Práticas educacionais: diferentes abordagens no ensino de histologia

Luís Paulo Sant'ana, Cristiane Tolentino Machado, Conceição Aparecida dos Santos, Robson Campos Silva

Resumo


Alguns temas previstos para abordagem nas aulas de Ciências e Biologia trazem consigo aspectos que dificultam um melhor entendimento do aluno, principalmente aqueles que possuem um caráter mais abstrato e que na maioria das vezes não se observa uma clara contextualização com a vida prática. Além disso, temas da Biologia atual, como os de essência microscópica, são muitas vezes contemplados nas escolas de ensino público sem o auxílio de uma infraestrutura adequada para seu entendimento. Neste contexto, o presente trabalho relata as percepções dos estudantes durante a realização das atividades, como oficinas, dinâmicas educativas e jogos didáticos relacionados ao ensino de Histologia, em escolas do município de Diamantina e região. No decorrer dos anos de 2012 a 2015 foram atendidas nove escolas e 921 alunos foram contemplados com as atividades. As reações e percepções dos alunos sobre as atividades foram avaliadas por um questionário. Os resultados demonstram uma posição favorável dos alunos frente às atividades realizadas. Acredita-se, portanto que o trabalho tenha contribuído para a divulgação da histologia em escolas públicas e que ao mesmo tempo tenha propiciado uma vivência do espaço escolar para os alunos de graduação envolvidos.

 

Palavras-chave


Ensino de Ciências. Extensão universitária. Modelos didáticos.

Texto completo:

PDF

Referências


ADLER, M. J. The Paideia proposal: an education manifesto. New York: Macmillan, 1982.

AMADO, J. Manual de investigação qualitativa em educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2014.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, 2012.

BUDHAI, S. S.; SKIPWITH, K. B. Best practices in engaging online learners through active and experiential learning strategies. New York: Taylor & Francis, 2016.

CAMPOS, L. M. L.; BORTOLOTO, T. M.; FELÍCIO, A. K. C. A produção de jogos didáticos para o ensino de ciências e biologia: uma proposta para favorecer a aprendizagem. Cadernos dos Núcleos de Ensino, São Paulo, p. 47-60, 2003. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2016.

CHICKERING, A. W.; GAMSON, Z. F. Seven principles for good practice in undergraduate education. AAHE Bulletin, Grandview, v. 39, n. 7, p. 3-7, 1987.

COUTINHO, C. P. Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas: teoria e prática. Coimbra: Almedina, 2013.

CROSS, P. Teaching for learning. AAHE Bulletin, Grandview, v. 39, n. 8, p. 3-7, 1987.

CRUZ, T. F. A. et al. Aprender Ciências é divertido: contribuição de uma atividade de extensão. Revista Ciência em Extensão. São Paulo, v. 12, n. 4, p. 141-149, 2016.

DUSO, L. O uso de modelos no ensino de biologia. ENCONTRO DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO, 16., 2012, Campinas. Anais..., Campinas:Universidade Estadual de Campinas, 2012. p. 432-441.

EISON, J. Using active learning instructional strategies to create excitement and enhance learning. University of South Florida, 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2016.

FELDER, R. M.; BRENT, R. Active learning: an introduction. ASQ Higher Education Brief, Milwaukee v. 2, p. 1-5, 2009.

GOTTARDO, L. et al. .Observação de células em microscópio: identificando as diferentes formas celulares. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA, 3., 2015, Santo Ângelo, RS. Anais... Santo Ângelo: Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, 2015.

HEPPNER, F. Teaching the large college class: a guidebook for instructors with multitudes. San Francisco: Jossey-Bass, 2007.

JANN, P. N.; LEITE, M. F. Jogo do DNA: um instrumento pedagógico para o ensino de Ciências e Biologia. Ciências e Cognição, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 282-293, 2010.

LIMA FILHO, F. S. et al. A importância do uso de recursos didáticos alternativos no Ensino de Química: uma abordagem sobre novas metodologias. Revista Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 7, n. 12, p. 166-173, 2011.

MELLO, M. L.; RODRIGUES, C. V. A prática no ensino de Genética e Biologia Molecular: desenvolvimento de recursos didáticos para o ensino médio. Belo Horizonte: PUCMINAS, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2016.

MEYERS, C.; JONES, T. B. Promoting active learning: strategies for the college classrooms. San Francisco: Jossey- Bass, 1993.

MIRANDA, V. B. S.; LEDA, L. R.; PEIXOTO, G. F. A importância da atividade prática no ensino de biologia. Revista de Educação em Ciências e Matemática, Duque de Caxias, v. 3, n. 2, p. 85-101, 2013. Disponivel em: . Acesso em: 10 fev. 2015.

OLIVEIRA, M. I. B. et al. Uma proposta didática para iniciar o ensino de Histologia na educação básica. Revista Ciência Extensão, São Paulo,. v. 12, n. 4, p. 71-82, 2016.

ORLANDO, T. C. et. al. Planejamento, montagem e aplicação de modelos didáticos para abordagem de Biologia Celular e Molecular no Ensino Médio por graduandos de Ciências Biológicas. Revista Brasileira de Ensino de Bioquímica, São Paulo, n. 1, p. A1-A17, 2009.

PRINCE, M. J. Does active learning work? a review of the research. Journal of Engineer Education, Washington, v. 93, n. 3, p. 223-231, 2004.

SILVA JÚNIOR, A. N.; BARBOSA, J. R. A. Repensando o ensino de ciências e biologia na educação básica: o caminho para construção do conhecimento cientifico e biotecnológico. Democratizar, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 1-15, jan./abr., 2008.

SILVA, T. D. S.; REIS, M. R.; SPOSITO, N. E. Os cinco sentidos humanos em uma abordagem interdisciplinar. Em Extensão, Uberlândia, v. 10, n. 2, p. 113-120, 2011.

SPIEGEL, C. N. et al. Discovering the cell: an educational game about cell and molecular biology. Journal of Biological Education, New York, v. 43, n. 1, p. 27-36, 2008.

STANLEY, C. A.; PORTER, M. E. Engaging large classes: strategies and techniques for college faculty. Bolton, MA: Anker Publishing, 2002.

WEIMER, M. G. Teaching large classes well. New Directions for Teaching and Learning, Number 32. San Francisco: Jossey-Bass,1987.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.