Fatores relacionados ao desempenho do fluxo inspiratório nasal entre crianças sadias de 8 a 11 anos de idade

Jaime Olbrich Neto, Sandra Regina Leite Rosa Olbrich, Natalia Leite Rosa Mori, Ana Elisa de Oliveira, José Eduardo Corrente

Resumo


A obstrução nasal é uma condição que pode ser desencadeada por fatores climáticos, tais como frio, baixa umidade do ar ou doenças infecciosas ou alérgicas, reduzindo a qualidade de vida da criança. Quantificar objetivamente aobstrução possibilita avaliar se ela é mais ou menos importante e correlacioná-la adoenças ou fatores climáticos. Entre os meios utilizados para medir a obstrução há amedição do pico de fluxo inspiratório nasal, um método acessível nosserviços públicos de saúde. A elaboração de tabelas ou gráficos para determinada população pode ser baseada namedição do pico de fluxo inspiratório nasal para estabelecer valores de referência. O objetivo deste estudo é determinar se épossível estabelecer valores de referência para uma população de crianças saudáveis com a  avaliação do pico de fluxo inspiratório nasal e os fatores a ele associados.A população do estudo consiste em crianças de uma instituição de ensino, com idade de 8 a 11 anoscompletos. Foram obtidas as medidas de peso e altura e as informações relativas ao gênero à idade foram consideradas. O pico de fluxo inspiratório nasal foi medido por meio do dispositivo in check (nasal) inspiratory flow meter. O pico de fluxo inspiratório nasal em L/min foi aferido em 3 medições, com intervalo de 1 minuto entre uma e outra, de modo cego em cada etapa, em 4 momentos diferentes, com intervalo de 48 a 72 horas. A análise estatística envolveu regressão linear e teste tcom significado estatístico ? 0,05.Foram avaliadas 124 crianças, sendo 66do sexo masculino e 58 do sexo feminino. Não houve diferenças relativas ao gênero, ao peso médio (em kg) e à altura (em cm). O valor médio do pico de fluxo inspiratório nasal no sexo feminino foi 80,99 e no sexo masculinofoi 87,51. Houve fraca correlação entre a idade e o pico de fluxo inspiratório nasal. Houve diferença significativa entre a primeira e as demais avaliações, p = 0,003, mas não entre a segunda, terceira e quarta.Medições do pico de fluxo inspiratório nasal não possibilitam afirmar qual é a causa da obstrução. Pode-se dizer que há obstrução nasal, houve incremento significativo da primeira para as demais medidas e não é possível explicar isso por meio de fatores anatômicos ou pelo ciclo fisiológico nasal. Constata-se que as crianças nessa faixa etária podem compreender como medir o pico de fluxo inspiratório nasal e, portanto, essa seria uma ferramenta adicional para a avaliação da obstrução das narinas. A ausência de valores universalmente aceitos para as diferentes faixas etárias indica a necessidade de utilizar cada indivíduo como fator de controle para si.

A avaliação do pico de fluxo inspiratório nasal mostra-se possível entre crianças de 8 a 11 anos e deve ser considerada individualmente, isto é, antes e após cada procedimento, uma vez que a criança pode aperfeiçoar-se no uso dessa técnica.

Palavras-chave: crianças, pico de fluxo inspiratório nasal, valores de referência


Palavras-chave


crianças, pico de fluxo inspiratório nasal, valores de referência

Texto completo:

PDF

Referências


BLOMGREN, K. et al. Peak nasal inspiratory and expiratory flow measurements--practical tools in primary care? Rhinology, Leiden, v. 41, p. 206-210, 2003.

DOR-WOJNAROWSKA, A. et al. An attempt to estimate parameters useful for establishing a normal range for peak nasal inspiratory flow. Pneumonologia i Alergologia Polska, Warszawa, v. 79, n. 5, p. 320-325, 2011.

FODIL, R. et al. Inspiratory flow in nose: a model coupling flow and vasoerectile tissue distensibility. Journal of Applied Physiology, Washington, v. 98, p. 288-295, 2005.

IBIAPINA, C. C. et al. Reference values for peak nasal inspiratory flow in children and adolescents in Brazil. Rhinology, Leiden, v. 49, p. 304-308, 2011.

MELO, D. L. et al. Mouth breathing evaluation: use of Glatzel mirror and peak nasal inspiratory flow. CoDAS, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 236-241, 2013.

MUNIZ, J. B.; PADOVANI, C. R.; GODOY, I. Inalantes no tratamento da asma: avaliação do domínio das técnicas de uso por pacientes, alunos de medicina e médicos residentes. Jornal de Pneumologia, São Paulo, v. 29, p. 75-81, 2003.

NATHAN, R. A. et al. Objective monitoring of nasal patency and nasal physiology in rhinitis. The Journal of Allergy and Clinical Immunology, St. Louis, v. 115, n. 3, p. S442-S457, 2005.

OTTAVIANO, G. et al. Does peak nasal inspiratory flow relate to peak expiratory flow? Rhinology, Leiden, v. 46, p. 200-203, 2008.

OTTAVIANO, G. et al. Peak nasal inspiratory flow: a useful and handy tool for the diagnosis of nasal obstruction in the elderly. European Archives of Otorhinolaryngology, Heidelberg, v. 271, p. 2427-2431, 2014.

OTTAVIANO, G. et al. Peak nasal inspiratory flow; normal range in adult population. Rhinology, Leiden, v. 44, p. 32-35, 2006.

PAPACHRISTOU, A. et al. Normal peak nasal inspiratory flow rate values in Greek children and adolescents. Hippokratia, Thessalonikē, Greece, v. 12, p. 94-102, 2008.

PRESCOTT, C. A. J.; PRESCOTT, K. E. Peak nasal inspiratory flow measurement: an investigation in children. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology, Amsterdam, v. 32, p. 137-141, 1995.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA. Comissão de Asma da SBPT, Grupo de Trabalho das Diretrizes para Asma da SBPT. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia para o Manejo da Asma - 2012. Jornal Brasileiro de Pneumologia, São Paulo, v. 38, supl. 1, p. S1-S46, 2012.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PNEUMOLOGIA E TISIOLOGIA. Revisão 1: bases para a escolha adequada dos dispositivos inalatórios. Brasília: SBPT, 2007. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2014.

STARLING-SCHWANZ, R. et al. Repeatability of peak nasal inspiratory flow measurements and utility for assessing the severity of rhinitis. Allergy, Copenhagen, v. 60, p. 795-800, 2005.

TEIXEIRA, R. U. F. et al. Correlação entre peak flow nasal inspiratório e escala visual analógica pré e pós uso de vasoconstritor nasal. Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 156-162, 2011.

VAN SPRONSEN, E.; EBBENS, F. A.; FOKKENS, W. J. Normal peak nasal inspiratory flow rate values in healthy children aged 6 to 11 years in the Netherlands. Rhinology, Leiden, v. 50, p. 21-25, 2012.




Creative Commons License
Revista Ciência em Extensão by Pró-Reitoria de Extensão Universitária - UNESP - Brasil is licensed under a Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil License.
Based on a work at ojs.unesp.br.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://ojs.unesp.br/index.php/revista_proex/about/editorialPolicies#custom0.