Perfil nutricional de pessoas com deficiência e a alta prevalência de obesidade em Síndrome de Down e na população feminina

Renata Maria Galvão de Campos Cintra, Karina Fernandes Camargo

Resumo


A atenção à saúde deve incluir o cuidado global com a nutrição e alimentação da população, incluindo grupos populacionais que apresentem deficiências. A atuação multidisciplinar é essencial para a melhora da qualidade de vida, e a atuação dos profissionais de saúde deve basear-se no reconhecimento das características da população alvo. Pessoas com deficiência podem estar sujeitas a alterações metabólicas, a limitações no ato de alimentar-se, a interações  e efeitos de medicamentos e a fatores que interferem em seu estado nutricional. A avaliação do estado nutricional visa ao diagnóstico da população a fim de traçar estratégias de tratamento ou prevenção de agravos à saúde vinculados à nutrição e à alimentação. O presente estudo teve como objetivo conhecer, por meio de medidas antropométricas, o estado nutricional de população atendida em escola para pessoas com deficiência, sendo a etapa inicial para a realização de intervenções de educação e atenção nutricional a essa população. Material e métodos: avaliaram-se os alunos de uma instituição de ensino para pessoas com deficiência situada em cidade de porte médio no interior do estado de São Paulo. Crianças, adolescentes e adultos (7-49 anos) portadores de diferentes deficiências foram avaliados quanto ao Índice de Massa Corporal (IMC) e área de gordura do braço (AGB). A avaliação do IMC dos adultos e do peso para idade para crianças e adolescentes foi realizada segundo OMS e NCHS, respectivamente. Para portadores de síndrome de Down (SD) até 18 anos, empregou-se a curva de crescimento de Cronk. Resultados: foram realizadas avaliações em 111 pessoas com deficiência, de ambos sexos e entre 7 e 59 anos de idade.  A maioria dessas pessoas (53%) foi de adultos e do sexo feminino (64%), e 11% apresentam SD. De acordo com dados antropométricos, 74% apresentam algum problema nutricional, destacando-se a desnutrição (26%) e a obesidade (20,7%). A comparação do estado nutricional entre portadores ou não de SD, apontou para a alta prevalência de obesidade, enquanto a desnutrição atinge os não portadores. A prevalência de excesso de peso também é maior entre as mulheres, observação mais evidente quando na situação de SD. A massa de gordura no braço também foi maior na SD. Conclusão: O quadro nutricional entre pessoas com deficiência, a partir dos dados da entidade de ensino, é preocupante pois há alta prevalência de situações extremas, como o baixo peso e o excesso de peso. Em pessoas portadoras da SD, a obesidade é o estado nutricional prevalente, e é ainda mais evidente entre as mulheres com SD. O estudo permitiu obter dados para reconhecimento da população e suas características nutricionais. A fim de melhorara saúde e a qualidade de vida das pessoas, são necessárias ações, como o cuidado integral da pessoa, por exemplo, que reduzam o peso excessivo e a desnutrição. Os dados do perfil nutricional são essenciais para a realização de atividades de uma intervenção, com estratégias adequadas a população alvo, para prevenção ou tratamento dos distúrbios nutricionais.

Palavras-chave


Estado nutricional. Obesidade. Desnutrição. Portadores de deficiência. Síndrome de Down

Texto completo:

PDF

Referências


ANSELMO, M. A. C.; BURINI, R. C. Antropometria: Aspectos Históricos e Visão Crítica. Cadernos de Nutrição. (SBAN) São Paulo, n. 3, p. 11-25, 1991.

Bonchoski, P.A.; Gorla, J.I.; Araújo, P.F. Estudo antropométrico em portadores da Síndrome de Down. Disponible em: http://www.efdeportes.com/efd70/down.htm http://www.efdeportes.com/ Revista Digital - Buenos Aires - Año 10 - N° 70 - Marzo de 2004.

COOLEY, W.C.; GRAHAM, J.M. Down syndrome: An update and review for the primary pediatriacian. Clin Pediat. v.30, p.233-53, 1991.

CRONK C.; CROCKER, A.C.; PUESCHEL, S.M.; SHEA, A.M.; ZACKAI, E.; PICKENS, G.; Growth tables for children with Down syndrome: 1 month to 18 years of age. Pediatrics. v.81, n.1, p.102-10, 1988.

CUPPARI, L. Guia de nutrição: nutrição clínica no adulto. Ed. Manole, Barueri-SP, 2002. Cap. 5, 71 p.

FRISANCHO, A. R. Antropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. University of Michigan, 1990, 189 p.

GALLAGHER, D.; HEYMSFIELD, S.B.; HEO, M.; JEBB, S.A.; MURGATROYD, P.R.; SAKAMOTO, Y. Healthy percentage body fat ranges: An approach for developing guidelines based on body mass index. American J. Clinical Nutrition. v.72, n.3, p. 694–701, 2000.

GIARETTA A, GHIORZI AR. O ato de comer e as pes¬soas com Síndrome de Down. Rev Bras Enferm. v.62, n.3, p.480-484, 2009.

GONÇALVES, G.F. Avaliação nutricional dos alunos da APAE de Vila Velha, com Síndrome de Down, paralisia cerebral e/ou autismo. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Católica Salesiana - Vitória - Espírito Santo, 2003, p.64.

OLIVEIRA, A.T.A.; LONGUI, C.A.; CALLIARI, L.E.P.; FERONE, E.A.; KAWAGUTI, F.S.; MONTE, O. Avaliação do eixo hipotalâmico-hipofisário-tireoidiano em crianças com síndrome de Down. J Pediatr.v.78, p.295-300, 2002.

