Os caminhos do ensino e extensão no Jardim Botânico do Rio de Janeiro

David Ricardo Moreira Ramos, Ariane Luna Peixoto

Resumo


O objetivo deste artigo é relatar as experiências de ensino e extensão do Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro-JBRJ, relacionando-as ao contexto das atividades de pesquisa que são realizadas nesta instituição. O JBRJ é uma instituição bicentenária que nos últimos vinte anos vive momento de expansão e conquistas.  A importância dos jardins botânicos como instituições importantes na conservação das plantas e no estímulo à elevação da consciência ambiental da sociedade é reconhecida pela comunidade científica e pela sociedade.  Neste sentido, ao longo de sua história, o Jardim Botânico do Rio de Janeiro tem exercido um papel importante na formação de cientistas no campo da botânica e da conservação da biodiversidade. As atividades de extensão, tais como a capacitação profissional de jovens e a oferta de oficinas e cursos à sociedade também tem sido foco da atuação da instituição há muitos anos.  Com a criação da Escola Nacional de Botânica Tropical, em 2001, as atividades de ensino e extensão são formalizadas no JBRJ e ganham uma nova dimensão no contexto da instituição de integrando-as à pesquisa com o objetivo da conservação da biodiversidade.Me


Palavras-chave


Botânico. Ensino. Extensão. Botânica. Biodiversidade

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, G. M. A pesquisa no Jardim Botânico do Rio de Janeiro: Revivendo a história. In: RODRIGUES, J. B. O Jardim Botânico do Rio de Janeiro: uma lembrança do 1o centenário – 1808-1908. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 1908. Reprodução da edição original. Rio de Janeiro: Banco Safra/ Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 1998. Edição comemorativa de 190 anos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

BEDIAGA, B. Conciliar o útil ao agradável e fazer ciência: Jardim Botânico do Rio de Janeiro 1808 a 1860. História, Ciência e Saúde, Manguinhos, v. 14, n. 4, p. 1131-1157, 2007.

BEDIAGA, B. Marcado pela própria natureza: o Imperial Instituto Fluminense de Agricultura 1860 a 1891. Rio de Janeiro: FGV, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Coordenação de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação PNPG 2011-2020. Brasília: CAPES, 2010. v. 1, 309 p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Resolução Conama n° 339, de 25 de setembro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2017.

CARNEIRO, M. J.; GUEDES-BRUNI, R.; LEITE, S. P. Conhecimento científico e políticas públicas: mobilização e apropriação do saber em medidas de conservação da Mata Atlântica. Estudos Sociais e Agrícolas, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 254-303, 2009.

CONVENTION ON BIOLOGICAL DIVERSITY. Global strategy for plant conservation. updated 2011-2020. Montreal: CBD, 2010. Disponível em::. Acesso em: 6 fev. 2017

.

FORZZA, R. C. et al. Catálogo de plantas e fungos do Brasil. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2010.

GASPAR, C. B. Caminhos para o solar. In: HEIZER, A. (Org.). Solar da Imperatriz. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2011. p. 12-43.

INSTITUTO DE PESQUISAS JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Relatório de Gestão 2014. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2015.

JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO. Flora do Brasil 2020 em construção. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2016

LAMARÃO, S. T. N.; SOUSA, L. O. G. Jardim Botânico: dois séculos de história. In: SOARES, N. P. (Coord.). Jardim Botânico do Rio de Janeiro 1808-2008. Rio de Janeiro: Artepadilha, 2008. p. 41-100.

MILLENIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. Ecosystems and human well-being: Biodiversity Synthesis. Washington: World Resources Institute, 2005. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2017.

OLIVEIRA, A. R. Ordem e natureza: a construção da paisagem. In: INSTITUTO DE PESQUISAS JARDIM BOTÂNICO DO RIO DE JANEIRO (Org.). Jardim Botânico do Rio de Janeiro: 1808-2008. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2008.

PEIXOTO, A. L.; GUEDES-BRUNI, R. No Rio de Janeiro, um jardim botânico bicentenário. Ciência & Cultura, São Paulo, v. 62, n. 1, p. 32-35, 2010.

PEIXOTO, A. L.; MORIM, M. O Jardim Botânico construindo pontes de saberes. In: SOARES, N. P. (Coord.). Jardim Botânico do Rio de Janeiro: 1808-2008. Rio de Janeiro: Artepadilha, 2008. p. 133-158.

ROQUETTE-PINTO, E. Frei Leandro do Sacramento. Boletim do Museu Nacional, Rio de Janeiro, v. 9, p. 109-125, 1933.

WILCKEN, P. Império à deriva: a corte portuguesa no Rio de Janeiro, 1808-1821. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

WILLIAMS, S. et al. Botanic Gardens can positively influence visitors’ environmental attitudes. Biodiversity and Conservation, London, v. 24, n. 7, p. 1609-1620, 2015.

WILLINSON, J. (Org.). Education for sustainable development: guidelines for action in Botanic Gardens. Richmond (UK): Botanic Gardens Conservation International, 2006.

WYSE JACKSON, P.; KENNEDY, K. The global strategy for plant conservation: a challenge for the international community. Trends in Ecology and Evolution, Cambridge, v. 14, p. 578-580, 2010.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.