Outubro Rosa na extensão universitária: o impacto de um projeto

Melissa Alves Baffi-Bonvino, Natália Freitas de Andrade

Resumo


Este artigo é resultado de um projeto de extensão, intitulado “O Outubro Rosa na UNESP: o IBILCE e a comunidade unidos pela conscientização sobre o câncer de mama”, que tem por foco principal esclarecer e informar sobre as principais questões que envolvem o tema. Baseado no movimento mundial criado nos Estados Unidos em 1997, o projeto tem sido realizado no âmbito da universidade, com o objetivo de chamar a atenção da comunidade interna e externa, destacando a importância da prevenção desse tipo de câncer, mediante atitudes e hábitos voltados à saúde da mulher, com ênfase na questão da importância do diagnóstico precoce. Diversos aspectos que permeiam a saúde e o bem-estar da mulher, a área da oncologia relacionada à prevenção, diagnóstico e tratamento foram abordados por meio de ações diversas que envolveram a orientação e a troca de conhecimentos entre acadêmicos, alunos e servidores de diferentes áreas e departamentos da universidade, objetivando a socialização de saberes a respeito de uma doença que acomete milhares de mulheres todos os anos, em todas as esferas. Desse modo, essas ações foram estendidas à comunidade externa, alcançando familiares e pessoas relacionadas à comunidade interna da universidade em um movimento que aliou a disseminação de informações sobre o tema e ações beneficentes. De natureza qualitativa, por envolver experiências, interações e explicações, realizou-se também uma pesquisa quantitativa a fim de mensurar a eficiência da campanha com relação a seu público alvo. A partir da análise dos resultados, foi possível observar um desconhecimento substancial sobre o tema e reitera-se a importância de ações como as realizadas pelo projeto, para a conscientização da comunidade interna e externa a respeito da importância da prevenção e detecção precoce do câncer de mama. 


Palavras-chave


Câncer de mama. Outubro Rosa. Prevenção. Extensão universitária. Ações de extensão.

Texto completo:

PDF

Referências


BEDIM, J. G. L. Metodologias participativas na extensão universitária: instrumentos de transformação social. Revista Agenda Social. Vol 6, n 1, 2012. Disponível em http://www.revistaagendasocial.com.br/index.php/agendasocial/article/view/13. Acessado em fevereiro de 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde, Instituto Nacional de Câncer. Câncer no Brasil Dados dos Registros de Câncer de Base Populacional. 2010. Disponível em: http://www.inca.gov.br/cancernobrasil/2010. Acessado em dezembro de 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis. 2014. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/671-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/doencas-cronicas-nao-transmissiveis/14125-vigilancia-das-doencas-cronicas-nao-transmissiveis. Acessado em janeiro de 2017.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRAS (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Porto Alegre: UFRGS, 2012.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS INSITUIÇÕES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRAS (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Recife: Editora Universitária UFPE/PE, 2013.

Instituto Nacional do Câncer (INCA). Estimativa 2016 – Incidência de Câncer no Brasil. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016/estimativa-2016-v11.pdf. 2016. Acessado em 2016.

Instituto Nacional do Câncer (INCA). ABC do Câncer – Abordagens Básicas para o Controle do Câncer. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abc_do_cancer.pdf. Rio de Janeiro. 2011. Acessado em 2016.

PERES, V. C. Mulheres com câncer de mama: aspectos relacionados a recidiva e sobrevida. 2014. 89 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

ROCHA, L. A. C. Projetos Interdisciplinares de Extensão Universitária: ações transformadoras. 2007. 84 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Semiótica, Tecnologias de Informação e Educação. Universidade de Braz Cubas, Mogi das Cruzes, 2007.

SCHMIDT, M.I., DUNCAN, B.B., STEVENS, A., et al. Doenças Crônicas não transmissíveis no Brasil: mortalidade, morbidade e fatores de risco. In: Ministério da Saúde Departamento de Análise de Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde, ed. Saúde Brasil 2009. In: Uma análise da situação de saúde e da Agenda Nacional e Internacional de Prioridades em Saúde. Brasília: 2010.

SCHMIDT, M. I. O enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis: um desafio para a sociedade brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde v.20 n.4 Brasília dez. 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742011000400001. Acessado em agosto de 2014, 2015 e 2016.

SILVA, E. A. As metodologias qualitativas de investigação nas Ciências Sociais. Revista Angolana de Sociologia, 12. 2013. Disponível em: https://ras.revues.org/740#tocto1n2. Acessado em: fevereiro de 2017. doi: 10.4000/ras.740

SILVA, R. C. Metodologias Participativas para Trabalhos de Promoção de Saúde e Cidadania. São Paulo: Vetor, 2002

WHO. World Health Survey Results 2010. Disponível em http://www.who.int/healthinfo/survey/whsresults/en/index.html. Acessado em dezembro de 2014.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.