não tinha conhecimento sobre o TRM (41%) e TCE (52%) e vários deles apresentavam atitudes de risco para um possível neurotrauma. Conclusão: A melhor conduta para evitar o número crescente e as consequências dos neurotraumas é a prevenção, pois além da autoproteção, evita acidentes a terceiros e trazem benefícios econômicos para toda a sociedade e menos sofrimento para os indivíduos. Houve interação entre a universidade e as escolas o que proporcionou o aumento do aprendizado.

Palavras-chave


Lesões encefálicas traumáticas. Traumatismos da medula espinal. Educação. Prevenção de acidentes.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, A. M. et al. Vítimas de acidentes de moto com traumatismo. Revista de enfermagem UFPE online, Recife, v. 10, n. 5, p. 1730-1738, maio. 2016.

ALMEIDA, C. E. R. et al. Traumatic Brain Injury Epidemiology in Brazil. Word Neurosurgery, Belo Horizonte, outubro. 2015.

ALMEIDA, T. L. T. et al. Traumatismo cranioencefálico: reabilitação. Revista Acta Fisiátrica, São Paulo, v. 19, n.2, p. 130-137, julho. 2012.

BARBOSA, I. L. et al. Fatores desencadeantes ao trauma crânio-encefálico em um hospital de emergência municipal. Revista Baiana de Saúde Pública, Fortaleza, v. 34, n. 2, p. 240-253, abr./jun. 2010.

BRITO, L. M. O. et al. Avaliação epidemiológica dos pacientes vítimas de traumatismo raquimedular. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, São Luís, v. 38, n.5, p. 304-309, novembro. 2011.

CAMPOS, M. F. et al. Epidemiologia do Traumatismo da Coluna Vertebral. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. São Paulo, v. 35, n. 2, p. 88-93, abril. 2008.

CARLINI, E. L. A. et al. VI levantamento nacional sobre consume de drogas psicotrópicas entre estudantes do ensino fundamental e médio das redes pública e privada de ensino nas 27 capitais brasileiras. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.antidrogas.com.br/downloads/vi_levantamento.pdf. Acesso em: 6 maio. 2017.

CEREZETTI, C. R. N. et al. Lesão Medular Traumática e estratégias de enfrentamento: revisão crítica. O mundo da saúde, São Paulo, v. 36, n. 2, p. 318-326, abril. 2012.

CONCEIÇÃO, M. I. G. et al. Avaliação da depressão em pacientes com lesão medular. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, Campinas, v. 12, n. 1, p. 43-59, agosto. 2010.

CONSELHO NACIONAL DE SECRETÁRIOS DE SAÚDE (CONASS). Atenção Primária e Promoção da Saúde. Brasília, 2007. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/colec_progestores_livro8.pdf. Acesso em: 06 maio. 2017.

COURA, A. S. et al. Incapacidade funcional e associações com aspectos sociodemográficos em adultos com lesão medular. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Natal, v.20, n. 1, p. 1-9, fevereiro.2012.

DEFINO, H. L. A. Trauma raquimedular. Medicina, Ribeirão Preto, p. 388-400, dezembro. 1999.

FEIJÓ, R. B.; OLIVEIRA, E. A. Comportamento de risco na adolescência. Jornal de pediatria, Rio grande do sul, v. 77, n. 2. 2001.

FERNANDES, R. N. R. Análise epidemiológica das hospitalizações no sistema único de saúde por traumatismo crânio encefálico Brasil: 2001-2007. 2010. p. 58. Tese (Mestrado em Saúde Coletiva) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2010.

FRANDOLOSO, V.; SILVA, F. T.; MAGNABOSCO, C. D. O impacto de aulas expositivas (ministradas para crianças de 9 a 11 anos) sobre o reconhecimento de situações de risco para ocorrência de TCE. Arquivo Brasileiro de Neurocirurgia, Rio de Janeiro, p. 1-6. 2015.

FRISON, V. B. et al. Estudo do perfil do trauma raquimedular em Porto Alegre. Fisioterapia e Pesquisa, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 165-171. 2013.

FURLAN, J. C. et al. Global Incidence and Prevalence of Traumatic Spinal Cord Injury. Le Journal Canadien des Sciences Neurologiques, Toronto, v. 40, n. 4, p. 456-464, julho. 2013.

HORA, E. C.; SOUSA, M. R. C. Necessidades das famílias após o Trauma Cranioencefálico: dados da realidade Brasileira. Enfermagem em Foco, Bahia, v. 2, n. 3, p. 88-92, abril. 2012.

KHAN, R. L.; LOPES, M. H. I. Mergulho em águas rasas e lesão medular: uma abordagem educativa e preventiva. Scientia Medica, Porto Alegre, v.15, n. 2, junho. 2005.

