Uso de substâncias psicoativas e perfil nutricional de usuários do CAPS AD III, Palmas/TO

Hayla Sousa Câmara, Maylla Luanna Barbosa Martins

Resumo


O objetivo desse trabalho foi estudar uso de substâncias psicoativas, estado nutricional e hábitos alimentares de indivíduos atendidos no Centro de Atenção Psicossocial para Álcool e Outras Drogas (CAPS AD III) de Palmas, Tocantins. Trata-se de estudo realizado com 50 usuários do Sistema Único de Saúde que procuraram tratamento no CAPS AD III de Palmas-TO, os quais participaram das atividades do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde – PET/Saúde. Os entrevistados responderam questionários sobre dados socioeconômicos, uso de substâncias psicoativas e hábitos alimentares. Verificou-se que a substância psicoativa que mais se apresentou como sugestiva ao abuso foi o tabaco (58%) e a que mais se destacou como sugestiva de dependência foi cocaína/crack (34%). Quanto ao estado nutricional 70% de todos os entrevistados relataram terem perdido peso após iniciar o uso de substâncias psicoativas. Com relação aos hábitos alimentares, grande parte relatou realizar nenhuma refeição durante o uso (50%). Conclui-se que medidas de acompanhamento e orientação alimentar e nutricional, fazem-se necessárias para minimizar impactos que o uso de substâncias psicoativas causa nestes indivíduos.

Palavras-chave


Psicotrópicos. Hábitos alimentares. Estado nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, M. et al. Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina: desafios para políticas públicas. Brasília: UNESCO, BID, 2002. p. 1-84.

ABREU, M. G. B. Evolução de parâmetros antropométricos em crianças e adolescentes com exposição a medicamentos psicoativos: um estudo controlado em abrigados da secretaria do trabalho, cidadania e assistência social – STCAS/RS. 2003. 103 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

APOLINÁRIO, R. M. C.; MORAES, R. B.; MOTTA, A. R. Mastigação e dietas alimentares para redução de peso. Revista CEFAC, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 191-199, abr./jun. 2008.

AQUINO, A. K. A. et al. Alterações na memória em usuários de cocaína: um estudo teórico sobre a ação da droga no sistema nervoso central. Ciências Biológicas e da Saúde, Maceió, v. 2, n. 1, p. 133-149, maio 2014.

AWADALLAK, L.; WIDERSKI, K. A dependência química e psicológica da maconha na adolescência. Saberes Unicamp, Campo Mourão, v. 1, n. 1, p. 26-33, jan./jun. 2014.

BALBINOT, A. D. et al. Perfil antropométrico de dependentes de crack hospitalizados para desintoxicação. Revista HCPA, Porto Alegre, v. 31, n. 3, p. 311-317, 2011.

BARBOSA, C. D.; FERREIRA, C. C. D. O papel da nutrição no processo reabilitatório de dependentes de álcool. Cadernos UniFoa, Volta Redonda, v. 4, ed. esp., p. 89-101, nov. 2011.

BATISTA, L. S. S.; BATISTA, M.; CONSTANTINO, P. Perfil dos usuários de substâncias psicoativas do CAPS AD em 2000 e 2009, campos dos Goytacazes, RJ. Perspectivas online: Ciências Biológicas da Saúde, Campo dos Goytacazes, v. 7, n. 2, p. 23-38, out. 2012.

BRASIL. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: Acesso em: 13 out. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção á Saúde. Departamento de atenção básica. Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição. Guia alimentar para a população brasileira: promovendo a alimentação saudável. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

BRASIL. Ministério da Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica de Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional – SISVAN. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Prevenção do uso de drogas: capacitação para conselheiros e lideranças comunitárias. 5. ed. Brasília: SENAD, 2013.

BRUSAMARELLO, T. et al. Consumo de drogas: Concepções de familiares de estudantes em idade escolar. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 1-19, 2008.

CARLINI, E. A. et al. Drogas psicotrópicas – o que são e como agem? Revista IMESC, São Paulo, n. 3, p. 9-35, 2011.

COZZOLINO, S. M. F.; COMINETTI, C. Bases bioquímicas e fisiológicas da nutrição: nas diferentes fases da vida, na saúde e na doença. Barueri: Manole, 2013. p. 750.

CRIVES, M. N. S.; DIMENSTEIN, M. Sentidos produzidos acerca do consumo de substâncias psicoativas por usuários de um Programa Público. Revista Saúde e Sociedade, Natal, v. 12, n. 2, p. 26-37, jul./dez. 2003.

ELBREDER, M. F. et al. Perfil de mulheres usuárias de álcool em ambulatório especializado em dependência química. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 57, n. 11, p. 9-15, 2008.

