ADUBAÇÃO ORGÂNICA, MINERAL E CALAGEM NO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MARACUJÁ DOCE

Juliana Teodora de Assis, Luiz de Souza Corrêa, Francisco Maximino Fernandes

Resumo


O
maracujá-doce é a segunda espécie de maracujazeiro mais plantada no Brasil. O
maracujazeiro doce tem como vantagem sua resistência à morte prematura. Este
trabalho teve como objetivo avaliar a calagem, o cultivo orgânico e mineral, na
fase de formação de mudas de maracujazeiro doce (Passiflora alata Ait.) bem como no desenvolvimento destas mudas no
campo. O experimento foi desenvolvido e conduzido no viveiro e no campo da
Fazenda de Ensino Pesquisa e Extensão da FEIS, no município de Selvíria-MS. O
experimento foi em blocos ao acaso, com oito tratamentos (adubações mineral,
orgânica e calcário), quatro repetições e oito mudas úteis por parcela no
viveiro e com oito tratamentos, três repetições e duas plantas por repetição,
no campo. Foram avaliados no viveiro, a porcentagem de germinação, número de
folhas, altura da planta, comprimento radicular, massa da matéria seca da parte
aérea e massa da matéria seca das raízes. No campo foram avaliados o diâmetro
do tronco e a altura da planta. Com base nos resultados obtidos conclui-se que:
Experimento no Viveiro: a) a adição de esterco bovino no substrato propiciou
mudas com maior qualidade, especialmente se acompanhada de adubação mineral; b)
O substrato com os tratamentos 8 (SFS + FTE-BR12 + esterco bovino + calcário),
4 (SFS + FTE-BR12 + esterco bovino) e 2 (esterco bovino) propiciou maior
desenvolvimento das mudas; Experimento no Campo: a) A associação de adubação
orgânica (esterco de curral), adubação mineral ou calcário no substrato,
propiciou resultados positivos de crescimento e desenvolvimento das plantas.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Cultura Agronômica

Cultura Agronômica
Ilha Solteira - SP
E-ISSN 2446-8355
E-mail: rca@agr.feis.unesp.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional