Suporte básico de vida para leigos: relato de atividades extensionistas

Jaine Kareny da Silva, Denise Magalhães Moura Conceição, Geyse Magalhães Rodrigues, Giselle de Santana Vilasboas Dantas

Resumo


As doenças cardíacas representam uma das principais causas de morte no cenário mundial e nacional. Contudo, este perfil de mortalidade apresenta tendência reducionista por meio do emprego de técnicas corretas de reanimação cardiopulmonar, empregadas pelos socorristas que realizam o primeiro atendimento, que geralmente são pessoas leigas. Portanto, o objetivo deste estudo foi descrever as experiência e vivências de acadêmicas de Enfermagem e Educação Física sobre as oficinas extensionistas de RCP para as pessoas leigas nesta temática que estudam ou trabalham em uma universidade pública do interior da Bahia. Trata-se de um relato de experiência que descreve a realização das oficinas oriundas do projeto de extensão “Saúde Universitária: Ações de Promoção e Prevenção para o Bem-Estar” sob a ótica das monitoras voluntárias e bolsista. As atividades extensionistas foram agendadas para 12 encontros, com discussão manobras de recussitação cardiopulmonar e heimilich em adulto e crianças como medidas importantes que auxiliam na redução das taxas de mortalidade por descompensação cardíaca e pulmonar. O público-alvo foi: técnicos, estagiários e acadêmicos que trabalham e estudam na universidade estadual pública onde a capacitação ocorreu e que ainda não receberam treinamento sobre a temática abordada. Embora todas as categorias participaram das oficias teóricas e práticas, houve baixa adesão em todos os níveis, possivelmente pela irregularidade das aulas provocadas pelo movimento grevista docente e periódicas paralisações dos funcionários/técnicos universitários. Apesar da irregularidade das participações nas oficinas extensionistas, ressalta-se a importância de discussão desta temática e implantação de desfibriladores externos automáticos neste espaço, a fim de estimular a conscientização na aquisição de conhecimento sobre o tema, considerando os índices alarmantes de mortalidade por doenças cardíacas que aumenta anualmente.

Palavras-chave


Educação em Saúde. Parada Cardíaca. Ressuscitação Cardiopulmonar. Universidades.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, N. D. Saúde no Brasil, impasses e desafios enfrentados pelo Sistema Único de Saúde: SUS. Rev. Psicol. Saúde, Campo Grande, v. 5, n. 1, p. 1-9, jun. 2013. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2015.

AMERICAN HEART ASSOCIATION - AHA. Guidelines CPR. Destaques das diretrizes da American Heart Association 2010 para RCP e ACE. 2010. [Dallas: Americam Heart Association], 2010. Disponível em: http://www.heart.org/idc/groups/heartpublic/ @wcm/@ecc/documents/downloadable/ucm_317343.pdf. Acesso em: 26 ago. 2016.

BERDOWSKI, J. et al. Importance of the first link: description and recognition of an out-of hospital cardiac arrest in an emergency call. Circulation, Dallas, v. 119, n. 15, p. 2096-2102, 2009.

BERG, R. A. et al. Part 5: adult basic life support: 2010 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation, Dallas, v. 122, n. 18, p. 685-705, 2010. Supplement 3.

BOAVENTURA, A. P.; MIYADAHIRA, A. M. K. Programa de capacitação em ressuscitação cardiorrespiratória com uso do desfibrilador externo automático em uma universidade. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 191-194, 2012.

BOGLE, B. et al. Assessment of knowledge and attitudes regarding automated external defibrillators and cardiopulmonary resuscitation among American University students. Emerg. Med. J., London, v. 30, n. 10, p. 837-841, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Informações de Saúde (TABNET): Epidemiológicas e mortalidade. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.010 de 21 de maio de 2012. Redefine as diretrizes para a implantação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU 192) e sua Central de Regulação das Urgências, componente da Rede de Atenção às Urgências. Diário Oficial da União, Brasília, 22 maio 2012. Seção 1, p. 87.

FERREIRA, J. V. B.; FERREIRA, S. M. B.; CASSEB, G. B. Perfil e conhecimento teórico de médicos e enfermeiros em parada cardiorrespiratória, município de Rio Branco, AC. Rev. Bras. Cardiol., Rio de Janeiro, v. 25, n. 6, p. 464-470, 2012.

GONZALES, M. M. et al. I diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emergência da sociedade brasileira de cardiologia: resumo executivo. Arq. Bras. Cardiol., São Paulo, v. 100, n. 2, p.105-113, 2013.

HEIMLICH, H. J. A life saving maneuver to prevent food-choking. JAMA, Chicago, v. 234, n. 4, p. 398-401, 1975.

LYRA, P. F. et al. Programa de educação em reanimação cardiorrespiratória: ensinando a salvar vida. Rev. Bras. Educ. Med., Rio de Janeiro, v. 26, n. 4, p. 570-573, 2012.

MATSUNO, A. K. Parada cardíaca em crianças. Medicina (Ribeirão Preto), Ribeirão Preto, v. 45, n .2, p. 223-233, 2012.

MORAIS, D. A.; CARVALHO, D. V.; CORREA, A. R. Parada cardíaca extra-hospitalar: fatores determinantes da sobrevida imediata após manobras de ressuscitação cardiopulmonar. Rev. Latinoam. Enferm., Ribeirão Preto, v. 22, n. 4, p. 562-568, 2014.

MOURA, F. S. et al. Knowledge of Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation among Brazilian Medical Students. Rev. Bras. Educ. Méd., Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 77-85, 2016.

OLIVEIRA, R. G. et al. Compressões torácicas contínuas realizadas por leigos antes e após treinamento. Rev. Bras. Clin. Med., São Paulo, v. 10, n. 2, p. 95-99, 2012.

PEREIRA, K. C. et al. A construção de conhecimentos sobre prevenção de acidentes e primeiros socorros junto ao público leigo. Rev. Enferm. Cent.- Oeste Min., Divinópolis v. 5, n. 1, p. 1478-1485, 2015.

PEREIRA, J. C. R. G. A. Abordagem do paciente reanimado, pós-parada cardiorrespiratória. Rev. Bras. Ter. Intensiva, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 190-196, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2015.

PERGOLA, A. M.; ARAÚJO, I. E. M. O leigo e o suporte básico de vida. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 335-342, 2009.

SASSON, C. et al. Predictors of survival from out-of-hospital cardiac arrest: a systematic review and meta-analysis. Circ. Cardiovasc. Qual. Outcomes, Hagerstown, v. 3, n. 1, p. 63- 81, 2010.

TERASSI, M. et al. A percepção de crianças do ensino fundamental sobre parada cardiorrespiratória. Semina Ciênc. Biol. Saúde, Londrina, v. 36, n. 1, p. 99-108, ago. 2015. Suplemento.

THE INTERNATIONAL FEDERATION OF RED CROSS AND RED CRESCENT SOCIETIES. First aid for a safer future: focus on Europe. [Genebra], 2009. Disponível em:http://www.ifrc.org/PageFiles/53459/First%20aid%20for%20a%20safer%20future%20Focus%20on%20Europe%20%20Advocacy%20report%202009.pdf?epslanguage=en>. Acesso em: 27 ago. 2016.

TRAVERS, A. H. et al. Part 4: CPR overview: 2010 American Heart Association Guidelines for Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care. Circulation, Dallas, v. 22, n. 18, p. S676-S684, 2010. Supplement 3.

VALENZUELA, T. D. et al. Outcomes of rapid defibrillation by security officers after cardiac arrest in casinos. N. Engl. J. Med., Boston, v. 343, n. 17, p. 1206-1209, 2000.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.