KLONOFF, P.S.; LAMB, D. G.; HENDERSON, S. W. Outcomes from milieu-based neurorehabilitation at up to 11 years post-discharge. Brain Injury, Arizona, v. 15, n. 5, p. 413-428, agosto. 2001.

LAMONTAGNE, M. E. et al. Effect of rehabilitation length of stay on outcomes in individuals with traumatic brain injury or spinal cord injury: a systematic review protocol. Systematic Review Journal. Canada, v.2, n.59, p. 1-4, junho. 2013.

MALEC, J. F. et al. Outcome evaluation and prediction in a comprehensive-integrated post-acute outpatient brain injury rehabilitation programme. Brain Injury, Minnesota, v. 7, n. 1, p. 15-29, dezembro. 1993.

MANSINI, M. Tratamento da fraturas e luxações da coluna toracolombar por descompressão póstero-lateral e fixação posterior com retângulo e fios segmentares sublaminares associados a enxerto ósseo. 2000. p. 110. Tese (Doutorado em Medicina) – Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2000.

MARQUES, A. C. P. R.; CRUZ, M. S. O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 32-36. 2000.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cadernos de atenção Básica. Saúde na Escola. Brasília, 2009. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad24.pdf. Acesso em: 06 agosto. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de atenção à pessoa com lesão medular. Brasília, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao _pessoa_lesao_medular.pdf. Acesso em: 6 maio. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com traumatismo cranioencefálico. Brasília, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_reabilitacao_pessoa_traumatisco_cranioencefalico.pdf. Acesso em: 6 maio. 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Passo a passo PSE. Programa de Saúde na Escola. Brasília, 2011. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/legislacao/passo_a_passo_pse.pdf. Acesso em: 08 agosto. 2017.

MUNCE, S. E. P. et al. Impact of quality improvement strategies on the quality of life and well-being of individuals with spinal cord injury: a systematic review protocol. Systematic Review Journal, Canada, v.2, n.14, p. 1-5, fevereiro. 2013.

NATIONAL SPINAL CORD INJURY STATISTICAL CENTER (NSCISC).The Spinal Cord Injury Model System (SCIMS). Washington, 2013. Disponível em: https://www.nscisc.uab.edu/Docs/SCI%20Model%20Systems/SCIMS%20PowerPoint%20Presentation.pdf.Acessoem: Acesso em: 6maio. 2017.

POST, M.; NOREAU, L. Quality of Life After Spinal Cord Injury. Journal of Neurological Physical Therapy, Canada, v. 29, n. 3, p. 139-146, outubro. 2005.

RIEDER, M. M. Trauma Raquimedular: Aspectos epidemiológicos, de recuperação funcional e de biologia molecular. 2014. 115 p. Tese (Doutorado em Medicina) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

SCHULTZ, B. A.; BELLAMKONDA, E. Management of Medical Complications During the Rehabilitation of Moderate-Severe Traumatic Brain Injury. Physical Medicine and Rehabilitation Clinics of North America, v. 28, n. 2, p. 259-270. 2017.

SERNA, E. C. H; SOUSA, R. M. C. Mudanças nos papéis sociais: uma conseqüência do trauma crânioencefálico para o cuidador familiar. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 183-189, abril. 2006.

SILVA, C. L. C.; DEFINO, H. L. A. Estudo epidemiológico das fraturas da coluna cervical por mergulho na cidade de Ribeirão Preto – SP. Medicina, Ribeirão Preto, v. 35, p. 41-47, março. 2002.

SISCÃO, M. P. et al. Trauma Raquimedular: Caracterização em um Hospital Público. Revista Arquivos de Ciência da Saúde, São José do Rio Preto, v. 14, n. 3, p. 145-147, setembro. 2007.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEUROCIRURGIA (SBN).Boletim SBN. Dezembro 2005. Disponível em: http://www.sbn.com.br/files/downloads/publicacoes/boletim/boletim_dez05.pdf. Acesso em: 6 maio. 2017.

SOLDERA, M. et al. Uso de drogas psicotrópicas por estudantes: prevalência e fatores sociais associados. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 277-283. 2004.

VASCONCELOS, E. C. L. M.; RIBERTO, M. Caracterização clínica e das situações de fraturada coluna vertebral no município de Ribeirão Preto, propostas para um programa de prevenção do trauma raquimedular. Coluna/Columna, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 40-43, março. 2011.

VENTURINI, D. A.; DECÉSARO, M.N.; MARCON, S.S. Alterações e expectativas vivenciadas pelos indivíduos com lesão raquimedular e suas famílias. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 41, n.4, p. 589-596, novembro, 2007.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.