ETCHEPARE, M. et al. Perfil de adolescentes usuários de crack e suas consequências metabólicas. Revista da AMRIGS, Porto Alegre, v. 55, n. 2, p. 140-146, abr./jun. 2011.

FERREIRA FILHO, O. F. et al. Perfil sociodemográfico e de padrões de uso entre dependentes de cocaína hospitalizados. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 6, p. 751-759, 2003.

FIGLIE, N. B. et al. Aconselhamento em dependência química. 2. ed. São Paulo: Roca, 2010.

GALDURÓZ, J. C. F.; CAETANO, R. Epidemiology of alcohol use in Brazil. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 6, n. 2, p. 3-4, 2004.

HECKMANN, W.; SILVEIRA, C. M. Dependência do álcool: aspectos clínicos e diagnósticos. In: ANDRADE, A. G.; ANTHONY, J. C.; SILVEIRA, C. M. Álcool e suas consequências: uma abordagem multiconceitual. Barueri: Minha Editora, 2009. p. 67-87.

HENRIQUE, I. F. S. et al. Validação da versão brasileira do teste de triagem do envolvimento com álcool, cigarro e outras substâncias (ASSIST). Revista Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 199-206, 2004.

MALBERGIER, A.; CARDOSO, L. R. D.; AMARAL, R. A. Uso de substâncias na adolescência e problemas familiares. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 28, n. 4, p. 678-688, abr. 2012.

MARQUES, A. C. P. R.; CRUZ, M. S. O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 22, supl. 2, p. 32-36, 2000.

NEGREIROS, A. S. B. A influência do tabagismo na prova de função pulmonar e no estado nutricional de idosos. 2010. 88 f. Dissertação (Mestrado em Geriatria) - Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2010.

OLIVEIRA, E. R. N. et al. Avaliação dos hábitos alimentares e dos dados antropométricos de dependentes químicos. Arquivos de Ciências da Saúde Unipar, Umuarama, v. 9, n. 2, p. 91-96, mai./ago. 2005.

OLIVEIRA, L. G.; NAPPO, S. A. Caracterização da cultura de crack na cidade de São Paulo: padrão de uso controlado. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 4, p. 664-671, mar. 2008.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Transtornos mentais e comportamentais. In:_____. CID-10. 10. ed. rev. Tradução Centro Colaborador da OMS para a Classificação de Doenças em Português. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008. Cap. V, p. 316.

PICOLOTTO, E. et al. Prevalência e fatores associados com o consumo de substâncias psicoativas por acadêmicos de enfermagem da Universidade de Passo Fundo. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 645-654, 2010.

RECINE, E.; RADAELLI, P. (Org.). Obesidade e desnutrição. Brasília: NUT/FS/UnB – ATAN/DAB/SPS, 1999. Disponível em: Acesso em: 05 set. 2013.

RIGOTTO, S. D.; GOMES, W. B. Contextos de abstinência e de recaída na recuperação da dependência química. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 18, n. 1, p. 95-106, jan-abr. 2002.

SCHENKER, M.; MINAYO, M. C. S. A importância da família no tratamento do uso abusivo de drogas: uma revisão da literatura. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 643-659, maio/jun. 2004.

SILVA JÚNIOR, F. J. G. et al. Alterações metabólicas e nutricionais associadas ao consumo de cocaína/crack: revisão sistemática. Revista Multiprofissional em Saúde do Hospital São Marcos, Teresina, v. 1, n. 1, p. 64-69, 2013.

SILVA M. I. G. et al. Cocaína – história, ações neurobiológicas do vício e recaída e perspectivas terapêuticas. Acta Medica Portuguesa, Lisboa, v. 23, n. 2, p. 247-258, 2010.

SIMONI-WASTILA, L.; YANG, H. K. Psychoactive drug abuse in older adults. American Journal of Geriatric Pharmacother, Hillsborough, v. 4, n. 4, p. 380-394, 2006.

SOUZA, J.; KANTORSKI, L. P. Embasamento político das concepções e práticas referentes às drogas no Brasil. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 1-16, 2007.

TEO, C. R. P. A.; BALDISSERA, L.; RECH, F. R. F. Adequação da alimentação ao perfil dos dependentes químicos em uma comunidade terapêutica: um estudo de caso. SMAD Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 119-25, set./dez. 2011.

TOFFOLO, M. C. F. Perfil nutricional e bioquímico de alcoolistas frequentadores do CAPSad de Ouro Preto, Minas Gerais. 2012. 154 f. Dissertação (Mestrado em Saúde e Nutrição) – Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2012.

TOLEDO, M. T. T. Adesão a modos saudáveis de vida por usuários de Serviço de Atenção Primária à Saúde mediante aconselhamento. 2011. 114 f. Dissertação (Mestrado em Saúde e Enfermagem) - Escola de enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO, 1995. (WHO Technical Report Series, n. 854).




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.