Resposta fisiológica de sementes de alcachofra ao estresse salino

Raquel Stefanello, Patrícia Carine Hüller Goergen, Luiz Augusto Salles das Neves

Resumo


O excesso de sais na água ou no solo é um dos principais fatores ambientais que afeta a germinação das sementes e diminui a produtividade das culturas. Assim, o objetivo deste estudo foi avaliar a resposta fisiológica das sementes de alcachofra ao estresse salino. O experimento foi conduzido em câmara B.O.D., na temperatura constante de 20 ºC e em presença de luz. As sementes foram posicionadas sobre papel embebido em solução aquosa de cloreto de cálcio (CaCl2) e cloreto de sódio (NaCl) nos potenciais osmóticos correspondentes a zero (água destilada); -0,10; -0,20; -0,30; -0,40 MPa. Os parâmetros avaliados foram: germinação e primeira contagem de germinação (vigor). A redução do potencial osmótico do substrato promoveu decréscimo significativo na germinação e no vigor das sementes de alcachofra. Conclui-se que as sementes desta espécie são sensíveis à salinidade e não toleram potenciais osmóticos iguais ou inferiores a -0,10 MPa, sendo possível o seu cultivo em áreas agrícolas nas concentrações acima destes potenciais.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.32929/2446-8355.2018v27n4p463-470

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cultura Agronômica: Revista de Ciências Agronômicas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Cultura Agronômica
Ilha Solteira - SP
E-ISSN 2446-8355
E-mail: rca.feis@unesp.br
    
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.