Análise da utilização de estratégias didáticas no ensino de Ciências em escolas de municípios de Pernambuco

Geane Maria de Aguiar, Daniele Kelly da Silva Ferreira, Keila Tamires da Silva, Maria Juliana Gomes Arandas, Fabricya Roberta da Silva, Katharine Raquel Pereira dos Santos

Resumo


As estratégias diferenciadas no Ensino de Ciências é uma importante ferramenta para o processo de ensino-aprendizagem, no entanto, tais estratégias são escassas. Essa realidade é justificada por limitações e dificuldades enfrentadas pelos professores. Diante disto, o objetivo do trabalho foi caracterizar a utilização de estratégias diferenciadas no Ensino de Ciências, com o intuito de estabelecer uma relação com o perfil docente em escolas públicas de Vitória de Santo Antão e municípios adjacentes. O estudo foi desenvolvido em três escolas públicas do agreste e da Mata Sul de Pernambuco. A Escola Maria José de Medeiros, Escola Professora Jandira de Andrade Lima, e Escola Guiomar Krause Gonçalves. Os dados foram obtidos através de visitas exploratórias e de questionários direcionadas aos professores de Ciências. Dentre as escolas analisadas, a escola Professora Jandira de Andrade Lima foi a mais equipada, e mesmo assim, 100% dos professores não executam aulas práticas. Em contrapartida a Escola Guiomar Krause Gonçalves não é equipada e executam aulas diferenciadas. Deste modo conclui-se que o uso de estratégias diferenciadas é um método educativo pouco utilizado pelos professores, e que a sua utilização depende muito do professor, independentemente da sua formação, tempo de ensino ou das condições infraestruturais disponibilizadas pelas escolas.

Palavras-chave


Estratégias de ensino. Ensino de Ciências. Perfil docente.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, M. L.; MASSABNI, V. G. O desenvolvimento de atividades práticas na escola: um desafio para os professores de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 17, n. 4, p. 835-854, 2011.

AUGUSTO, G. S.; CALDEIRA, T. A.; MARIA, A. Interdisciplinaridade no ensino de ciências da natureza: dificuldades de professores de educação básica, da rede pública brasileira, para implantação dessas práticas. Enseñanza de lãs Ciências, Bauru, n. extra, p. 1-5, 2005.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC / SEF, 1998. p. 1-138.

CARMO, S.; SCHIMIN, E. S. O ensino da Biologia através da experimentação. In: COLÉGIO ESTADUAL MANOEL RIBAS. Dia-a-dia Educação. Guarapuava: Colégio Estadual Manoel Ribas, 2008. p. 1-19.

CARNEIRO, M. H. S.; GASTAL, M. L. História e Filosofia das Ciências no ensino de Biologia. Ciência & Educação, Bauru, v. 11, n. 1, p. 33-39, 2005.

CRUZ, D. A. Atividades prático-experimentais: tendências e perspectivas. Londrina: Programa de desenvolvimento Educacional, Universidade estadual de Londrina, 2008. p. 1-27.

FARIAS, E. M. et al. Elaboração e construção de modelo didático para elucidar o sistema ABO no ensino de Biologia. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE TECNOLÓGIA NA EDUCAÇÃO, 13., 2015, Recife. Anais... Recife: Senac, 2015. p. 1-13.

FREITAS, L. A. M. et al. Construção de modelos embriológicos com material reciclável para uso didático. Bioscience Journal, Uberlândia, v. 24, n. 1, p. 91-97, 2008.

KRASILCHIK, M. Caminhos do Ensino de Ciências no Brasil. Em Aberto, Brasília, v. 11, n. 55, p. 3-8, 1992.

LIMA, D. B.; GARCIA, R. N. Uma investigação sobre a importância das aulas práticas de Biologia no ensino médio. Caderno de Aplicação, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 201-224, 2011.

LIMA, K. E. C.; VASCONCELOS, S. D. O professor de Ciências das escolas municipais de Recife e suas perspectivas de educação permanente. Ciências & Educação,

Bauru, v. 14, n. 2, p. 347-367, 2008.

MEZARRI, S.; FROTA, P. R. O.; MARTINS, M. C. Feiras multidisciplinares e o ensino de Ciências. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), Florianópolis, n. Monogr., p. 107-119, 2011.

MOREIRA, A. M. A teoria dos campos conceituais de Vergnaud, o ensino de Ciências e a pesquisa nesta área. Investigação em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 7-29, 2002.

OLMO, F. J. V. et al. Construção de modelo didático para o ensino de biologia: meiose e variabilidade genética. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 10, n. 18, p. 35-69, 2014.

POSSOBOM, C. C. F.; OKADA, F. K.; DINIZ, R. E.S. Atividades práticas de laboratório no ensino de Biologia e de Ciências: relato de uma experiência. In: GARCIA, W. G.; GUEDES, A. M. (Orgs.). Núcleos de ensino. São Paulo: Unesp, Pró-Reitoria de Graduação, 2003. p. 113-123. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2015.

RABONI, P. C. A. Atividades práticas de ciências naturais na formação de professores para as series inicias. 2002. 183 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

RAMOS, L. B. C.; ROSA, P. R. S. O. Ensino de Ciências: Fatores intrínsecos e extrínsecos que limitam a realização de atividades experimentais pelo professor dos anos iniciais do ensino fundamental. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 13, n. 3, p. 299-331, 2008.

SANTOS, W. L. P. Contextualização no Ensino de Ciências por meio de temas CTS em uma perspectiva crítica. Ciência & Ensino, Campinas, v. 1, n. esp., p. 1-12, 2007.

SANTOS, E. I.; PIASSI, L. P. C.; FERREIRA, N. C. Atividades experimentais de baixo custo como estratégia de construção da autonomia de professores de física: Uma experiência em formação continuada. In: ENCONTRO NACIONAL EM PESQUISA EM ENSINO DE FÍSICA, 9., 2004, Jaboticatuba. Anais... Jaboticatuba: EPEF, 2004. p. 1-18.

SERAFIM, M. C. A falácia da dicotomia teoria-prática. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, v. 7, 2001. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2015.

SILVA, F. S. S.; MORAIS, L. J. O.; CUNHA, I. P. R. Dificuldades de professores de Biologia em ministrar aulas práticas em escolas públicas e privadas do município de Imperatriz (MA). Revista UNI, Imperatriz, v. 1, n. 1, p. 135-149, 2011.

SILVA, T. D. P.; OLIVEIRA. K. S.; CASTRO, G. R. Produção de materiais alternativos para aulas de ciências e biologia. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 66., 2014, Rio Branco. Anais eletrônicos... Rio Branco: SBPC, 2014. Disponível em:. Acesso em: 12 ago. 2016.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários: elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 13, p. 5-24, 2000.

VIVEIRO, A. A. Atividades de campo no ensino das Ciências: investigando concepções e práticas de um grupo de professores. 2006. 174 f. Dissertação (Mestrado em Educação para a Ciência) - Programa de Pós Graduação em Educação pra a Ciência, Universidade Estadual Paulista, Bauru, 2006.

VIVEIRO, A. A.; DINIZ, R. E. S. Atividades de campo no ensino das Ciências e na educação ambiental refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escola. Ciência em Tela, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 1-12, 2009.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.