Enraizamento de diferentes tipos de estacas de pinhão manso em dois substratos

Renata Capistrano Moreira Furlani, Luiz de Souza Corrêa, Enes Furlani Junior, Gustavo Alves Pereira, Amanda Pereira Paixão

Resumo


A escassez de combustíveis fósseis tem promovido a busca de opções para substituir esses combustíveis por semelhantes com mesma eficiência. O experimento foi realizado em casa de vegetação tipo Pad & Fan do Departamento de Fitotecnia, Tecnologia de Alimentos e Sócio Economia da Faculdade de Engenharia – Campus de Ilha Solteira da Universidade Estadual Paulista (UNESP). O delineamento experimental utilizado foi inteiramente casualizado em esquema fatorial 3 x 2 (tipos de estacas x substrato), totalizando 6 tratamentos com 4 repetições e 10 estacas por parcela. A utilização de vermiculita permitiu a obtenção de valores para porcentagem de estacas vivas muito próximas para estacas basais (82,5%), medianas (80,0%) e apicais (60,0%). As estacas basais, independentemente do tipo de substrato são aquelas que permitem uma maior obtenção de porcentagem de estacas vivas, massa da matéria seca das brotações e das raízes, comprimento dos brotos, número de brotos e número de folhas com mais de 2,0 cm. O substrato vermiculita proporciona uma maior porcentagem de estacas vivas e número de folhas. A massa da matéria seca de raízes é maior quando da utilização do substrato areia.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.32929/2446-8355.2018v27n4p450-462

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cultura Agronômica: Revista de Ciências Agronômicas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Cultura Agronômica
Ilha Solteira - SP
E-ISSN 2446-8355
E-mail: rca.feis@unesp.br
    
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.