Ações de extensão para a promoção do parto humanizado: capacitando agentes comunitários de saúde

Mariana Pompeu Sodré, Rita de Cássia Rocha Moreira, Thamiles Sena da Silva, Rosana Oliveira de Melo

Resumo


 

A educação em saúde é uma estratégia utilizada no cotidiano de trabalho do Agente Comunitário de Saúde, na construção e fortalecimento do saber social e em saúde na comunidade, podendo ser utilizada também no incentivo à adesão de práticas humanizadas à mulher no processo parturitivo. O objetivo desse trabalho é relatar a experiência de integrantes do Núcleo de Extensão e Pesquisa em Saúde da Mulher da Universidade Estadual de Feira de Santana na realização da I Capacitação sobre o Parto Humanizado para Agentes Comunitários de Saúde, com ênfase no papel das ações extensionistas na promoção do parto humanizado. Essa atividade integra a execução do projeto de extensão “Serviço de Pré-natal de Baixo Risco: humanizando a assistência à mulher no ciclo gravídico-puerperal” aprovado pela resolução CONSEPE 93/2002. A capacitação foi executada no Centro Social Urbano no município de Feira de Santana- BA. Teve como público alvo os Agentes Comunitários de Saúde vinculados à Unidade Básica de Saúde do referido centro. Para realizar a capacitação, foram efetivadas sessões científicas e administrativas para o planejamento, execução e avaliação da proposta, com a delimitação dos temas de relevância, a partir da demanda da comunidade assistida com a participação da enfermeira da unidade. As técnicas utilizadas na capacitação foram a exposição dialogada e roda de conversa. Ao final da capacitação, os agentes comunitários de saúde relataram a importância do tema para o seu cotidiano profissional no acompanhamento às gestantes, ao mesmo tempo que os integrantes do núcleo perceberam o impacto positivo das ações de extensão como mais uma estratégia de estreitamento entre as diversas instituições. Em especial, observou-se a possibilidade do fortalecimento da defesa pela humanização do parto, por meio da sensibilização para a propagação do conhecimento acerca de práticas humanizadas na assistência à mulher no momento do parto. Nessa perspectiva, se concebe a relevância social da ação dos Agentes Comunitários de Saúde na formação do saber da comunidade a partir da interação direta nas ações de educação em saúde. Desta forma, considera-se que as atividades extensionistas são de extrema importância tanto para a comunidade como para a academia, por permitir vislumbrar a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, aproximando a vivência acadêmica ao dia-a-dia da comunidade, de forma a proporcionar uma relação de troca de saberes em especial sobre a saúde da mulher.

 

Palavras-chave


Extensão universitária. Parto humanizado. Capacitação profissional. Agentes comunitários de saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, T. L. A.; GOMES, L. M. X.; DIAS, O. V. O pré-natal realizado pelo enfermeiro: a satisfação das gestantes. Cogitare Enfermagem, Curitiba, v. 16, n. 1, p. 29-35, jan./ mar. 2011. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticos de Saúde. Área Técnica de Saúde da Mulher. Parto, aborto e puerpério: assistência humanizada à mulher. Brasília, 2001.

______.Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Programa de Humanização do Parto: humanização do Pré-Natal e Nascimento. Brasília, 2002.

______. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial da União, Brasília, 8 abr. 2005. Seção 1, p. 1.. Disponível em: . Acesso em: 6 mar. 2016.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação em Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde Brasília: Ministério da Saúde, 2009a.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009b.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Área Técnica de Saúde da Mulher. Gravidez, parto e nascimento com saúde, qualidade de vida e bem-estar. Brasília, 2013.

COSTA, R. F.; PROGIANTI, J. M. Práticas educativas desenvolvidas por enfermeiras: repercussões sobre vivências de mulheres na gestação e no parto. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 65, n. 2, p. 257-263, mar./ abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

DIVINO, A. E. A. et al. A extensão universitária quebrando barreiras. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais, Aracaju, v. 1. n. 16. p. 135-140, mar. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

FERNANDES, K. J. S. S. et al. Relato de experiência: vivências de extensão na comunidade. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 97-104, 2016. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

FIGUEIREDO, N. S. V. et al. Fatores culturais determinantes da escolha da via de parto por gestantes. HU Revista, Juiz de Fora, v. 36, n. 4, p. 296-306, out. /dez. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

IORRA, M. R. K. et al. Aspectos relacionados à preferência pela via de parto em um hospital universitário. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v. 55, n. 3, p. 260-268, jul. /set. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.

KOETTKER, J. G. et al. Resultado de partos domiciliares planejados atendidos por enfermeiras de 2005 a 2009 em Florianópolis, SC. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 46, n. 4, p. 747-750, 2012. Disponível em: Acesso em: 15 maio 2016.

LEAL, M. C.; GAMA, S. G. N. Nascer no Brasil: Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento.. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, p. S5, 2014. Suplemento 1. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2016.

LEAL, M. C. et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, p. S17-S47, 2014. Suplemento 1. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2016.

MACEDO, J. G.; ARRAES, R. Autonomia da gestante na escolha de parto na realidade da prestação de assistência médico-hospitalar brasileira. In: JORNADA DE SOCIOLOGIA DA SAÚDE, 7., 2013. Curitiba. Anais eletrônicos... Curitiba: Universidade Federal do Paraná, 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

MAFETONI, R. R.; SHIMO, A. K. K. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: revisão integrativa. REME: Revista Mineira de Enfermagem, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, p. 505-512, abr./jun. 2014. Disponível em: Acesso em: 20 maio 2016.

NAGAHAMA, E. E. I.; SANTIAGO, S. M. Parto humanizado e tipo de parto: avaliação da assistência oferecida pelo Sistema Único de Saúde em uma cidade do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, Recife, v. 11, n. 4, p. 415-425, out./dez. 2011. Disponível em: Acesso em: 20 maio 2016.

OLIVEIRA, F.; GOULART, P. M. Fases e faces da extensão universitária: rotas e concepções. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 8-27, 2015. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.

PORTO, A. M. F.; AMORIM, M. M. R.; SOUZA, A. S. R. Assistência ao primeiro período do trabalho de parto baseada em evidências. Femina, Rio de Janeiro, v. 38, n. 10, p. 527-537, out. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.