DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE LINHAGENS DE MILHO UTILIZANDO MICROSSATÉLITES E CORRELAÇÃO COM DESEMPENHO DE HÍBRIDOS SIMPLES

Paula Garcia Meirelles Grassi, João Antonio da Costa Andrade, Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva, Mario Luiz Teixeira de Moraes, Paulo César Ceresini

Resumo


O sucesso nos programas de melhoramento genético
de milho depende da identificação de genitores com boa capacidade de combinação
para a produção de híbridos e na conservação da variabilidade genética do
germoplasma. O emprego de marcadores moleculares pode auxiliar na avaliação da
diversidade genética e na predição de híbridos, por meio da estimativa da distância
genética. Com esse objetivo foram genotipadas, por marcadores microssatélites,
40 linhagens oriundas dos compostos Dentado e Flintisa e investigada a
correlação do desempenho dos híbridos simples interpopulacionais com as
distâncias genéticas entre suas linhagens. Verificou-se diversidade genética
nos dois grupos de linhagens, permitindo a separação em grupos heteróticos
distintos, mas sem concordância total com os dados de genealogia. As correlações entre performance dos
híbridos e distância genética das linhagens foram baixas, indicando que altos
níveis de distância genética entre linhagens é condição necessária, mas não
suficiente para que seus híbridos exibam as melhores performances.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Cultura Agronômica: Revista de Ciências Agronômicas

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Cultura Agronômica
Ilha Solteira - SP
E-ISSN 2446-8355
E-mail: rca.feis@unesp.br
    
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.