PESQUISA DE ORÇAMENTOS FAMILIARES 2002-2003 Análise da Disponibilidade Domiciliar de Alimentos e do Estado Nutricional no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2004. 80 p. Disponível em:

http://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=287972 . Acesso em: dez, 15, 2016.

PÉREZ, E.P.; BARÓ, E.G.; FRANCO, A.M.D. Estrategia educativa para el control y prevención del maltrato infantil dirigida a padres de niños con síndrome de Down. Revista Cubana de Pediatría v.83, n.1, p.22-33, 2011.

LOHMAN, T. G.; ROCHE, A. F.; MARTORELL, R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics, 1988.

LOPES, T.S.; FERREIRA, D.M.; PEREIRA, R.A.; DA VEIGA, G.V.; DE MARINS, V.M. Comparação entre distribuições de referência para a classificação do estado nutricional de crianças e adolescentes com síndrome de Down Assessment of anthropometric indexes of children and adolescents with Down syndrome. J. Pediatr. (Rio J) v.84, n4, p.350-356, 2008.

MUSTACCHI, Z.; ROZONE, G. Síndrome de Down: aspectos clínicos e odontológicos. São Paulo, 1990. 248 p.

MOREIRA, L.M.A.; EL-HANI, C.N.; Gusmão, F. A síndrome de Down e sua patogênese: considerações sobre o determinismo genético. Rev Bras Psiquiatr. v.22, n.2, p.96-99, 2000.

NATIONAL CENTER FOR HEALTH STATISTICS (NCHS). NCHS growth curves for children birth-18 years, United States.Washington DC: US Department of Health Education and Welfare; 1977.

NUNES, L. R. O. P.; FERREIRA, J. R. Deficiência Mental: O Que as Pesquisas Brasileiras tem Revelado. Tendências e Desafios da Educação Especial. Brasília: SEESP, 1994, p. 51-81.

PRASHER, V.P. Overwheight and obesity amongst Down's syndrome adults. J. Intellectual Disability Research, v.39, n.5, 437-441, 1995

RIBEIRO, L.M.A.;JACOB, C.M.A.; PASTORINO, A.C.;KIM, C.A.E.; FOMIM, A.B.F.; CASTRO, A.P.B.M. Avaliação dos fatores associados a infecções recorrentes e/ou graves em pacientes com síndrome de Down. J Pediatr. v.79, n.2, p.141-148, 2003.

ROIESKI, I.M. Uma avaliação do perfil nutricional de adolescentes com Síndrome de Down para um eficiente aconselhamento dietético. Ulbra e Movimento (REFUM), J i -Paraná, v.2, n.1, p.75-85, 2011.

RODRIGUES, B.S.; PELLANDA, L.C.; GOTTSCHALL, C.B.A. Evaluación nutricional de niños y adolescentes con síndrome de down y cardiopatía congénita. Nutritional assessment of children and teenagers with down syndrome and congenital cardiopathy Rev Chil Nutr v. 39, n.2, p.151-158, 2012.

SIGULEM, D.M.; DEVINCENZI, M.U.; LESSA, A.C. Artigo de revisão: Diagnóstico do estado nutricional da criança e do adolescente. Sociedade Brasileira de Pediatria. Jornal de Pediatria, 2000.

SARNI, .RO.; MUNEKATA, R.V. Terapia nutricional na desnutrição energético-proteíca grave. In: Lopez FA, Sigulem DM, Taddei JA, editores. Fundamentos da terapia nutricional em pediatria. São Paulo: Sarvier; 2002. p. 115-32.

SILVA, D.L.; SANTOS,J.A.R.; MARTINS, C.F. Avaliação da Composição Corporal em Adultos com Síndrome de Down Arquivos de Medicina, Porto, PT v. 20, n.4, p.103-110, 2006. ISSN 0871-3413 • ArquiMed, 2006.

SILVA, N.M.; GOMES FILHO, A.; SILVA, S.F.; FERNANDES FILHO, J. Indicadores antropométricos de obesidade em portadores da síndrome de Down entre 15 e 44 anos. Rev. Bras. Educ. Fís. Esporte, v.23, n.4, p.415-24, 2009.

SMITH, B.A.; KUBO, M.; BLACK, D.P.; HOLT, K.G.; ULRICH, B.D. Effect of Pratice on a Novel Task – Walking on a Treadmill: Preadolescents with and without Down Syndrome. Am. Physical Therapy Assoc.v.87, p.766-77, 2007.

VIS, J.C.; DUFFELS, M. G. J.; WINTER, M. M.; WEIJERMAN, M. E.; COBBEN, J. M.; HUISMAN, S. A; MULDER, B. J. M. Down syndrome: a cardiovascular perspective. Journal of Intellectual Disability Research v.53, n. 5, p. 419–425, 2009. doi: 10.1111/j.1365-2788.2009.01158.x

WEIJERMAN, M.E.; VAN FURTH, A.M.; VAN DER MOOREN, M.D.; VAN WEISSENBRUCH, M.M.; RAMMELOO, L.; BROERS, C.J.M.; GEMKE, R.J.B.J. Prevalence of congenital heart defects and persistent pulmonary hypertension of the neonate with Down syndrome. Eur J Pediatr v.169, p.1195–1199, 2010.

WHO (World Health Organization). Physical status: the use and interpretation of antropometry: report of a WHO Expert Committee. Geneva: The Organization, 1995. WHO Technical Report Series n. 854. Geneva: WHO; 1995

WHO (World Health Organization). Obesity: Preventing and managing the global epidemic. Geneva, 1997.

WHO (World Health Organization). Global health risks: mortality and burden of disease attributable to selected major risks. Geneva: World Health Organization, 2009.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.