Vulnerabilidade socioambiental e desenvolvimento motor de lactentes expostos ao HIV

Amanda Moretto Corrêa, Cristina dos Santos Cardoso de Sá

Resumo


Introdução: A transmissão Vertical (TV) é a principal responsável pela infecção de crianças menores de 13 anos pelo HIV, e alguns cuidados devem ser tomados a fim de evitar a transmissão do vírus, como o parto cesariano, o não aleitamento materno, cuidados com o pré-natal e a administração de drogas antirretrovirais pela mãe e lactente. Sabe-se que o HIV tem afinidade pelo sistema imunológico e pelo sistema nervoso central (SNC), podendo causar alterações neurológicas especialmente importantes em crianças. Portanto, considerando a exposição ao vírus, à quantidade de medicação e o tempo prolongado para a negativação do HIV em lactentes é de extrema importância o acompanhamento do desenvolvimento neuromotor desses lactentes, permitindo intervenção diagnóstica e terapêutica quando necessário. O estudo avaliou o desenvolvimento motor de lactentes expostos ao HIV em seu primeiro ano de vida, e identificou os cuidados realizados pelas mães durante o pré-natal e as características do lactente ao nascimento. Métodos: Foram avaliados 13 lactentes filhos de mães soropositivas em acompanhamento no SENIC-Santos nas idades de 4, 8 e 12 meses por meio da Escala Motora Infantil de Alberta (AIMS). Os dados referentes ao pré-natal e dados do nascimento foram obtidos a partir do prontuário dos lactentes ou entrevista com a mãe e/ou responsável. Resultados: Este estudo apresenta suspeita de atraso para o desenvolvimento neuropsicomotor de 30,76% dos lactentes com 4 meses e 15,38% com 8 meses, porém todos foram normalizados. Todos os lactentes receberam ARV e se alimentaram de fórmula láctea. A maioria das mães realizou o pré-natal, profilaxia adequada na gestação e durante o parto, e grande parte realizou cesárea. Conclusão: A qualidade do pré-natal, assim como a profilaxia da mãe e do lactente tem sido corretamente controlada pelo serviço de saúde. Em relação ao desenvolvimento neuropsicomotor menos da metade dos lactentes apresnetaram suspeita de atraso nas idades de 4 e 8 meses, que foi normalizado aos 12 meses de idade. Porém os fatores de risco mais evidentes são correspondentes à vulnerabilidade do contexto socioambiental que influencia no desenvolvimento do lactente.


Palavras-chave


Desenvolvimento Infantil. Vulnerabilidade Social. HIV

Texto completo:

PDF

Referências


KUMAR, V; ABBAS, A. K; FAUSTO, N. (1999). Patologia: Bases Patológicas das Doenças. 7ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 203-280, 2005.

LIMA, M. I; PEREIRA, N. S. S. Conhecimento dos enfermeiros sobre a transmissão vertical do HIV. Revista de Enfermagem UNISA, v. 13, n. 2, p. 7-92, 2012.

Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico: HIV/AIDS. Secretaria de Vigilância da Saúde. Brasília, p. 3-93, 2015.

Boletim Epidemiológico, CRT-PE-DST/AIDS/CVE. Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Ano XXXII, n. 1, período de 1º de Julho de 2014 a 30 de Junho de 2015.

Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2015.

STEFANI, M.; ARAÚJO, B. F.; ROCHA, N. Transmissão Vertical do HIV em População de baixa renda do sul do Brasil. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis. Caxias do Sul, p. 33-39, jun. 2004.

HIV e AIDS no Estado de São Paulo. INFORMATIVO EPIDEMIOLÓGICO DO PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO, 2014. Disponível em: < http://www.saude.sp.gov.br/resources/crt/vig.epidemiologica/boletim-epidemiologico-crt/informativoepidemiologicodoprogramaestadualdedst-aidsdesaopaulo.pdf>. Acesso em: 16 jul. 2015.

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS. Atualização da Epidemia da AIDS. 2009. Disponível em: Acesso em: 23 maio, 2015.

Ministério da Saúde; Secretaria de Vigilância em Saúde; Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antirretroviral em gestantes. Brasília, n. 46, 2010.

LEITE, S. N; VASCONCELOS, M. P. C. Negociando fronteiras entre culturas, doenças e tratamentos no cotidiano familiar. História Ciências da Saúde, v. 13, n. 1, p. 113-128, 2006.

SANTOS, D. C. C. Desenvolvimento Motor durante o Primeiro Ano de Vida: uma Comparação entre um grupo de lactentes Brasileiros e Americanos. Faculdade de Ciências Médicas. Campinas, SP: [s.n.], 2001.

RAMOS, A. D; MORAIS, R. L. S. Vigilância do Desenvolvimento Neuropsicomotor de Crianças de um Programa DST/AIDS. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 371-6, 2011.

PHAROAH, R et al. A Generation at Risk? HIV/AIDS, vulnerable children and security in Southern Africa. Institute for Security Studies Monographs, n. 109, p. 122, 2004. Disponível em: Acesso em: 16 jul. 2015.

PREUSSLER, G. M. I. EIDT, O. R. Vivenciando as adversidades do binômio gestação e HIV/AIDS. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 28, n. 1, p.117-125, out. 2006.

SÁ, C. S. C.; LIMA, F. C. N.; CARVALHO, R. P. Acompanhamento do desenvolvimento neuromotor de crianças expostas ao HIV. Temas sobre desenvolvimento, v. 20, n. 108, p. 8-12, 2014.

Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.

SILVA, D, I. VERRÍSSIMO, M, L, R.; MAZZA, V, A. Vulnerabilidade no desenvolvimento infantil: influência das Políticas Públicas e Programa de Saúde. Journal of Human Growth and Development, v. 25, n. 1, p. 11-18, 2015.

SILVA, D. I; MAFTUM, M. A; MAZZA, V. A. Vulnerabilidade no desenvolvimento da criança: influência dos elos familiares fracos, dependência química e violência doméstica. Florianópolis, v. 23, n. 4, p. 1087-94, 2014.

BRITO, C. M. L; VIEIRA, G. O; COSTA, M. C. O; OLIVEIRA, N. F. Desenvolvimento neuropsicomotor: o teste de Denver na triagem dos atrasos cognitivos e neuromotores de pré-escolares. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 27 n. 7, p.1403-1414, 2011.

FLEHMIG, I. Atlas do desenvolvimento motor normal e seus desvios no lactente: diagnóstico e tratamento precoce do nascimento até 18° mês. 1ª ed.São Paulo: Atheneu, 2005.

VALENTINI, N, C.; SACCANI, R. Brazilian Validation of the Alberta Infant Motor Scale. PhysTher. 2012: 92:440–447.

Piper MC, et al. Construction and validation of the Alberta Infant Motor Scale (AIMS). Can J Public Health. 1992: 83 (2): 46-50.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Recomendações para Profilaxia da Tansmissão Vertical do HIV e terapia Anti-retroviral em Gestantes. Brasília, 2010.

Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.

JELSMA, J.; DAVIDS, N.; FERGUSON, G. The motor development of orphaned children with and without HIV: pilot exploration of foster care and residential placement. BMC Pediatrics, v. 11, n. 11, p. 1-7, 2011.

ROCHA, C. et.al. Manifestações Neurológicas em Crianças e Adolescentes infectados e expostos ao HIV-1. ArqNeuropsiquiatr, v. 63, n. 3-B, p.828-831, 2005.

TORRES, S. R.; LUZ, A. M. H. Gestantes HIV+ e Crianças expostas: estudo epidemiológico da notificação compulsória. Rev Gaúcha Enferm, v. 28, n. 4, p. 505-11, Porto Alegre (RS) 2007.

MORAIS, M. T. M.; SILVA, I. M. TRANSMISSÃO VERTICAL DE HIV: ESTUDO REALIZADO EM UM MUNICÍPIO DO SUDOESTE BAIANO. Rev. Saúde, v. 10, n. 1, p. 269-278, 2014.

SOUZA, C. P., et.al. Incidência de transmissão vertical do hiv entre gestantes soropositivas cadastradas em um serviço de referência regional. J. res.: fundam. care. Online, v. 8, n. 2, p. 4526-4537, 2016.

PRANZL, M. A.; OLIVEIRA, N. R. F. O USO DE FÓRMULAS LÁCTEAS E O PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS ATENDIDAS POR UM PROGRAMA MUNICIPAL DE COMBATE ÀS CARÊNCIAS NUTRICIONAIS. Ciências da Saúde, v. 14, n. 2, p. 255-264, Santa Maria, 2013.

AIRES, A. P. P.; WUNSCH, D. S.; BOSA, V. L. A. Implementação do programa de distribuição de fórmula infantil para crianças nascidas de mães HIV positivas no Município de Porto Alegre/RS. Revista da AMRIGS, v. 59, n. 3, p. 160-168, Porto Alegre, jul.-set. 2015.

PEREIRA, K. R. G.; SACCANI, R.; VALENTINI, N. C. Cognição e ambiente são preditores do desenvolvimento motor de bebês ao longo do tempo. Fisioter. Pesq., v. 23, n. 1, p. 59-67, 2016.

FERNANDES, H. D., et. al. GESTANTES SOROPOSITIVAS PARA O HIV EM MUNICÍPO DA AMAZÔNIA BRASILEIRA. Revista Paraense de Medicina, v. 28, n. 4, outubro-dezembro 2014.

BARCELLOS, et. al. Vigilância da transmissão vertical do HIV: indicadores socioeconômicos e de cobertura de atenção à saúde. Rev Saúde Pública, v. 43, n. 6, p. 1006-13, 2009.

RAMOS, A. D.; MORAIS, R. L. S. Vigilância do desenvolvimento neuropsicomotor de crianças de um programa DST/AIDS. Fisioterapia e Pesquisa, v.18, n.4, p. 371-6, São Paulo, out/dez. 2011.

COSTA, et. al. Associação entre a Pobreza familiarizada e o Desenvolvimento neuropsicomotor de Crianças nos distritos Administrativos de Belém. Fisioterapia em Movimento, v. 29, n. 3, p. 533-542, Curitiba, 2016.

SILVA, A. C. D.; ENGSTRON, E. M.; MIRANDA, C. T. Fatores associados ao desenvolvimento neuropsicomotor em crianças de 6-18 meses de vida inseridas em creches públicas do Município de João Pessoa, Paraíba, Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 31, n. 9, p. 1881-1893, Rio de Janeiro, set, 2015.

NAKATA, et. al. Classificação de risco familiar em uma Unidade de Saúde da Família. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 21, n. 5, Porto Alegre, 2013.

FREITAS, J. G.; BARROSO, L. M. M.; GALVÃO, M. T. G. Capacidade de mães para cuidar de crianças expostas ao HIV. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 21, n. 4, Fortaleza, 2013.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.