Importância de um evento recreativo para idosos institucionalizados

Rhayda Melissa Souza Fontes, Iula Lamounier Lucca

Resumo


O estudo objetivou analisar a percepção dos idosos institucionalizados e dos profissionais de uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) quanto à qualidade e importância de uma tarde de lazer realizada na mesma por graduandos em educação física. Para tanto, 9 idosos institucionalizados e 2 profissionais da ILPI, avaliaram a tarde de lazer que propiciou aos idosos a vivência de jogos, brincadeiras, danças entre outras atividades recreativas. Os dados foram coletados através de questionário. A maioria dos voluntários considerou a atuação dos estudantes (73%), as atividades realizadas (64%) e a organização do evento (55%) como muito boa. O evento foi considerado importante por todos os voluntários, por contribuir para a alegria e bem-estar (63%), por aumentar as oportunidades de lazer (45%), por aumentar a interação (27%) e também por contribuir para a saúde (9%). Conclui-se que a tarde de lazer foi de boa qualidade, sendo importante para a qualidade de vida dos idosos o que reforça a necessidade da programação de eventos recreativos para o público da terceira idade, especialmente para idosos institucionalizados.

 


Palavras-chave


Educação física e treinamento; Envelhecimento; Instituição de longa permanência para idosos; Recreação

Texto completo:

PDF

Referências


ANVISA. Resolução RDC nº 283, de 26 de setembro de 2005. Aprova o Regulamento Técnico que define normas de funcionamento para as Instituições de Longa Permanência para Idosos. Disponível em:. Acesso em: 19 abr. 2014.

ARAÚJO, R. S. S. et al. Idosos Institucionalizados: perfil social, clínico e funcional. Revista de Enfermagem da UFPI, Piauí, v. 3, n. 2, p. 69-77, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 fev. 2015.

ARGIMON, I. L. et al. O impacto de atividades de lazer no desenvolvimento cognitivo de idosos. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, Passo Fundo, v. 1, n. 1, p. 38-47, 2004. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2014.

ARROYO, D. M. P.; ROCHA, M. S. P. M. L. Meta-avaliação de uma extensão universitária: Estudo de caso. Avaliação, Campinas, v. 15, n. 2, p. 131-57, 2010. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2014.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1 out. 2003. Disponível em:. Acesso em: 19 abr. 2014.

CAMARANO, A. A.; KANSO, S. As instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 233-235, 2010. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2014.

CORDEIRO, J. et al. Efeitos da atividade física na memória declarativa, capacidade funcional e qualidade de vida em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 541-552, 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2015.

DEBERT, G. G. A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo Fapesp, 2004.

D´ORSI, E.; XAVIER, A. J.; RAMOS, L. R. Trabalho, suporte social e lazer protegem idosos da perda funcional: estudo epidoso. Revista Saúde Pública, São Paulo, v. 45, n. 4, p. 685-692, 2011. Disponível em:. Acesso em: 5 fev. 2015.

DUMAZEDIER, J. Lazer e cultura popular. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2001.

GASPARI, J. C.; SCHWARTZ, G. M. O idoso e a ressignificação emocional do lazer. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 21, n. 1, p. 69-76, 2005. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2014.

KUWANO, V. G.; SILVEIRA, A. M. A influência da atividade física sistematizada na autopercepção do idoso em relação às atividades da vida diária. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 13, n. 2, p. 35-39, 2002. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2014.

LUCCA, I. L.; RABELO, H. T. Influência das atividades recreativas nos níveis de depressão de idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 19, n. 4, p. 23-30, 2011. Disponível em:. Acesso em: 29 abr. 2014.

MARCELLINO, N. C. (Org.). Lazer e recreação: repertório de atividades por fases da vida. 2. ed. Campinas: Papirus, 2006.

MARCELLINO, N. C. Estudos do lazer: uma introdução. 4. ed. Campinas: Editores Associados, 1996.

MORI, G. S.; SILVA, L. F. Lazer na terceira idade: desenvolvimento humano e qualidade de vida. Revista Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 4, p. 950-957, 2010. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2014.

OLIVEIRA, C. S. et al. Oficina de educação, memória, esquecimento e jogos lúdicos para a Terceira Idade. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 8-17, 2012. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2015.

OLIVEIRA, R. G. et al. Oficinas educativas para promoção da saúde de idosas institucionalizadas. Revista Brasileira em Promoção à Saúde, Fortaleza, v. 26, n. 4, p. 595-600, 2013. Disponível em:. Acesso em: 6 fev. 2015.

PRADO, A. R.; CARVALHO, Y. M. Sobre a velhice institucionalizada: um desafio para a Educação Física. Pensar a Prática, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 593-605, 2014. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2015.

TIER, C. G.; FONTANA, R. T.; SOARES, N. V. Refletindo sobre idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 57, n. 3, p. 332-335, 2004. Disponível em:. Acesso em: 5 abr. 2014.

VARGAS, L. S. et al. Conscientizando idosos e profissionais da saúde acerca das mudanças cognitivas relacionadas à idade. Revista Ciência em Extensão, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 37-50, 2014. Disponível em:. Acesso em: 5 fev. 2015.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.