Laboratório de Estatística Aplicada: a estatística integrada à sociedade

Cesar Augusto Taconeli, Angelo da Silva Cabral

Resumo


O Laboratório de Estatística Aplicada (LEA) é um Projeto de Extensão do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Paraná que se originou da elevada demanda por assessoria estatística da comunidade de pesquisadores da UFPR e demais instituições de ensino e pesquisa de Curitiba e de outras cidades. Ao longo de aproximadamente cinco anos e nove meses de atuação, o LEA contou com a participação de oito professores e mais de 50 alunos, realizando 300 atendimentos, direcionados a pesquisadores de diversas áreas. O presente trabalho apresenta um relato quantitativo e qualitativo das ações executadas pelo LEA, destacando aspectos fundamentais da extensão universitária, como o impacto gerado para a sociedade, tanto pela produção de pesquisas com resultados de melhor qualidade, e pela formação dos estudantes, constatada na experiência única pela prática de assessorias estatísticas nos contextos mais diversos, quanto pela interdisciplinaridade, marcada pela variedade de áreas da Ciência associadas aos problemas cuja solução foi confiada ao projeto. Indicadores de avaliação do projeto apresentados pelo público-alvo indicaram percentual superior a 90% de satisfação no que se refere a todos os critérios considerados, como o encaminhamento sugerido e o resultado final do atendimento. Por fim, com base nas experiências adquiridas, apresenta-se a recomendação de propostas similares em outras universidades alertando-se, no entanto, para um conjunto de dificuldades que foram encontradas.

 

Palavras-chave


Estatística aplicada. Assessoria. Pesquisa científica.

Texto completo:

PDF

Referências


ALTMAN, D. G. Statistical reviewing for medical journals. Statistics in medicine, v. 17, n. 23, p. 2661-2674, 1998.

CHATFIELD, C. et al. Avoiding statistical pitfalls. Statistical Science, v. 6, n. 3, p. 240-252, 1991.

GARDNER, M. J. et al. Is the statistical assessment of papers submitted to the" British Medical Journal" effective?. British Medical Journal (Clinical Research Ed), London, v. 286, n. 6376, p. 1485-1488, 1983.

KING, G.; TOMZ, M.; WITTENBERG, J. Making the most of statistical analyses: improving interpretation and presentation. American Journal of Political Science, v. 44, n. 2, p. 347-361, Apr. 2000.

LANG, T. Twenty statistical errors even you can find in biomedical research articles. Croatian Medical Journal, Zagreb, v. 45, n. 4, p. 361-370, 2004.

LEEK, J. T.; PENG, R. D. Statistics: P values are just the tip of the iceberg. Nature, London, v. 520, n. 7549, p. 612, apr. 2015.

SIQUEIRA, M. D. Universidade Federal do Paraná: 100 anos. Curitiba: UFPR, 2012.

STRASAK, A. M. Statistical errors in medical research: a review of common pitfalls. Swiss Medical Weekly, Basel, v. 137, n. 3-4, p. 44-49, Jan. 2007.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.